...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

subscrever feeds
tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

07
Out
10

Pois bem...

...isto vai de mal a pior. Já não chegavam as medidas estupidas de um governo estupido liderado por incompetentes...

 

E ainda nos insultam!!!

 

Ainda nos chamam de BURROS!!!

 

Ricardo "O Palhaço" Gonçalves insultou todos aqueles Portugueses que lutam para sobreviver às medidas coveiras do pinóquio. Este Zézé tem a lata de dizer que não tem dinheiro para comer pois também lhe retiraram 5% do ordenado. E diz mais... "acham que 60€ de ajudas de custo dá para tudo?".

 

Vejam bem:

Pensava que nada me podia surpreender na política, mas eis que um deputado me acorda para a triste realidade: Portugal. O absurdo é o limite. O horizonte da estupidez ganha novos desígnios e contornos todo o santo dia. Ao deputado Ricardo Rodrigues dos gravadores junta-se agora o deputado Ricardo Gonçalves das refeições.

Se o primeiro meteu gravadores no bolso. Este afirma que o que lhe põem no bolso não chega para tudo, mesmo que seja um valor a rondar os 3700€/ mês. Uma miséria. "Se abrissem a cantina da Assembleia da República à noite, eu ia lá jantar. Eu e muitos outros deputados da província. Quase não temos dinheiro para comer" Correio da Manhã (vou fazer uma pausa para ir buscar uns kleenex...)

O corte de 5% nos salários irá obrigá-lo, como "deputado da província", a apertar o cinto e consequentemente o estômago, levando-o a sugerir com ironia mas com seriedade (!?) a abertura da cantina da AR para poder jantar. Uma espécie de Sopa dos Pobres mas sem pobres e sem vergonha. Só com políticos, descaramento e sopa.

"Tenho 60 euros de ajudas de custos por dia. Temos de pagar viagens, alojamento e comer fora. Acha que dá para tudo? Não dá" Valerá a pena acrescentar alguma coisa? Não me parece. Só dizer que as almôndegas que comi ao jantar não se vão aguentar no estômago durante muito tempo depois de ter feito copy/paste desta declaração

Mas continuando a dar voz ao Sr. Deputado: "Estamos todos a apertar o cinto, e os deputados são de longe os mais atingidos na carteira". Pois é, coitadinhos, andam todos a pão e água. Alguns são meninos para largar os bifes do Gambrinus.

Bem sabemos que os grandes sacrificados do novo pacote de austeridade do Governo vão ser os senhores deputados. Ninguém tinha dúvidas quanto a isto. E ajuda a explicar o "aperto de coração" que o Primeiro-Ministro sentiu ao ter de tomar estas "medidas duras". Sabia perfeitamente que ao fazê-lo estava a alterar os hábitos alimentares do Sr. Deputado Ricardo Gonçalves, o que é lamentável.

Que tal um regresso à província com o ordenado mínimo e um pacote senhas do Macdonalds? Ser deputado não é o serviço militar obrigatório. Pela parte que me toca de cidadão preocupado está dispensado. Não o quero ver passar necessidades.

Há quem sobreviva com pensões de valor equivalente a 4 dias de ajudas de custo do senhor deputado. Quem ganha o ordenado mínimo está habituado a privações, paciência. Agora com 3700€ por mês e 60€/dia de ajudas compreendo que seja mais difícil saber onde cortar. Podíamos começar por cortar na pouca-vergonha. Mas isso seria pedir demais.

In Expresso

 

Claro que alguém tinha que lhe responder:

Maria José Nogueira Pinto chamou-lhe PALHAÇO!

Ao vivo e a cores.

Nem mais. É isto que todos aqueles que este PALHAÇO insultou pensam dele. Sem ofensa para os palhaços.

 

Então agora juntando este Ricardo "O Palhaço" Gonçalves aos outros badamecos da Assembleia temos:

  • Pedófilos
  • Ladrões
  • Palhaços
  • Homossexuais
  • Exploradores do povo
  • Incompetentes.
publicado por TC às 09:42
02
Out
10

 

Cunhada de Sócrates é assessora na EPAL

A EPAL, empresa pública tutelada pelo Ministério do Ambiente, contratou em Junho deste ano, já em plena derrapagem das contas públicas, a cunhada do primeiro-ministro para assessora do conselho de administração. A admissão de Mara Mesquita Carvalho Fava, irmã de Sofia Fava (ex-mulher de José Sócrates), nos quadros da EPAL ocorreu após quase dois anos como trabalhadora da empresa a recibos verdes. A cunhada de José Sócrates terá um salário mensal bruto de 2103 euros, acrescido de 21,5% do ordenado por isenção de horário de trabalho.

O ingresso de Mara Fava nos quadros da EPAL foi revelado pelo próprio jornal da empresa: na edição de Junho de 2010 do ‘Águas Livres’, na coluna Movimento de Pessoal, indica-se que foram admitidas Mara Fava e Mariana Barreto Dias de Castro Henriques, mulher de Jorge Moreira da Silva, ex-secretário de Estado do Ambiente, ex-consultor do Presidente da República e vice-presidente do PSD.

 

A Comissão de Trabalhadores, em resposta ao CM, assume que o assunto "é falado entre os trabalhadores da EPAL e em termos nada abonatórios para os envolvidos directa ou indirectamente na sua admissão, assim como para a justificação do vencimento mais isenção de horário de trabalho".

 

COMENTÁRIO: Assessora de um assessor!!!! looooooooooooooool 2103€ + 452€ (21,5%) = 2555€ por mês!!! Para quem era precária....de um momento para o outro não é nada mau!!! É para isto que ser vem os Institutos Públicos, Empresas Municipais, Fundações...

publicado por TC às 22:47
01
Out
10
Imagem do Kaos

É sempre bom, quando as coisas se tornam claras. Ontem, o Sr. Sócrates, conhecido por "Engenheiro", o que, em Portugal, é sempre uma prova de parolice e subserviência, como o clássico "Sr. Doutor", da puta que o pariu, veio provar que era, de facto, um mero fantoche, ao serviço de grandes dinâmicas mundiais, nas quais, para todos os efeitos, já não temos lugar, a não ser como capachos, dobradiças e caixotes de lixo. É bom que se saiba isso, e é quase indiferente que seja o seu nariz de batata, travestido de Armanis, a dar-nos a boa nova. Para os entendidos, a boa nova já era muito velha, só estava à espera de uma balda para poder aparecer.

Aparentemente, passámos de um destino de navegadores a clientes de segunda de alfaiatarias, uma, dos anos 50, da Rua dos Fanqueiros, outra, ainda mais miserável, de um gajo "licenciado" nas Novas Oportunidades, que se deslumbra com tecidos que lhe assentam francamente mal.

Vou ser breve, e introduzir já a frase com que se deverá concluir este texto: chegámos ao tempo em que é preciso fazer cortes, mas não nos salários, e, sim, em certas cabeças.

O Sr. Aníbal, de Boliqueime, com a sua corja de Ferreiras do Amaral, de Leonores Belezas, de Miras Amarais, de Dias e Valentins Loureiros, de Duartes Limas, do pedófilo Eurico de Melo, de Durões Barrosos e tantos outros nomes do estrume que já se me olvidaram, inaugurou o derradeiro ciclo de declínio de Portugal, quando vendeu o Estado a retalho, e permitiu que os Fundos, que nos iam fazer Europeus, fossem fazer de forro de fundo de bolsos de gente muito pouco recomendável. A apoteose dessa desgraça teve vários rostos, as Expos, do ranhoso Cardoso e Cunha, e a mais recente, o BPN, onde estavam todos, 20 anos depois, refinados, enfim, tanto quanto o permite o refinamento da ralé, e isso custou ao Estado um formidável desequilíbrio, que a máquina de intoxicação, feita de comentadores de bancada, de ex-ministros que tinham roubado, e queriam parecer sérios, e de carcaças plurireformadas, de escória, em suma, que há muito devia estar arredada do palco da Opinião, nos fez crer ser uma "Crise".

Depois, veio a outra "Crise", a Internacional, cozinhada em Bilderberg, e que se destinava, como se destinará, a criar um Mundo mais pobre, de cidadãos mais miseráveis, cabisbaixos, e impotentes. Nem Marx sonhou com isso: é mais Asimov, Orwell e uns quantos lunáticos de ficção científica reciclada em Realidade, e vamos ter, nós, os intelectuais, de prever e preparar as novas formas de reagir, contra esse pântano civilizacional. A seu modo, será uma Idade do Gelo Mental e Social, minuciosamente preparada, para a qual, aviso já, não contem comigo.

Como na Epopeia de Jasão, depois do miserável Cavaco, vieram os Epígonos, os "boys-Matrix" do Sr. Sócrates, um Matrix de Trás os Montes, o que, já de si, cheira a ovelha, animal que só estimo naquela classe de afetos que São Francisco de Assis pregava, e nada mais. Podem chamar-se o que quiserem, Pedros Silvas Pereiras, a cadela Isabel Alçada, a aquecer os motores para substituir o marido na Gulbenkian, mal ele se reforme; a mulher a dias do Trabalho, os pedófilos dos olhos descaídos e aquele pequeno horror, chamado Augusto Santos Silva, que parece, e é, uma barata de cabelos brancos e alma pegajosa. Esta gente toda convive connosco, quer-nos levar ao abismo, e fala da inevitabilidade de "cortes". Eu também estou de acordo: toda a frota de carros da Administração Pública deve ser vendida em hasta pública -- pode ser aos pretos da Isabel Dos Santos, que adoram essas coisas... -- e passe social L123, para todos os Conselhos de Administração, com fedor de Vara, Cardona, Gomes, ou Zeinal Bava. Os gabinetes imediatamente dissolvidos, e os assessores reenviados para os centros de reinserção social, para aprenderem o valor do Trabalho, e não confundirem cunhas com cargos; os "Institutos", de quem o Vara era especialista, e o Guterres, num súbito fulgor de não miopia chamou "o Pântano"; os "off-shores"; a tributação imediata de todas as especulações financeiras com palco português, feitas em plataformas externas; a indexação do salário máximo, dos tubarões, aos índices mínimos das bases, enfim, uma espécie de socialismo nórdico, não o socialismo da rabeta, inaugurado pelo Sr. Soares, e transformado depois, nesta fase terminal, em esclavagismo selvagem, pela escória que nos governa.

Acontece que, se os Portugueses sentissem que estavam a ser governados por gente honesta, e tivesse acontecido um descalabro financeiro, prontamente se uniriam, para ajudar a salvar o seu pequeno quintal. Na realidade, a sensação geral é a de que há, ao contrário, um bando de criminosos, inimputáveis, que se escaparam de escândalos inomináveis, de "Casas Pias", de "Freeports", de "BPNs", "BPPs", "BCPs", "Furacões", "Independentes", Hemofílicos", "Donas Rosalinas", "Noites Brancas" e tanta coisa mais, que dispõem de um poder de mafia e associação tal que destruíram a maior conquista do Liberalismo, a separação dos Poderes, tornando o Judicial uma sucursal dos solavancos políticos, do rimel das Cândidas e das menos cândidas, das Relações, e das relações dos aventais, das "ass-connections" e das Opus, enfim, de uma Corja, que devia ser fuzilada em massa, que roubou, desviou, pilhou e, agora, vem tentar sacar a quem tem pouco, muito pouco, ou já mesmo nada.

Somos pacíficos, mas creio que chegou a hora de deixarmos de o ser.
Pessoalmente, mas não tenho armas, já escolhi alguns alvos.
Curiosamente, se pudesse, nem seria um Político aquele que eu primeiro abateria, seria uma coisa, uma lêndea, um verme pútrido, chamado Vítor Constâncio, que julga que, por estar longe, fugiu da alçada de um qualquer desvairado que se lembre de ainda o esborrachar com o tacão.
Infelizmente, ou felizmente, nem sou violento, nem tenho armamento em casa, porque é chegada a hora, não dos cortes no bem estar de quem tem pouco, mas nas cabeças que provocaram, ao longo de décadas, o imenso horror em que estamos.
Toda a gente lhes conhece os rostos, e suponho que será unânime na punição.
Por muito menos, há quase 100 anos, deitou-se abaixo um regime, cuja corrupção era uma brincadeira, ao lado do que estamos a presenciar.

Não tenho armas, digo, mas menti, porque, de facto, tenho uma, e que é a pior de todas, o Dom da Palavra, e acabei, esta noite, de voltar a tirá-la do bolso.

Espero que vos faça acordar.

("Aux armes, citoyens", no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers" )
publicado por TC às 01:43
30
Set
10
Desde há algum tempo que assistimos à agressividade verbal de ignomínias em defesa ou conquista dos tachos pelos partidos. Não passam disso, para além de demonstrarem o desinteresse deles pelo país, pelos resultados obtidos.

A pouco e pouco o Pedro Coelho vai tirando a máscara de santinho carunchoso com que pretende enganar os incautos na óbvia intenção de lhes sacar votos, interesse único dos políticos de todas as cores, pelo que quem o julgava isento desse sofisma de certo já perdeu a ilusão ou é tolo. Aguardemos e veremos ainda a concretização dos restantes prognósticos sobre ele e o seu partido como anteriormente aqui expostos.

Ora se a máfia mais importante do partido degenerado anuncia há alguns anos a mudança de direcção do partido e que ele próprio afirmou várias vezes antes de ser padrinho daquela família, como acreditar ou mesmo até compreender que desde esse dia tenha mudado de intenção, como passou a afirmar. Só um falsário e impostor pode assim proceder. O seu propósito mais caro é o de alargar o fosso entre ricos e pobres, fazer cada um pagar pela saúde e descontar para a sua reforma.

Se assim não fosse, se fosse verdade que queria implantar um sistema de saúde solidário e universal completamente privado, de certo falaria nele e o explicaria abertamente, porque existe na Europa, como na Suíça, para o qual o estado não versa um centavo, salvo para os casos sociais, que nesse país se sabe serem poucos. Esse exemplo demonstra como um estado pode seguir uma política 100% capitalista, embora social e democrata. De certo que não é a um tal sistema a que o alarve se refere, pois que é um exemplo a copiar, mas demasiado democrático para o seu gosto e que diminui o fosso nacional entre ricos e pobres, o maior da Europa, causado principalmente pelos vencimentos da corja corrupta de políticos.

Após ouvirmos o Sócrates anunciar as suas medidas coxas contra a crise, algumas perguntas e observações têm lugar. Paralelamente, a seguir a cada tópico e em itálico, segue-se a análise do discurso do palrador do PSD após o anúncio destas medidas pelo Sócrates, em que algo simplesmente ressalta à vista. Não tinha a que se agarrar nem reclamações lógicas a apresentar, pelo que foi um discurso vazio, à toa, oco. Como reclamar eficientemente quando a maioria das medidas eram do seu agrado?

Um erro crasso foi o abandono dos investimentos do estado, pois que sem eles, no estado actual duma indústria quase inexistente, não haverá progresso financeiro e ajudará ao aumento do desemprego. Vê-se como as demonstrações de trabalhadores europeus insistem a este propósito por conhecerem que isto os empobrecerá. Também eles reclamam do dinheiro entregue aos bancos, enquanto em Portugal não só se faz isso como ainda os seus impostos não sofreram senão um aumento ridículo.

O palrador do PSD, em lugar de contestar o abandono dos investimentos públicos, que serviriam para algum lucro e evitar um maior desemprego, ainda queria que o estado abandonasse todos aqueles em que apenas participasse.

Ridícula, de 5%, foi também a baixa anunciada nos vencimentos dos que trabalham para o estado a todos os níveis. Esperava-se que se baixassem esses ganhos dos que mais recebem, alguns escandalosamente. Que os mais bem pagos sofressem um justa baixa na ordem dos 30%. São os que mais ganham que mais devem contribuir e não aqueles que menos têm.

O palrador do PSD aprovou sem mencionar que era ridiculamente pouco. Disse que havia mais onde cortar, mas ainda não foi desta que concretizou nem propôs. Melhor calado que repetir tal revelação de contrariedade por sofisma.

Seria também de esperar que os vencimentos dos políticos e cargos governamentais tivessem sido ajustados ao nível europeu proporcional. Se fizermos as contas como deve ser, os nacionais estão ao dobro dos países ricos europeus. De lembrar que as contas não se fazem como os burlões nos dizem: jamais se comparam directamente, mas a parte que representam relativamente ao custo de vida e à média nacional, isto em e para qualquer país ou caso.

Falar num ajuste dos vencimentos dos governantes, isso então nem pensar, pois que o partido espera vir a lucrar com esse tipo de roubo aos cidadãos.

Não foram tomadas medidas para democratizar o sistema de cálculo de pensões, como era a ocasião de o fazer, de modo a que tenha alguma semelhança com os dos países democráticos, em que existe um máximo e um mínimo. As pessoas podem receber mais, mas para isso contratam seguros e planos de reforma como também existem em Portugal. Não há justificação para que o recebam à conta da restante população.

O palrador do PSD falou muito, mais que os dos outros partidos (porquê?!), mas não neste problema por se tratar de assunto democrático, portanto sem sentido para um partido que hoje repudia a democracia.

O aumento dos IVA é injusto, mal aplicado por ser igual para todos, afectando sem distinção os mais ricos e os mais pobres.

O palrador do PSD desaprovou, como era de esperar, mas não fez qualquer referência ao aspecto democrático, evidentemente. Reprovou, mas não disse onde queriam que o estado fosse buscar o dinheiro. O Coelho tem berrado que nem um bode contra as despesas do estado, geralmente com plena razão, mas jamais apresentou um plano ou proposta à parte a tal redução ridícula dos vencimentos gerais de 5%, de que o governo se serviu por falta de melhor. Sem interesse político corrupto não se compreenderia também que os adeptos economistas portugueses que ouvimos contrariassem as opiniões de todos os seus colegas internacionais, sem excepção, os quais não se têm calado no sentido de se aumentarem os impostos. Como justificar a opinião destes economistas do PSD? Se o país não se encontrasse no lamentável estado económico em que está ainda se lhes poderia conceder algum crédito, mas sendo como é não têm o mínimo, pois que eles mesmos contribuíram eficazmente para o mal actual.

Alguém reprovou €10 milhões que o governo já começou a estoirar com as comemorações dos cem anos dos assassinos da carbonária?

A não esquecer que os recentes aumentos dos juros que todos pagam em Portugal se devem à ganância do Coelho e acólitos pela conquista dos tachos, que com a sua vociferação contra um aumento de impostos fizeram aumentar o descrédito financeiro internacional no país e assolaram os especuladores contra ele. Tão claro que nem necessita de detalhes justificativos. O Coelho sacrificou, assim, todos os portugueses à ávida mesquinhez do seu partido. Ninguém lerá a imprensa estrangeira, já que a nossa, em aberto conluio, só nos desinforma? Os corruptos sabem que os pacóvios os ouvem, babados, em lugar de se interessarem pela realidade.


Há ainda mais sobre o aumento dos impostos. O estado a que se chegou não foi por acaso nem se podia ter originado em meia dúzia de anos. Ninguém pediu contas ao Cavaco pela destruição da indústria, das pescas ou da agricultura, nem pelo roubo, desperdício e mau uso dos fundos europeus de coesão, precisamente destinados a evitar a crise actual. Em lugar disso, os papalvos demonstraram-lhe reconhecimento, elegendo-o. Por demais, todos os governos que se lhe seguiram apenas contribuíram, sem excepção, para agravar a situação em lugar de tentar salvar o país do buraco em que o Cavaco o meteu. Como sempre, ninguém prestou contas dos seus actos ao povo desmiolado que não é soberano nem mostra querer sê-lo. Se o povo renuncia a ser o soberano e se submete aos desígnios da corrupção e da ganância políticas, então que acarrete com as consequências, que pague o preço sem reclamar. Sejamos realistas: ou democracia ou aceitação das consequências, não só políticas, mas também económicas e sociais.

Visto as circunstâncias se manterem imperturbavelmente, como poderá a conclusão sobre este assunto variar? Ou se aceita o estado actual como consequência dum sistema que não é democrático ou se actua para provocar a mudança que se almeje e se creia necessária.

Como acreditar que algo mudará um dia, quando a população se esforça para a sua manutenção? Para que tudo se preserve eternamente basta continuar como até agora e ir votando nos mesmos, levando ora um partido ora outro ao governo para que se encham à vez. Não é isso o que eles pretendem? Não é por isso que se atacam mutuamente? Quando menos democracia, mais ouvimos os políticos. Quanto mais democrático o país, menos valor se lhes reconhece e menos importância tem quem estiver no governo, pois que o povo é o soberano que o controla. Num país democrático não existe tal expressão ridícula como «órgãos de soberania» visto que o único soberano é o povo. É um caso bem expressivo da «democracia» portuguesa. A imaturidade política ainda não permitiu que se compreendesse que, como em todo o mundo, sem controlo dos políticos pelo povo não pode haver democracia.

A igualdade democrática não pode ter lugar neste habitat. O fosso entre ricos e pobres e as enormes diferenças sociais continuarão os maiores da Europa e do mundo civilizado e democrático; a justiça podre perdurará e não se matará a galinha dos ovos de ouro da corrupção política, mas haverá paz social. Pelo que se observa só pode ser isto o que o povo português pretende. É também a opinião dos observadores internacionais sobre o país. Por isso que a aura que Portugal tem criado é absolutamente justificável. O presidente Roosevelt, dos EUA, disse uma vez «Se tiver que escolher entre a rectidão e a paz, escolho a rectidão.» Frase incompreensível para a mentalidade geral nacional de carneiros, corrupta e podre e com princípios e valores rascas concretizados na geração a que se deu esse nome no tempo da presidência do Mário Soares, os pais da miséria humana que hoje pulula pelas escolas nacionais, agridem os professores e não lhes permitem ensinar os seus desgraçados rebentos. Que esperar?


Adenda

Algumas horas após a publicação deste artigo, o Fundo Monetário Internacional confirmou a afirmação acima (já mencionada em posts anteriores) de que estas medidas adicionadas à suspensão dos investimentos iriam suspender, por sua vez, o crescimento económico e aumentariam o desemprego. Não era difícil de preconizar e para tanto bastaria usar o nosso próprio discernimento em lugar de emprenhar pelos ouvidos com os discursos dos impostores corruptos e o encobrimento sistemático dos vigaristas que tudo nos escondem e implementam a ignorância nacional, a jornaleiragem dos mérdias.


Este e outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

publicado por TC às 19:34
As medidas anunciadas pelo Pinóqui para o PECIII são vergonhosas.
Pisar ainda mais os Funcionário Públicos!!!
Sem mexer no bolso de quem ganha milhões!!!

Retirar 5% a quem ganha 1500€ é muito pior que retirar 10% a quem ganha 5000€:
  • 1000€ - 5% = 1425€.  75€ para quem ganhava 1500€ é muito dinheiro para sustentar filhos, casa, transportes, alimentações, doenças, roupa, impostos. Pois quem ganha 1500€ não tem subsídios!!!
  • 5000€ - 10% = 4500€ que continua a ser uma fortuna mensal!!! 100 contos para quem ganha mil é uma ninharia.
Mas já repararam que as medidas não mexem no bolso DELES?
Não falo nos salários pois retirar 10% de 4000/5000€ para quem tem carro de borla, casa de borla, alimentação de borla, viagens de borla........ não é nada!

ELES não mexem no futuro deles.
Tecto nas reformas? zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
Privilégios? zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
Apertar com os Bancos e Grandes Empresas (que lhes dão tachos no futuro)? zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Recebi hoje uma petição para a redução da despesa pública. Não concordo com tudo mas ASSINEI. Há coisas que acho exageradas mas ASSINEI. Há coisas que acho prioritárias mas ASSINEI. Há coisas que acho que faltam dizer mas ASSINEI.

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2010N3158

Diz o seguinte (com acrescentos sinalizados meus):

1. Redução de todos os ordenados de cargos políticos para o máximo de dois ordenados mínimos nacionais.
2. Suspensão imediata do subsídio de reintegração de ex-deputados.
3. Venda das viaturas excedentes do Estado
4. Suspensão imediata de todas as reformas com cargos políticos que as acumulem com outras reformas.
5. Revisão – anulação quando assim se justifique – de todas as PPP (Parcerias Público-Privadas)
6. Suspensão imediata dos cartões de crédito dos gestores de empresas públicas ou revisão dos limites dos mesmos para um ordenado mínimo nacional.
7. Suspensão do subsídio de deslocação de todos os deputados.
8. Proibição de viajar em primeira classe para todos os detentores de cargos públicos - com a opção de que se o fizerem paguem de imediato o excedente ao Estado.
9. Eliminar os Governos Civis
10. Eliminar a atribuição de motoristas (com excepção para o Presidente da República, Primeiro-Ministro, Presidente da Assembleia da República e Presidente do Supremo Tribunal de Justiça)
11. Suspender definitivamente o pagamento de indemnizações compensatórias à RTP
12. Cortar em 50% as despesas com gabinetes de advogados - Nos ministérios há muitos advogados que devem TRABALHAR. Não é necessário ir buscar fora. Só o é por interesses instalados.
13. Cortar em 50% as despesas com gabinetes de estudo -  Os estudos devem ser efectuados pelos próprios ministérios pois têm competência para isso. Seriedade é que talvez não.
14. Gestão eficaz do património do Estado
15. Controlo dos horários de trabalho praticados na Saúde e na Educação. Mais controlo? Na Educação é ao minuto! Um professor não se pode atrasar!!!
16. Criar um sistema de desempenho eficaz para toda a Função Pública, aplicando as melhores práticas do sector privado.
17. Privatização imediata da TAP e da RTP . A RTP deve sempre existir. Mas só para serviço público!!!
18. Extinção das Fundações sem objecto útil e concreto.
19. Redução das despesas feitas em almoços e jantares oficiais em 60%
20. Revisão do Código do IVA para que não permita injustiças fiscais
21. Reavaliar a função dos 640 Institutos públicos existentes para posterior eliminação dos que não prestam, de facto, qualquer serviço público
22. Suspensão imediata das obras públicas de grande envergadura (TGV, Aeroporto de Lisboa)
23. Eliminação do 13º e 14º mês para toda a classe política.
24. Eliminação em 70% do número de assessores políticos pagos pelo Estado Português.
25. Fim dos subsídios atribuídos a Fundações privadas
26. Limitação das reformas do Estado ao mínimo de 70% do salário médio aferido nos últimos 5 anos e a um máximo de €3000 com efeitos imediatos. Esta era JÁ!!! Em Espanha já há um tecto nas reformas há uma década. Mas não só nas reformas do Estado!!! Em todas!!!
27. Proibição total de alterações de design ou estilo aos logotipos, anúncios, bandeiras, Estacionários e outros em todos os institutos públicos, ministérios ou qualquer outra entidade gerida pelo estado.
28. Revisão de todos os alugueres pagos pelo Estado para ocupar edifícios no centro de Lisboa com institutos, Comissões, Gabinetes e outros organismos do Estado.
29. Proibição imediata de qualquer ajuste directo do Estado sem a aprovação do respectivo Ministro da Tutela.
30. Proibição de gastos com festas de aniversário, Natal e outras pelos organismos do Estado.
31. Revisão dos custos e eliminação de todos os que envolvam a edição de sites de Organismos do estado por entidades externas.
32. Revisão das clausulas estatutárias dos organismos do estado que obrigam ao pagamento de mais de um ano de indemenização de Administradores.

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2010N3158

Há muita coisa que ELES podiam fazer para reduzir facilmente a despesa pública mas não lhes interessa mexer no futuro deles!!!
publicado por TC às 11:05
29
Set
10
A nova profissão
ao que isto chegou...
O Parolismo e o Ridículo sem limites...
 

Quando passar numa das principais artérias da cidade de Lamego, não vai precisar de muita atenção para esbarrar numa original placa. Não se trata de um escritório de advogado, ou um consultório médico, nem mesmo de um gabinete de contabilidade, mas sim da novíssima profissão liberal de, imagine lá... deputado!! A mediocridade não enxerga além de si mesma, já dizia Doyle e, antigamente este tipo de pessoas recebiam apropriado adjectivo mas hoje, ainda que tal aconteça pouco lhes importa... já perderam a noção do ridículo e a vergonha!
publicado por TC às 20:55
26
Set
10
As portagens estão na ordem do dia.
Os orçamentos familiares são cada vez mais espremidos.
Mas as injustiças continuam...

Paga classe 1 ou classe 2 nas portagens?
"A lei que define a diferenciação entre classe 1 e 2 é mais uma das que não faz sentido em Portugal" Herman De Backer, General Motors Portugal.

Em Portugal os veículos que medirem até 1,10m no eixo dianteiro pagam classe 1.
Porquê? Por que não 1,12m? Ou 1,09m?
Ninguém sabe responder.
É assim e mais nada!!!

Mas há excepções. Claro que no nosso país isso teria que acontecer.
Os monovolumes pagam classe 1 independentemente da altura do eixo dianteiro. Isto surgiu num acordo entre o governo e a auto-europa por causa da construcção da VW Sharam no nosso país.

Um Smart (2 lugares e 750kg) paga o mesmo que uma Chrysler Grand Voyager (7 lugares e 2100kg). info retirada no Guia do Automóvel 09/2010.

Mas o mais grave não é pagarem o mesmo. É haver veículos ligeiros que pagam classe dois, três ou quatro!

Um Land Rover Discovery de 1995 (valor comercial - 6000€) paga classe 2. 
Porquê? Gasta mais estrada? 
Ninguém sabe responder.
É assim e mais nada!!!

Há casos caricatos dentro do mesmo modelo de veículos. Um Mitsubishi Pajero paga classe 1 mas a versão com entrada de ar no capot para o intercooler (menos poluente) paga classe 2.
Porque?
CLARO QUE NINGUÉM SABE RESPONDER. É assim!!!.............e mais nada.
  • Se eu tiver um jipe velhinho (ex: UMM - o bom Português) e levar os cães à caça no atrelado posso ter que pagar classe 4.
  • Um lorde (tipo Durão Barroso que tinha um) que tenha um Porsche Cayenne Turbo (153.000€) e rebocar um iate num atrelado com 3, 4 ou 10 rodados paga classe 1.

Porquê?
É assim.

autohoje TT&Aventura

O nosso pedido é simples:

Veículos que se conduzam com carta tipo B (ligeiros) = Classe 1 nas portagens.

Se queres viver num país justo. Assina a Petição:

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2010N3119

Petição Carta B - Classe 1.........assim há justiça.


publicado por TC às 21:31
25
Set
10

Retirar da Constituição o desarmamento geral, simultâneo e controlado, bem como a dissolução dos blocos político-militares.

Retirar o respeito pelos princípios fundamentais do Estado de direito democrático.

Incluir em direitos das pessoas colectivas o bom nome, a imagem e a reserva das sedes e da comunicação, como se não fosse um dever das organizações ter bom nome e boa imagem!

Incluir o benefício dos arguidos, pela aplicação da pena mais suave, quando se promulgarem Leis com retroactividade.

Ampliar direitos dos arguidos, pelo direito ao silêncio e à não auto-inculpação.

Interditar o acesso às sedes das pessoas colectivas, por limitação da acção judicial.

Limitar a autorização judicial, nos mandatos à invasão de domicílios e sedes de pessoas colectivas.

Limitar a infiltração informática, para efeitos de investigação criminal.

Extrair a importância do sector público na comunicação social.

Limitar o seguimento de pessoas, em investigação criminal.

Permite ao legislador de ocasião definir o que é motivo de despedimento.

Retira as comissões de trabalhadores e os sindicatos da elaboração dos planos sócio-económicos.

Inclui os incentivos à iniciativa económica privada, como elemento fundamental da política de emprego.

Inclui compensações pela cessação contratual em direitos e garantias especiais, de acordo com a vontade do legislador de ocasião.

Proíbe o confisco de bens privados.

Define introdução de regras especiais de protecção social, consoante os casos.

O SNS deixa de ser tendencialmente gratuito.

Acaba-se com o desenvolvimento da educação sanitária do povo.

Introduz a liberdade de escolha pela unidade de saúde.

Elimina a criação de sistema público de ensino, sendo apenas obrigação do Estado assegurar por outros sistemas a cobertura das necessidades de ensino.

Elimina o direito de participação na gestão democrática da escola, condicionando-a à vontade do legislador.

Elimina o direito à cultura física e foca-se apenas no direito ao desporto.

Elimina a coexistência do sector público, com privado e com cooperativo e social na propriedade dos meios de produção.

Elimina o zelo pela eficiência do sector público e prefere o incentivo à actividade empresarial e ao investimento estrangeiro.

Elimina a obrigação de promover a correcção das desigualdades das regiões e prefere o desenvolvimento das relações económicas externas.

Elimina a obrigação de acabar com os latifúndios.

Substitui os instrumentos jurídicos e técnicos de planeamento democrático do desenvolvimento económico, por apoio ao empreendedorismo.

Elimina a cooperação internacional na política de energia, na área da preservação de recursos.

Elimina a obrigação do Estado de apoiar as experiências de auto-gestão.

Introduz a possibilidade de as tributações terem uma contrapartida económica, a definir pelo legislador, como já se faz para os bancos.

Reforça as restrições para a elegibilidade, que se mantém nos 35 anos.

Elimina o limite de revisão constitucional quanto à coexistência do sector público e privado na detenção dos meios de produção e quanto à existência de planos económicos, no âmbito da economia mista. (esta intenção anula o projecto de revisão, já que este prevê uma alteração que a presente Constituição não autoriza; era necessário fazer uma revisão intercalar para os limitas da Constituição.

Assim, informando, damos a conhecer as intenções do actual directório, que se diz social-democrata...!
publicado por TC às 19:45
Caros amigos

A PT comunicações faz descriminação no tratamento entre o Zé Povinho e a " elite".

Se cairem no logro que eu cai no Ano passado ao aceitar um pacote MEO que só me deu dores de cabeça e precisarem de usar os numeros do Zé Povinho, 16200 ou 16208 ficam horas pendurados no telefone e as semanas passam sem que vejam os vossos problemas resolvidos.

Mas graças a um amigo de dentro da PT eu descobri o numero mágico que resolve todos os nossos problemas!

A PT comunicações tem uma equipe denominada GOE ( Grupo de Operações Especiais) se estiverem enrascados com qualquer problema com a PT basta ligar para este número e perceber a diferença de atendimento entre o 16200 e o GOE.

Neste numero a pessoa que vos atende toma conta da reclamação, vai resolver as coisas e depois entra em contacto com vocês.

Se for uma avaria e houver necessidade de deslocação ao vosso local é agendada uma hora. 15 minutos antes o GOE liga a dizer que a equipa está a caminho. Quando a equipe chega tem de ligar ao GOE a informar que chegou. Depois do trabalho concluido tem de ligar a informar e finalmente o GOE entra em contacto com vocês a perguntar se estão satisfeitos...mesmo parecido com o atendimento 16200....

Se na vossa área houver 2000 avarias os GOE tem prioridade inclusivé sobre hospitais na reparação.

E porque eu não sou egoista a acho que a democracia é para todos aqui fica o numero mágico 800207207

Se alguém vos perguntar onde arranjaram o numero digam que foi de um amigo da administração.

Registem e espalhem!
publicado por TC às 18:41
21
Set
10

Armando Vara tem novo emprego

AQUI

Crise? Qual crise?

publicado por TC às 21:14
Acabei de ler e assinar esta petição online:

«Alterar a Lei Portuguesa Para Que os Crimes por Abusos Sexuais que envolvam Crianças e Adolescentes Não Prescrevam»


Eu pessoalmente concordo com esta petição e acho que também podes concordar.

Subscreve a petição aqui http://www.peticaopublica.com/?pi=P2010N3001 e divulga-a pelos teus contactos.
publicado por TC às 21:10
Coloco tal e qual recebi.
Srs. jornalistas, não me venham ligar a pedir as fontes pois não tenho... circula na net.
Façam o vosso trabalho e investiguem!!!

E porque motivo os outros pedófilos não foram julgados?
 Porque motivo o Tribunal não julgou Paulo Pedroso, Ferro Rodrigues e Paulo Portas?
 O que impediu a Justiça de funcionar? Em que País vivemos nós?


Se nada disto for verdade onde é que ela está e pela ansiedade de muita gente a explosão deve queimar gente muito importante...
1- Eurico de Melo é o deputado europeu identificado no Caso do Parque. Chegou a ser assinalado por comportamento pedófilo em Bruxelas pela Interpol.
 Desapareceu da vida política por isso. Porque é que Cunha Rodrigues e Laborinho Lúcio abafaram o caso?
 2- Porque é que vários prostitutos do Parque Eduardo VII (alguns da Casa Pia) identificaram Paulo Portas e a PJ os ignora?
 3- Porque é que se reacende a "ligação" Paulo Portas/Cinha Jardim?
 4- Porque é que o Conselho de Ministros manteve completo silêncio até hoje sobre a denúncia do Le Point, reiterada por Rui Araújo na SIC, de que há dois ministros pedófilos no governo?> >
 5- Porque é que Adelino Granja e principalmente Pedro Namora pediram tão insistentemente a demissão do ministro da Saúde?
 6- Que ligações existem entre Jorge Coelho e Paulo Portas?
7- Porque é que Jorge Coelho, enquanto ministro da Administração Interna telefonou às 4 da manhã para o Director Nacional da PSP para obrigar os agentes que levaram Paulo Portas para a esquadra a "esquecer"tudo? Os dois agentes surpreenderam Portas no Parque Eduardo VII, ignoraram o seu estatuto de deputado e levaram-no para a esquadra?>>
 8 - Qual o papel da Dr.ª Fátima Galhardas, mulher do ex-director do SIS, Telles Pereira, na escolha da "Casa de Elvas"? Ela é a Delegada do Ministério Público em Elvas e a responsável pela entrega de crianças aos cuidados das amas da Segurança Social. Gertrudes Nunes, dona da "Casa de Elvas", era ama da Segurança Social - que coincidência!>>
 9 - Porque é que há alunos da Casa Pia que não quiseram voltar à PJ para serem interrogados de novo?>>
10 - Porque é que os interrogatórios feitos por Dias André e Rosa Mota a alunos da Casa Pia não foram gravados em vídeo ou pelo menos em áudio como acontece em qualquer país civilizado?>> Tiveram medo de registar a violência? Leia-se Barra da Costa, ex-investigador da PJ, no Correio da Manhã de 4 a 8 de Agosto.>>
11 - Que relações existem entre o inspector Dias André e o Eng.ª Miguel Paes do Amaral com Felícia Cabrita no meio?> >
 12 - Qual o papel da TVI e o Portugal Diário (Media Capital=Paes do Amaral) neste processo?> >
 13 - Que sabe a PJ sobre José Eduardo Moniz enquanto Director de programas da RTP, sua sociedade com Vasco Lourinho em Espanha quando este era correspondente da RTP e com um ex-director da TV Globo, a quem comprava as telenovelas, e que é seu actual sócio com António Parente e Paes do Amaral, no Brasil?> >
14 - Quem são os jornalistas envolvidos neste complot? Quem são os colaboradores da PJ e quem são os que são pagos? Porque é que Tânia Laranjo só agora descobre que andou a ser enganada pela sua muito credível fonte do Ministério Público?> >
15- Porque é que a TVI não consegue ou não pode aprofundar o caso do barco Apollo?> >
16 - Quem são as figuras públicas que aparecem num vídeo feito a bordo de um iate ao largo da Madeira e que está guardado ou foi destruído pela PJ?> >
 17 - Quem é a sorridente figura pública que arranjava rapazinhos para o embaixador Carlucci, pedófilo tão compulsivo que chegava a ter ataques de fúria quando não o "serviam"?> >
 18 - Porque é que Lisa Albarran era visita regular da Casa Pia e é amiga íntima do célebre "Valquíria", o monitor Paulo César, proxeneta e pedófilo do Colégio Nuno Álvares?> >
 19 - Porque é que Lisa Albarran declarou numa entrevista à revista Ego que "também podia dizer que o Artur engatava rapazinhos... o difícil é provar"?> >
20 - Porque é que Lisa Albarran escreveu uma carta de conforto a Bibi e o quis ir visitar? Porque é que a direcção da Cadeia não autorizou?> >
21 - Porque é que José Martins, advogado de Bibi, é o novo advogado de Lisa Albarran?> >
 22 - Porque é que Catalina Pestana afirmou que havia jornalistas e outras pessoas a pagar a alunos para, mentindo, denunciar certas pessoas e nunca disse quem são esses jornalistas nem os outros que pagavam? E porque é que de repente, passou a dizer que os alunos não mentem?> >
 23 - Porque é que Dias André e Rosa Mota mostraram fotos de Valente de Oliveira, Narana Coissoró e Mota Amaral a Bibi e a alunos da Casa Pia? Porque é que mudaram para as fotos de José Sócrates e João Soares? E depois só Paulo Pedroso?> >
24 - Quem não "permitiu" que Ferro Rodrigues fosse preso e constituído arguido tendo esse acto levado à prisão de Paulo Pedroso?> >
25 - Onde pára o mega-processo contra António Moura Santos (ex-cunhado de Guterres) abafado por Cunha Rodrigues que o entregou a Souto Moura? Processos de corrupção que ainda vêm do tempo da Alta Autoridade.>>
26 - Que ascendente (s) tem João Guerra sobre Souto Moura? Que segredos lhe conhece?>>
27 - Que segredos de Souto Moura tem Cunha Rodrigues?> >
28 - Que sabe ou que ligação tem Cunha Rodrigues ao tráfico de órgãos humanos na Casa Pia? (A notícia do Semanário tem fundamento.)> >
29 - Que segredos unem Cunha Rodrigues a Laborinho Lúcio?> >
30 - Onde param as fotos "eróticas e pornográficas" de Felícia Cabrita com o Capitão Roby? E que outros telhados de vidro tem ela que a obrigam a "colaborar"?> >
31 - Que é feito do processo do envio de crianças abusadas da Casa Pia de Lisboa para Angola (1975/76) pela Dr.ª Odete Sá (PCP) que agora é braço direito de Catalina Pestana que até aqui detestava? 32 - Quem é o senhor Meira, Presidente do Casa Pia Atlético Clube e porque é que convidou Demétrio Alves para o discurso de abertura do ano lectivo em 2001?> >
33 - Porque é que Demétrio Alves, que arranjou emprego a Pedro Namora (PCP) na Câmara de Loures, afirmou nesse discurso que daí um ano "esta Casa Pia não existiria"?> >
34 - Porque é que Catalina Pestana se foi oferecer a Bagão Félix para ser ela a Provedora depois da saída de Luís Rebelo, cortando assim as hipóteses de Demétrio Alves que tinha tudo preparado para o "assalto" com Pedro Namora, Odete Sá e talvez Adelino Granja embora este seja visto como "inferior e tontinho" pelos outros?> >
36 - Que ilegalidades tem a Quinta do Infantado em Loures, construída em terreno agrícola no tempo de Demétrio Alves?> >
37 - Quantos quilos de cocaína negoceia por ano Bibi, o do Benfica? Que ligações tem ele na PJ que até lhe escondem o cadastro?> >
38 - Que ligações tem Demétrio Alves com Pedro Namora? Porque é que o vereador do Turismo (PCP) de Odivelas levou para lá Pedro Namora?> >
39 - A Maçonaria perdeu controle da Casa Pia para a Opus Dei?> >
40 - Porque é que o procurador João Guerra perguntou a vários interrogados: você é da Maçonaria?"> >
41 - Porque é que quis saber se João Soares Louro é da Maçonaria?> >
42 - Porque é que os casapianos ilustres estão calados? Por exemplo: João Soares Louro (Maçonaria), Maldonado Gonelha (Maçonaria), Videira Barreto (Maçonaria).> >
 43 - Porque é que Videira Barreto vive aterrorizado e não fala, sabendo tudo o que se passava na CPL?> >
44 - Existe uma "Santa Aliança" dentro da Casa Pia entre os Católicos (Opus Dei ou não) PCP?> >
45 - Porque é que João Guerra está a "eliminar" juizes para que não lhes seja distribuído o processo, utilizando o truque de os ouvir como testemunhas sobre "assuntos laterais" (já lá vão três!) e assim impossibilitando-os legalmente? > >
46 - Porque nem o CDS/PP nem o PSD têm indiciados de pedofilia?> >
47 - Porque é que Durão Barroso fez questão em demonstrar tanta confiança em Souto Moura e Jorge Sampaio chama tão frequentemente o PGR? > >
48 - Qual o verdadeiro significado das palavras de António Costa para Ferro Rodrigues sobre o PGR, no telefonema entre os dois recentemente divulgado? O que prometeu Souto Moura?> >
49 - Porque é que o juiz Rui Teixeira andou à procura de alguém que denunciasse Narana Coissoró e não conseguiu?> >
50 - Porque é que uma funcionária da Casa Pia não diz o que ouviu certa noite, cerca das 9 horas, o Mestre Américo a dizer a umas crianças, numa camarata, obrigando-os a levantarem-se?> >
51 - O que sabe o Bibi de Adelino Granja e Pedro Namora e não quer confessar (um casapiano não denuncia os seus irmãos?...)> >
52 - Se Bibi transportava elementos do Casa Pia Atlético Clube (presidido pelo Sr. Meira) e da Banda de Música, sempre com requisição, de um Director ou responsável como qualquer motorista; e se ninguém podia sair sem autorização do Director, que o porteiro conferia, quem o autorizava a sair, na carrinha, com alunos para os seus "clientes"?> >
53 - Se o porteiro tinha que registar 24 horas por dia as saídas e entradas de qualquer veículo (mesmo exterior à Casa Pia) como é que o Bibi podia fugir a esse controle?> >
54 - Quem foi a senhora toda chique, com ar de "tia" que foi visitar o Bibi a Caxias e implorar-lhe para que não falasse do seu grupo?> >
55 - Quem paga os advogados de Bibi?> >
56 - Que segredos guarda a meia-irmã de Bibi, Isabel Raposo, na Holanda? De que é que tem medo e que acordo fez com Dias André e Rosa Mota? > > > > "ou é a verdade ou deviam estar a escrever argumentos para Hollywood".> > Enfim, fico sem saber o que dizer. Mas posso garantir duas coisas:> > 1) O dono de uma empresa que detém laboratórios de análises clínicas confirmou-me que Ferreira Diniz utilizava o seus serviços para efectuar análise de hepatites e outras doenças sexuais a miúdos (ele nunca chegou a saber quem eram).> > 2) A pessoa responsável pela logística das deslocações da equipa de futebol da Casa Pia viu, por diversas vezes, Carlos Cruz a falar com Bibi. ">
Izabel Benz
publicado por TC às 00:40
19
Set
10
Um mau exemplo do Programa “Novas oportunidades e da Educação em Portugal no seu melhor !
Alguém que nos explique como é que isto é possível ?
A iniciativa Novas Oportunidades representa de facto “um novo impulso no caminho da qualificação dos portugueses”. Senão vejam este caso , a nosso ver Bizarro e que merece ser comentado, analisado e debatido para que não volte a a suceder :
Tomás desistiu da escola sem ter concluído o secundário. Graças ao programa ( novas oportunidades) criado pelo Governo para aumentar as qualificações dos portugueses, teve equivalência ao 12º ano em poucos meses e entrou na universidade com uma média de 20 valores, conseguida com apenas um exame de Inglês. Ainda assim, concorreu em igualdade de circunstâncias com todos os outros.
Oficialmente, é o aluno com a mais alta nota de candidatura ao ensino superior. Admite que beneficiou de uma injustiça.” ( Fonte : EXPRESSO )

BRAVO!!!!!!!!!
Parabéns Mª de Lurdes.......Sócrates.........e cúmplices...

Este rapaz até é honesto e diz "eu sou uma fraude"........."só não vou para medicina porque não quero".....
...obrigado amigo.
Tu és patriota!
Agora os outros...
publicado por TC às 01:38
17
Set
10
Sai em liberdade após violar menor


O carpinteiro, acusado de violar uma menina de 13 anos em Amarante e que anteontem foi detido pela PJ do Porto, vai aguardar julgamento em liberdade. O violador, de 21 anos, foi ontem de manhã ouvido por um juiz de instrução do Tribunal de Amarante, tendo ficado sujeito a apresentações semanais na esquadra mais próxima.

Como o carpinteiro mora na mesma cidade que a menor, o magistrado proibiu-o ainda de contactar com aquela. O facto de o detido não ter antecedentes criminais e de não haver perigo de fuga levou a que o juiz não aplicasse uma medida de coacção mais grave.

Recorde-se que o violador foi apanhado pela Judiciária após, no dia 9 deste mês, ter levado a menina para sua casa e a ter violado duas vezes. O rapaz obrigou ainda a menina a dormir em sua casa, tendo exigido que se fosse embora sozinha na manhã do dia seguinte.

A menor chegou a casa lavada em lágrimas e contou aos pais o sofrimento pelo qual passou. O homem foi preso.

In C.M.
A cara deste MONSTRO em liberdade:
 
 
COMENTÁRIO:  Que país!!! Justiça popular já!!! Esta criança não tem familia, vizinhos e amigos? Como vivemos num país de merda.............................................ACABEM COM A RAÇA!
Que governante sério é capaz de fazer leis que permitam isto acontecer?
Pedófilos?
Que governante sério não se demitia se uma lei que protege os criminosos fosse aprovada?
Que governante sério não chora a ver todos os dias crianças a serem violadas, violentadas, "comidas"?
 
MERDA DE GOVERNANTES!!!
publicado por TC às 11:30
Pais violentos agridem docente


Os pais de uma criança que frequenta o Centro Educativo de Samora Correia agrediram ontem de manhã, violentamente, uma professora com cerca de 50 anos que lecciona naquele estabelecimento de ensino.

A vítima foi conduzida ao Centro de Saúde de Benavente, onde recebeu assistência, e os agressores foram detidos no local.

Ao que o Correio da Manhã apurou, o casal - a mulher com 31 anos e o homem com 48 - recusou-se a obedecer à regra que determina a permanência dos pais na zona da entrada da escola, entregando os filhos a uma funcionária, que posteriormente os conduz às salas de aula.

Em vez de deixarem o filho aos cuidados da funcionária, os pais do menor resistiriam a qualquer argumento e acabaram por forçar a entrada na escola. Quando uma professora, que chegava naquele momento, tentou impedi-los, foi ameaçada e agredida com violência.

As ameaças e ofensas à integridade física ocorreram junto ao portão do Centro Escolar de Samora Correia. Elementos do Núcleo Escola Segura de Coruche e militares da GNR de Samora Correia assistiram às agressões, detendo de imediato o casal que as efectuou.

In C.M.
publicado por TC às 11:17
15
Set
10
Imagem do Kaos


O tema é-me penoso, e nunca deixará de o ser, mas o país está mergulhado nele, aliás, vive, há quase dez anos, gerido só por ele e por todos os seus arredores.

Suponho que, com o acordão do "Casa Pia", documento que nunca lerei, porque tenho mais que fazer, se acabaram de vez, as lamentações do coitadinho do Carlos Cruz, que está inocente, as opiniões e os palpites das peixeiras da Ribeira e do Bolhão, as indignações das donas da rua, de cabelo platinado, dentes gordurosos de torrada e verniz desgastado das unhas: havia, de facto, uma enorme porcaria, e, para mais, continua a haver uma enormíssima porcaria, e essa porcaria domina o pretenso Estado de Direito, que Portugal já não é, definitivamente, desde o dia de hoje.

Há um condutor, um Bibi, um típico português do usucapião, que usou e abusou, como em todos os internatos, do sistema instalado: carne nova é necessariamente pasto do gado mais velho, e toda a gente, ou sabe disto, ou é estúpida, e ainda acredita em Fátimas, Futebóis e Saramagos.
Até aqui, a coisa está no idiossincrático: desde o padre ao homem das obras, o Português de base é pedófilo, o que quer dizer que apenas espera a ocasião para brincar um bocadinho aos/às enfermeiros/as, seja com a respetiva prole, ou a prole do vizinho.
Este é, como diria o Padre António Vieira, o peixe da arraia miúda, mas nós, povo sórdido e sem rumo, da Cauda da Europa, capaz de tudo, e do além do tudo, parou aqui na alegoria, e instalou o socialismo da manjedoura, o que, trocado por miúdos, quis dizer que, mal o peixe médio e o peixe graúdo descobriram que havia alimento, imediatamente se ajoelharam à mesma mesa, e começaram a comer, com as mãos, e outras partes do corpo, tudo o que ali havia.
Somos desprezíveis, e habituamo-nos a desprezar o nosso próximo, no momento em que não vem dos estratos bem pensantes, bem alimentados, e bem frequentados da nossa sociedade. Por outras palavras, os intermediários, embora o ignorem, estão, desde o início, condenados à eliminação, mal soe a sineta do alarme.
A Pedofilia é uma patologia sem horizontes. Como pulsão, não se insere na longa prateleira dos exercícios sexuais: a Pedofilia é um ato que usa os órgãos sexuais, não para obter prazer, mas para regredir a estádios pré humanos, no qual se inserem a Zoofilia e o Canibalismo, e é isto que é tremendo, pois sendo o instinto sexual o centro da nossa existência, é penoso admitir que exista quem force os órgãos do sexo a atividades de pura e cega violência.

Como nas esferas cerradas da Droga, a conivência é o elo de proteção, e o deslize, a Morte. Qualquer pedófilo sabe suficientemente que saber ver-se envolvido num jogo de profanação de um corpo de 4 , 6 ou 10 anos imediatamente o exclui do palco do respeito humano, e, mais ainda, lhe retira a designação de humanidade. Ele negará até ao fim, e olhará para as câmaras, olhos nos olhos, e negará, até que a garganta lhe doa, porque nada lhe resta, senão negar, pela impossibilidade de qualquer reintegração humana. E será sempre frio.

Este é o retrato do monstro, mas ainda há o monstro do monstro, que é podermos supor existirem sociedades secretas que integrem, nos seus rituais de fratria, a violação de corpos-objeto, a sua hóstia maçónica, da qual depois se descartam, pelos processos que não vêm escritos nesse penoso acordão, mas que são sabidos e públicos: uma vez viciada a criança na droga, tal como os proxenetas viciam as suas prostitutas, para as manterem agarradas, é fácil libertar-se dela: uma vez declarada usada, inútil, incómoda, ou fora de prazo, nada melhor do que lançá-la no circuito da prostituição, onde a doença, o crime, o abate ou o suicídio, o farão desaparecer do mapa.

Há, nisso, um enorme manto de luto, no alto do Parque Eduardo VII, onde reinam o "Eleven" e aquela indecente bandeira de uma República que protegeu todo este estado de coisas.

Pouco há a fazer: o comum dos mortais aprenderá a distinguir o Carlos Silvino, que jogava as regras da casa, dos tubarões que usavam o isco Silvino, para pescar o pequeno peixe para as suas enormes piscinas. Há o nível histriónico e romano de Ferreira Dinis, enlevado entre o pré efebo e o efebo, que se despe no seu consultório, o impotente Jorge Ritto, que brincava aos Tibérios na sua Capri do Restelo, para lhe lamberem as peles da glande flácida, o seboso Hugo Marçal, com a compulsividade toda estampada na cara, o Abrantes, protetor dos vícios de gente tão grande e poderosa, e Dona Gertrudes, porque há sempre uma badalhoca ligada a estas coisas, a fazer de Duclos, neste sórdido "Salo", à Portuguesa.

Estes nomes, como agora já sabem, não são mais do que uns ligeiros canapés de uma coisa mais grave, que se perfilava acima, e da qual Carlos Cruz não é senão a entrada de uma vasta ementa. Violentar crianças pode ser um "intermezzo", para apagar a tensão do tráfico das armas, da coca e do plutónio. De quando em vez, um BPN, e uma Dona Branca, chamada BPP, para dar juros de 10% ao mês. E quando é preciso que alguém morra, lá está a Noite do Porto, as Donas Rosalinas e o Carlos Motas, perdidos nas terras do Brasil, onde tudo (ainda) pode acontecer.

Parte do Poder Político não presta e a outra ainda presta menos: esse Senhor Eanes, com a sua fêmea, convencido de que o buraco era para procriar, e o outro que se lhe seguiu, o ceguinho de Boliqueime, que colocou a Defesa Nacional nas mãos de Eurico de Melo; de Soares, muito mais vivaço, mas que inaugurou a tradição de colocar Jaime Gama nos Negócios Estrangeiros, do Ferro Rodrigues, que é a nossa cara na OCDE; do asqueroso Sampaio, que sabia, e sabia bem, o que é que estava a proteger, e nessa longa e repelente lista de Segundas Figuras de Estado, como o da bengalinha, o Coxo, que sempre que batia na porta da "Casa dos Érres", já tinha, como em Pasolini, os miúdos ajoelhados, em semicírculos, a tremerem, à espera das desumanidades rituais.

No fundo de cada ser humano reside uma besta. No fundo de cada besta pode residir um político, alguém que lhe sorri na televisão, e, calmamente, se senta, para decretar o degradar do seu conforto, a sua idade de reforma, o seu salário, a destruição do seu espaço de lazer, a perseguição classista, a chacota do Sistema Jurídico, de Saúde, de Educação, o roubo, estupro e a violação dos seus direitos de cidadania, o destruir da Identidade Nacional. Numa velha tática, a sua ordem é semear o MEDO, para que você viva com medo e se esqueça de todos os atos ignóbeis que ele, e as sociedades secretas a que pertence, pratiquem. Isto, se ainda não percebeu, é aquilo que lhe quiseram vender como Realidade, durante 10 anos. Não abra os olhos, e ser lhe á vendida durante uma eternidade. Para um povo entorpecido, qualquer versão da Mentira serve, e tudo pode ser mistificado, até o horror, porque há mais horrores, para além da Pedofilia: nas câmaras de gás, quanto se recolhiam os mortos, verificava-se que as crianças tinham sido esmagadas, em pirâmide, pelos mais velhos, na ânsia de uma última golfada de oxigénio. Eu sei que isto o inquieta, mas foi grafado no História, e não desapareceu: tem 50 anos; mais cedo, ou mais tarde, a História encarrega-se de levantar os pesados véus com que as seitas a tentam encobrir, e aqui vai mais um, a daqueles sete ocupantes -- eu sei que você nunca soube -- cujos braços tiveram de ser quebrados, porque decidiram morrer assim, abraçados, no elevador do afogamento, daquele centro comercial do Funchal, tão perto de nós, e que a Comunicação Social ignorou. Também, um dia, os verdadeiros rostos do hediondo crime do Casa Pia, não os canalhas Carlos Cruz nem afins, mas os outros, verão os seus rostos refletidos no espelho da longa crónica da Miséria Humana. É a esse dia que eu dedico este texto, como (impossível) ressarciação dos pobres objetos humanos da Casa Pia.

(Quatro cantos de profundo luto e asco, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers") 
tags:
publicado por TC às 01:51
08
Set
10
Desculpa Paulo.......tinha que te "gamar" este tb.....um abraço.

Já percebi que há excitações múltiplas e nem sequer apareceu o Valter Lemos a interpretar os dados, nem sabemos se o Paulo Chitas escreverá sobre isso na Visão..
O link fica aqui.
Eu, como não estou com muito tempo livre, decidi fazer aquilo que é mais habitual nos analistas interessados: vou em direcção ao que me interessa, claro está, e selecciono os dados que me interessam, numa perspectiva interessante.
Se repararem há lá um quadro (D4.1) no ficheiro Excel que tem uma tabela que responde pela designação Net Teaching Time in Hours (que posso traduzir por tempo efectivo a leccionar, mas que numa tradução em Português Técnico será “horas a ensinar em rede” ) que é muito educational indeed. Fica aqui a imagem em tamanho reduzido:
O que notamos?
No ensino primário, os calões dos professores tugas trabalham 855 horas contra uma média de 786 horas nos países da OCDE e de 763 nos 19 da União Europeia que estão na tabela. Ou seja quase mais 100 horas por ano, ou seja ainda, um diferencial superior a 10% em relação aos da União e um pouco menos em relação aos da OCDE. Nem será bom lembrar que os professores primários na Inglaterra surgem com 654 horas de trabalho lectivo efectivo por ano, os dinamarqueses com 648 e os finlandeses com 677. Já mediram bem a diferença? Assim a olho anda pelos 20-25% de trabalho em sala de aula a mais.
E quanto ao ensino secundário inferior? Vulgo 2º e 3º CEB? Os mandriões dos portugueses trabalham 752 horas, contra uma média de 703 na OCDE e 661 na União Europeia. Os dinamarqueses? 648! E os finlandeses? 592!!! Os japoneses? 603!! Verdade se diga que os mexicanos trabalham mais, mas…
E quanto ao ensino secundário superior (o nosso Secundário)? Os sonecas cá do burgo trabalham 752 horas limpinhas por ano na sala de aula, enquanto na OCDE se ficam pelas 661 horas e na União Europeia pelas 632. Japoneses? 500 horas! Finlandeses? 550!! Dinamarqueses? 364!!!
Isto significa que quando os sheetas, miguéis e rangéis zurzem nos salários dos profes, esquecem-se destes detalhes que passam por coisas de somenos como uma carga de trabalho 10 a 25%, ou mais, superior à dos confrades do norte da Europa ou da própria OCDE.
Se alguém fosse caridoso e se desse ao trabalho de medir o famoso diferencial positivo salarial dos professores portugueses, algo que não me apetece fazer por razões animalescas não vá alguém colher os louros, talvez constatasse que ele é largamente absorvido pelo trabalho acrescido na sala de aula que, todos concordam, é aquilo que constitui a essência da docência.
Mas, claro, o que interessa mesmo é destacar os ganhos conseguidos à custa das creches criadas (e muito bem) pela administração do Jumbo…
publicado por TC às 19:44
"Sacado" do Educação do meu Umbigo

Só para diversificar o olhar e ficar por algo menos corporativo. Fui espreitar também o Indicator B2: What proportion of national wealth is spent on education?
Eis o bonequinho do quadro B2.5 que não surge na edição em papel:
A evolução desde 2000 é absolutamente não deprimente.
Portugal é o único país da OCDE em que o investimento (em relação à riqueza produzida e usando preços constantes) na Educação não-superior recuou, de um índice 100 para 97.  Como comparação a Finlândia passou de 100 para 127, a Espanha para 117, a Inglaterra para 137. Fora da OCDE o investimento a este nível no Brasil saltou de 100 para 181  e a Federação Russa de 100 para 322.
Ou seja, e por muito que digam o contrário (e se calhar neste caso, a OCDE já é capaz de ter trabalhado mal os dados segundo alguns…), Portugal foi o único país que desinvestiu na Educação Básica e Secundária desde o início do terceiro milénio.
publicado por TC às 19:34
A propósito do último programa do "Prós & Prós" na RTP1


JN


Jornalismo de "serviço"

00h30m

A entrevista "non stop" que, desde que foi condenado, Sua Inocência tem estado ininterruptamente a dar às TVs teve o mais respeitoso e obrigado dos episódios na RTP1, canal que é suposto fazer "serviço público".
Desta vez, o "serviço" foi feito a um antigo colega, facultando-lhe a exposição sem contraditório das partes que lhe convêm (acha ele) do processo Casa Pia e promovendo o grotesco julgamento na praça pública dos juízes que, após 461 sessões, a audição de 920 testemunhas e 32 vítimas e a análise de milhares de documentos e perícias, consideraram provado que ele praticou crimes abjectos, condenando-o à cadeia sem se impressionarem com a gritaria mediática de Suas Barulhências os seus advogados, o constituído e o bastonário.
Tudo embrulhado no jornalismo de regime, inculto e superficial, de Fátima C. Ferreira, agora em versão tu-cá-tu-lá ("Queres fazer-lhe [a uma das vítimas] alguma pergunta, Carlos?"). O "Prós & Contras" só não ficará na História Universal da Infâmia do jornalismo português porque é improvável que alguém, a não ser os responsáveis da RTP, possa chamar jornalismo àquilo.

publicado por TC às 16:39
07
Set
10

EDP paga 3 milhões por aulas do ex-ministro Manuel Pinho em Nova Iorque?
15 Agosto, 2010 Publicada por Ramiro Marques
Etiquetas: Manuel Pinho , 0 comentários
Share13962

Lembram-se do ministro que se demitiu por fazer corninhos no Parlamento? Um tal Manuel Pinho, alto quadro do BES?

Pois bem, Manuel Pinho vai dar aulas sobre energias renováveis, na Universidade de Columbia, por quatro anos e quem paga não são os americanos, somos nós, os parolos, que estamos presos ao monopólio da eléctrica portuguesa. O website da Columbia University está linkado a outro que refere que as aulas de Manuel Pinho são pagas pela EDP e custam apenas 3 milhões de euros. A EDP não comenta nem revela o montante.

Por um preço tão elevado, acredito que Manuel Pinho saberá muito de energias renováveis apesar de ser licenciado e doutorado em...Economia.

Notícia AQUI e AQUI.
publicado por TC às 12:25
06
Set
10

MUITO CURIOSO

CHOMSKY E AS 10 ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO MEDIÁTICA

O linguista Noam Chomsky elaborou a lista das “10 estratégias de manipulação” através da mídia:

1- A ESTRATÉGIA DA DISTRAÇÃO.

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto 'Armas silenciosas para guerras tranqüilas')”.

2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES.

Este método também é chamado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO.

Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.

4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO.

Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a idéia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.

5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO CRIANÇAS DE BAIXA IDADE.

A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse um menino de baixa idade ou um deficiente mental. Quanto mais se intente buscar enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por quê?“Se você se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranqüilas”)”.

6- UTILIZAR O ASPECTO EMOCIONAL MUITO MAIS DO QUE A REFLEXÃO.

Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e por fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar idéias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos…

7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE.

Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossíveis para o alcance das classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.

8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE.

Promover ao público a achar que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto…

9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE.

Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, ao invés de rebelar-se contra o sistema econômico, o individuo se auto-desvalida e culpa-se, o que gera um estado depressivo do qual um dos seus efeitos é a inibição da sua ação. E, sem ação, não há revolução!

10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM.

No transcorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado crescente brecha entre os conhecimentos do público e aquelas possuídas e utilizadas pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos a si mesmos.


Quem conhecemos que trata assim o povo do país?

Sócrates?

publicado por TC às 11:28
01
Set
10
Vejamos onde se encontra a real origem do Poder que nos domina.

Para acabar com a crise e desenvolver o bem-estar dos portugueses, surgem as mais diversas sugestões. Agora, no Público aparece esta que merece séria meditação.

O presidente da Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos, que detém a cadeia de supermercados Pingo Doce e os hipermercados Feira Nova, defende redução do IRS e IRC e aumento do IVA, considerando que «o próximo Orçamento do Estado (OE) é “a última oportunidade para reduzir o papel do Estado-sorvedouro dos impostos”

Ou sou mais ignorante do que pensava ou esta proposta de um capitalista não surpreende absolutamente nada. Defende os seus interesses e os dos seus pares do topo da lista dos mais ricos e não tem escrúpulos de agravar tragicamente a vida dos mais pobres. Efectivamente, quer aliviar o IRS e o IRC que afectam mais os que têm rendimentos mais altos e libertam os que pouco têm.

Pelo contrário, quer agravar o IVA que afecta, por igual, todos os consumidores desde o mais pobre que apenas compra um pão para enganar a fome.

Se tal ideia fosse aceite, aumentaria de forma trágica o fosso, já demasiado acentuado, entre os mais ricos e os mais pobres!!!

Imagem da Net
publicado por TC às 18:18



Imagem Kaos


O estar fora, como diria o Senhor de La Palisse, tem a excelente vantagem de não estarmos cá dentro, só que a Realidade prova que o lá fora, muitas vezes, consegue ser tão mau como o rastejar cá por dentro.

O Brasil é um país cujo nível de corrupção é mundialmente (re)conhecido, e diverge de Portugal, por Portugal tentar fingir que não é tão corrupto como o Brasil, mas isto são dados socio-estruturais, para serem tratados por aquele bode do António Barreto, e ainda ganhar dinheiro com esses lugares comuns.

A Justiça Brasileira, cujo paradigma é o Norte Americano, e não o da Santa Inquisição, como em Portugal, quando apanha um problema, imediatamente o lança para a praça pública, para que o cidadão comum desde logo saiba em que balde de merda está a chafurdar. Em Portugal, a merda escoa-se por boatos, desmentidos, recursos, e acaba, ultimamente, na máquina de lavar tudo da Cândida Almeida, e perde visibilidade, mas isso é outra história, e vamos aos factos que me interessam.

Como é sabido, detesto Futebol, um desporto assegurado pela ralé, para a ralé e que não eleva o espírito um milímetro acima dos sítio onde a ralé tem o cérebro: entre as patas e as virilhas. Pessoalmente, interessam-me bastante as virilhas, porque, aí, o jogo se rege por pulsões mais naturais, e não pela Mafia Mundial, pelo branqueamento e coisas afins.

Acontece que o goleiro Bruno, como qualquer gajo com as virilhas no lugar, gostava de foder, e aqui começa o problema, que vem desde que os homens, na Antiguidade, decidiram separar as coisas dos Homens das coisas da Mulheres. Os desportos masculinos, os tais que se passam entre suor, abraços, balneários, apalpões no cu, no caralho e nos colhões, e metem uma bola pelo meio são perigosos, porque os cérebros minúsculos, condicionados pelas mães de braganza que os pariram, receberam uma educação que os condiciona a confundir sexo com cona, coisa que os Gregos, povo sobre o qual assenta toda a nossa Cultura, já sabia que não era verdade. Simplificando: passada a tesão dos golos, há uma necessidade de catarse coletiva, que, entre totem e tabu, impele e impede que os corpos da equipa se toquem, para além do tal ponto que poderia "parecer mal".
Como toda a gente da ralé, os gajos do Futebol odeiam mulheres e adoram buracos para vazar espermatozóides. As revistas a soldo, geralmente dirigidas por paneleiros, como o Abel e o Carlos Castro, entre outros, vão ficcionando romances e casamentos, que até acontecem, para que se cumpra o processo de normalização e representação social do machão do Esférico. É elementar: basta que casem com uma gaja que não os confunda muito intelectualmente, e isso é fácil, basta fazer o elevador descer do Zero ao Menos Dois, e que seja igual à dos amigos do balneário. O tipo físico está padronizado, e é uma espécie de clone da Cinha Jardim, mas em reles e mais nova, com o cabelo pintado de louro, e, aposto que se, num gesto de maldade, baralhassem a mulher padrão dos narcisos do Futebol, eles iam ter muita dificuldade em depois voltar a emparelhar com a sua...

O Goleiro Bruno, como muitos deles, deu a volta ao problema: a melhor maneira de ir para a cama com os colegas, sem passar por boiola, era enfiar uma gajas tampão pelo meio: assim, quando eles se tocam, em ereção, foi por acaso, e as mamas lá vão servindo de travesseiro e de mirones, como qualquer exibicionista adora. Este tipo de gaja, proveniente do "demi-monde" da Moda, da Coca ou das "Parties", costuma depois pedir aquilo com que todas sonham: jantares em lugares caros, viagens e passeios naqueles carros, que, como as conas, eles compram sempre iguais.

Eliza Samúdio cometeu o erro fatal, aliás, típico das mulheres, que foi não perceber que os homens gostam de foder, por foder, e que a afetividade não tem espaço nesse campo, sobretudo, quando estão extasiados com o corpo uns dos outros, ou cheios de tesão por estarem a chafurdar num buraco onde um avançado centro, um guarda redes ou um lateral, pelo qual mantêm uma paixão homoerótica, acabou mesmo agora de se vir. De facto, não há melhor lubrificante do que a esporra de um colega de equipa...

Eliza Samúdio resolveu emprenhar, pensando que ia segurar um narciso, cuja única função era estar, corpo com corpo com os colegas, e levou a dose em forte: este tipo de gente, como o Pinto da Costa já ensinou, nas suas Universidades de Verão, Outono e Inverno, manda matar, quando é preciso, e o Bruno, como qualquer futebolista normal, quando se viu começar a ser oprimido por um par de ovários descartável, assim fez, nada de novo, portanto, exceto a Comunicação Social adorar crimes cometidos por figuras públicas.

No Brasil, a coisa avançou e tornou-se feia, revelando as sombras e os contornos dos bastidores dessa máquina do crime que as pessoas costumam designar por "Futebol". Pateticamente, ainda se descobriu depois que a Eliza adorava levar porrada do Bruno, o que também diz muito sobre a miséria humana, e a inconciliabilidade de base, sexual, entre o Macho e a Fêmea. Se fosse em Portugal, já estava na Relação, e tinha sido arquivado.

Infelizmente, este é um caso do narcisismo e homoerotismo, que chega a extremos de violência, no seu desprezo pela sensiblidade feminina. Dona Rosalina, como já se percebeu, pelo estilo de lixo que começou a sair da cartola, foi vítima de um jogo -- e estes são mais subtis, porque não fodem, mas sabem muito bem como foder... -- de disputa entre a pior escória que domina Portugal, entre eles Júdice, Sousa Cintra, que se achou na obrigação de filmar (!) um negócio "honesto" que ia fazer com um homem quase centenário, e só me espanta que outro dos facínoras típicos dessa meia dúzia de gajos que arruinou Portugal, Proença de Carvalho, ainda não tenha aparecido no barulho. Gostava de os ver todos em prisões de alta segurança, como o Goleiro Bruno, a lavarem, durante décadas, a roupa suja que entre eles, e arruinando-nos, acumularam.

É pela existência de gente desta que os extremistas do Nacionalismo vão ganhando crescente protagonismo, na nossa pocilga, e cada vez mais nos aproximaremos da justiça por mãos próprias. Paciência: quem ventos semeou tempestades colherá.

Pessoalmente, gostei do pouco que vi de Dona Rosalina: era um tipo de beleza do "Antigamente", que conseguiu resistir aos 70 anos. Teve o azar de ser apanhada no meio de uma briga de galos, desta vez, com um nível de baixeza e perfídia que ultrapassa as pobres mentes dos gajos que pensam com os pés. Estes têm os neurónios exclusivamente voltados para a fraude e o contorno da Lei. Não têm balneário, mas têm gabinetes, e seitas secretas, entre "Aventalinhos" e Opus Dei. Metem-se por todo o lado, restaurantes de luxo, com rendas à Câmara de 150 €, Quintas das Lágrimas, Resorts, Líbias, BPNs, Sociedades Lusas de Negócios, Costas Ricas, Angolas, Moçambiques, Cabo Verde, Brasil, BPPs e Donas Brancas afins, enfim, tudo o que possam imaginar, e, ah, sim, claro, estão sempre prontos para safar os amigos de minudências, como o Processo Casa Pia, entre outros.

Falta nisto a lição de moral, já que esgotámos o sentido literal e o alegórico: era escusado que, entre coisas exclusivamente de homens, entre sexo, dinheiro e vinganças, sacrificassem mulheres. Pá, comam-se uns aos outros, já que é disso que vocês gostam, e larguem a felicidade dos outros. Deixem as mulheres em paz, como já pedia Montherlant, mas eles não deixam, porque isso é máscara, alibi e catalizador.

Para que não entendam esta minha "rentrée" como moralista e pessimista, vamos ao Humor, e ao Anagógico, que é isso que nos move, e eu quero rir, não pensar mais nesta escória: curiosamente, no meio disto tudo, temos alguém que, brilhantemente, já resolveu o problema.
Quando o Futebolista casa com a sua "Barbie" padrão, ela diz-lhe que, em troca do descapotável, das festas, da roupa de "barbie", dos gastos sumptuários e coisas afins, tem, entre as pernas, uma coisa única: uma máquina de lhe clonar o narcisismo e de lhe dar uma cópia da incomparável virilidade, beleza e inimitabilidade do pai: a cria, que irá assegurar às gerações futuras a linhagem da ralé...
Eliza Samúdio podia ter negociado assim, e estar ainda viva, mas teve azar, como se diz na Cauda da Europa, o gajo queria só estar na cama com a equipa, e não queria ainda uma Ovelha Dolly. Mas isto passou-se no Brasil: a Cauda da Europa, todavia, já tem um gajo que conseguiu dar o salto, e resolver o narcisismo da geração seguinte. Parece que lhe custou 12 000 000 €, o que é bom, porque estas mentes primárias acham que o dinheiro tudo pode comprar.
Não pode, e o meu mais sincero desejo é que o clone do Cristiano Ronaldo, comprado a preço de ouro, para um dia vir ter a linda carinha de pele estragada  do pai, saia, literalmente, com as fuças iguaizinhas às da barriga de aluguer... :-)

(Quadrado da "Rentrée", no "Arrebenta-Sol", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers", THE BLOG :-)
publicado por TC às 03:26
27
Ago
10

Se ele insiste, provavelmente somos de verdade, pois que aceitando as patranhas que nos enfia e a falsidade que revela temos mesmo que ser. Doutro modo, como explicar aceitarmos que sejam os mais pobres a pagar a crise?

Os mais pobres que paguem! O cobarde não o diz abertamente, mas as raras soluções que aponta não podem ter outro desfeixe. É a ideia de base a concluir do que ele fala quando menciona que o governo deve reduzir as despesas jamais menciona reduções nos vencimentos e todos os outros ganhos dos políticos, nas benesses, pagamentos de viagens, ajudas de custos (ex.: casos do ministro das finanças e da pega deputada que diz que vive em França), dos automóveis novos (este ano foram mais de M€ 75) para governantes e pessoal dos seus gabinetes, as mobílias renovadas a cada mudança de governo, acabar com as múltiplas instituições parasitárias e outros antros de roubo dos partidos, nem os ordenados monstruosos dos dirigentes de departamentos do estado.

Quantas centenas de milhões ou biliões não se economizariam se isto fosse posto em prática? Até hoje, nenhum imundo corrupto, político ou jornaleiro tocou neste importante assunto ou tentou apresentar cálculos sobre estas despesas (roubos) que tentam esconder.

Já se ouviu o Coelho fazer esta proposta ou outra similar? Afinal, ele não acordou e votou também com os outros oportunistas que apoiaram em uníssono (com uma única excepção) a tal lei dr financia,emto dos partidos para aumentar as suas fortunas, mas que felizmente o Cavaco vetou?

A enorme disparidade entre mais ricos e mais pobres, o fosso que os separa, de longe o maior na União Europeia, tem sido objecto da maioria dos e-mails de tema político que circulam pela Internet, o que revela a grande preocupação dos portugueses a esse respeito. Um deles, para ser curto, menciona

... os portugueses comuns (os que têm trabalho) ganham cerca de metade (55%) do que se ganha na zona euro, mas os nossos gestores recebem, em média:

- mais 32% do que os norte-americanos;
- mais 22,5% do que os franceses;
- mais 55 % do que os finlandeses;
- mais 56,5% do que os suecos.


Já alguém ouviu o Coelho fazer a mínima referência a esta disparidade, uma enorme desgraça anti-democrática? O Sócrates, idem. Qual é a diferença entre estes dois neoliberais? Um mente com mezinhas em lugar de financiar a Seg. Social e a Saúde; o outro quer destruí-las por completo e cavar o tal fosso ainda mais profundamente. Entre o mau e o pior é só escolher.

Ninguém reclama com voz suficientemente forte e convicta. Estar-se-á à espera que os ladrões matem a sua galinha dos ovos de ouro? Que desgraçada mentalidade.

Precisamos de propostas efectivas e adequadas, não de criticas babosas dirigidas a desmiolados. Não pode ser esta a intenção honesta do Coelho, pois que se fosse não teria desperdiçado a ocasião de falar na justa baixa dos ganhos dos políticos e cargos oficiais e despesas correlacionadas. Fala apenas no ar, sem a necessária precisão. Nunca apresenta propostas honestas, adequadas, concretas e reais.

Já alguém o ouviu ter a mais genial ideia concreta que existe para diminuir o desemprego daqueles que trabalham? Ela é bem simples, basta seguir o que se passa em qualquer país com um mínimo de democracia. Pelo que se constata, em Portugal nem esse mínimo há. Correr com toda a canalha de parasitas partidários que assalta os lugares de administração do estado como se do espólio duma batalha ao estilo do Grande Khan se tratasse, a cada vez que o governo mude de partido e lá permanece até que outro partido tome posse dos tachos e mude as moscas. Fazer ocupar todos esses lugares por gente competente, por concurso público. Competente? Isto não condiz com político corrupto e inepto, pelo que poucos desses parasitas conseguiriam um lugar por concurso.

Os políticos só devem ocupar os lugares dos gabinetes ministeriais, ponto final. Porque é que é assim em todo o mundo e em Portugal os corruptos roubam os empregos à população? Porquê?

Já alguém ouviu o Coelho fazer esta proposta para diminuir o desemprego?

Sendo o estado o maior empregador a nível nacional, de certo que o emprego diminuiria sensivelmente para os trabalhadores e que a administração, dirigida por gente competente seria muito mais eficiente.

As suas críticas são despropositadas, mas mesmo que não o fossem não levam a lado nenhum. O que precisamos é de propostas sensatas, de soluções comprovadas que conduzam ao que os outros países alcançaram. Porém, o vigarista só ladra aos porcos.

Afinal, do Pedro Coelho, o mínimo, ou o melhor que se possa dizer é que não é melhor que os outros corruptos, que defende a corrupção e o abuso, que é um tachista igual. Enfim, um vigarista e aldrabão, um mentiroso e autêntica moeda falsa. O comum dessa gentalha a quem os pacóvios portugueses continuam a permitir que os roubem, aprovando as suas estratégicas lavagens cerebrais e marketing político selvagem dirigido a mentecaptos. Mentecaptos, por não terem nem a capacidade elementar de distinguir entre o útil e o falso, entre a realidade e a mentira, entre o conveniente e o que produzirá desgraça.

Em lugar de propostas bem formadas, o miserável vigarista de meia tigela pica as mentalidades atrasadas com o fantasma do aumento dos impostos, para assustar todos. Muito mais efectivo, fácil e que não compromete os roubos, ganhos ilícitos, impunidade e tantos outros tachos e privilégios injustificáveis de que o partido pretende sacar proveito quando estiver no governo (a sua galinha dos ovos de ouro), que lá chegará com estas ideias e desgraçará ainda mais este povo devido à sua imbecilidade, credulidade e imaturidade política e democrática. Mais um grande passo para trás. Pedro Passos Coelho, o homem dos passos para trás que volta para a toca.

Menos 5% e apenas sobre os ordenados dos parasitas – aventurou o infame aldrabão.

Vejam-se os seguintes artigos recentes e tire-se a conclusão sobre as suas mentiras e falsidades, sobre a podridão que ele esconde sob a sua máscara. Esclarecimentos sobre alguns temas bastante elucidativos que nos têm sido maliciosamente escondidos, como quanto tempo têm durado as constituições em países democráticos ou como os países europeus resolveram o problema do deficit da saúde, alguns há já quase vinte cinco anos, mas ninguém cá o sabe e por isso os políticos se aproveitam em nada fazer ou apresentam ideias escandalosas como o Pedro Coelho ou o Cagão Feliz fazem há muito e agora mentem negando descaradamente o que têm afirmado e apregoado em entrevistas.

  1. Atraso Planeado

  2. Grande Pata em Pequena Poça

  3. A Desgraça do PSD

  4. Sem Alternativa

  5. Discurso Vazio dum Sonso Vigarista

  6. Pedro Coelho Contra os Direitos Humanos

  7. Redução do Deficit Método Neoliberal

  8. Pedro Coelho Chamou Estúpidos aos Portugueses.
    Mais uma Vez. Terá razão?

Já alguém ouviu o energúmeno falsário apresentar soluções ou propostas concretas no interesse nacional? A única foi a da tal redução dos 5% a gozar os que estão a pagar a crise provocada pelos governos do Cavaco. Críticas desonestas e interesseiras apenas para os seus autores e sem propostas com soluções de interesse nacional, que as guarde dentro da comua.

Se os dados apresentados pelo Sócrates sobre a evolução da conjuntura económica são pura fantasia de aldrabão, a resposta do Coelho e a sua falta de respostas só podem demonstrar a sua irresponsabilidade e má fé. Sobretudo quando as suas críticas não são dirigidas aos autênticos crimes que o primeiro cometeu contra a sociedade. Porquê? Porque os planos do segundo são ainda mais destruidores. Não há escolha.


Este e outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

publicado por TC às 10:40
25
Ago
10

O mais falso, vigarista dissimulado, manhoso e obstrutor de medidas destinadas a reduzir eficientemente os crimes na estrada, que por isso os incentiva, assassinando os utilizadores, só pode ser o responsável máximo no alto da pirâmide, como em tudo.

O ministro do interior tem obrigação de zelar pela diminuição das mortes na estrada, mas o seu modo de abordar o problema está provado ser aquele que mais mortes poderá causar. Faz praticamente o contrário, em tudo diferente das medidas tomadas nos países europeus que na década de 1950 tinham um número de mortes dos mais elevados.

As medidas adoptadas foram de dois tipos. Civilizar as pessoas na condução e corrigir a sinalização de modo a torná-la informativa e simultaneamente adequada, tornando-a quase intuitiva, donde fácil de seguir, lógica e credível.

Em Portugal, no que respeita à sinalização, após os curtos ou longos documentários de erros, confusões e outras barbaridades que nos têm mostrado através dos anos, não se tem verificado interesse da parte dos responsáveis da sinalização nem mesmo pela fiscalização. À parte estes erros, existem outros não menos importantes sempre com a sinalização. São aqueles que convidam ao desrespeito dos próprios sinais. Entre estes destacam-se os limites de velocidade estupidamente afixados. Nos outros países a velocidade máxima é fixada com uma margem de 10Km/h abaixo da máxima sem perigo, como margem de segurança. Em Portugal, pelo que se observa, as velocidades máximas sinalizadas devem ser atribuídas de acordo com um lançamento de dados, ou então segundo a opinião de qualquer perturbado mental a quem o irresponsável do serviço se lembrou de perguntar que limite deveria fixar. Em alguns desses sinais, a disparidade entre o lógico e o afixado é verdadeiramente descomunal.

Que poderá isto originar nos condutores, senão a noção correcta de que essa sinalização não tem qualquer utilidade? Conduz-se sem realmente se saber a que velocidade se deve adaptar em circunstâncias com sinais de limites, pelo que na maioria dos casos não se dá a mínima importância ao sinal, a não ser que poderá haver alguma diferença do restante percurso, mas nem isso é sempre certo. A desobediência à sinalização é deste modo eficientemente favorecida e estimulada.

Que tem feito o ministério desse banha da cobra de ministro no sentido de corrigir a enorme quantidade de sinais nestas condições ou nas restantes acima mencionadas? Deste modo, tem prestado o seu melhor contributo para a manutenção das mortes, dos acidentes e de outras dificuldades com origem nestas causas. O alarve tem feito o contrário que se fez nos países para reduzir drasticamente as mortes na estrada e acidentes em geral. Está a matar as pessoas.

Quanto à outra parte, a do civismo e da educação dos condutores, jamais o assunto foi abordado. Pior, visto ser a causa número um da grande maioria dos acidentes e ninguém o mencionar, tudo leva a crer que até a polícia deva estar proibida de tocar no assunto. Nos outros países, as autoridades, associações e clubes automobilistas, anúncios em jornais e revistas, etc., jogaram forte nesse ponto para obterem os resultados necessários. Mesmo depois das grandes campanhas que produziram drásticas diminuições do número de acidentes, prosseguiram o esforço com lembretes sobre o comportamento na condução na óbvia intenção duma redução contínua. Sempre com êxito.

É este o fulcro da questão e a origem da grande maioria dos acidentes: o civismo e o comportamento de quem conduz, tanto na estrada como quando bebe.

É bem conhecido o ditado que em Portugal se encobre e que diz que «é na estrada que se vê o civismo dum povo». Pelo que todos os que conduzem conhecem, do modo como os portugueses em geral conduzem, dificilmente poderiam ser mais incivilizados e mal educados. Evidentemente, o civismo não se limita ao modo de conduzir, e a educação está patenteada em todas as situações da vida ou quase. Ao longo das últimas décadas, um povo política e democraticamente imaturo desenvolveu a crença aberrante e catastrófica de que democracia era fazer (ou poder fazer) tudo que der na gana de qualquer abrutado, em que os direitos dos outros estão sempre depois dos seus, muito depois; que só se devem respeitar os direitos alheios desde que eu faça o que me aprouver. Ora aqui está o princípio básico da má educação e da falta de civismo no seu mais puro estilo selvagem. Como quase todos assim se comportam, passou a ser a característica geral nacional.

Esta característica e os hábitos que a definem estão tão arreigados no espírito das pessoas que elas estão sincera e estupidamente convencidas de que são realmente democráticas e civilizadas. Foram assim amestradas pelas oligarquias políticas que aplicaram o princípio basilar do marketing, que diz «se tu és OK, eu sou OK». Traduzindo para política, «se te crês honesto, civilizado e cumpridor, mesmo que não o sejas, eu também assim pareço para ti, pelo que votarás em mim». A corja jornaleira procedeu de modo idêntico com a intenção de encobrir a podridão política concomitante com a de vender papel. De lembrar que, contrariamente àquilo de que esses mesmos nos têm querido convencer, de que a Abrilada foi a conquista da liberdade para todos, a realidade é que ele foi-o apenas para esses dois grupos, pois que a restante população nada ganhou com o golpe, basta ver o estado em que ambos em conjunto puseram o país.

Foi deste modo que um povo, na sua generalidade de bons sentimentos, honesto, civilizado (pelo menos para a época) e trabalhador foi moldado por esses dois bandos que o transformaram naquilo que actualmente são: uns pobres diabos miseráveis pedantes, pobretões por não terem cabeça para conseguir o que lhes faz falta, mal educados dissimulados, incivilizados e mesmo ladrões (até do material de escritório dos seus locais de trabalho se apossam). Não se compreende que reclamem pelo comportamento dos políticos, sendo como eles. Não foram todos criados por pais idênticos e em escolas idênticas. Por isso que não são iguais, mas idênticos. Isto tornou o povo no mais atrasado, incivilizado, calão e de maus fundos da Europa, não obstante crerem-se o oposto. Obviamente, sem reconhecimento do que está mal nada se pode melhorar.

Pelos discursos dos políticos, pelo modo como utilizam o marketing político e como disso se servem, sabemos que eles sabem o que vale população, pois que quase sempre conseguem enganá-la com sucesso e ela jamais consegue dominá-los nem obrigá-los a cumprir os seus deveres de procurarem o bem da população.

O mesmo faz o dito ministro do interior. Só que neste caso o resultado é mesmo mortes, centenas, milhares de mortes, de inválidos, de gente para sempre infeliz. As proporções são bastante variáveis, mas pode supor-se 1 morto para 4 feridos graves e 12 ligeiros. É o criminoso número um nacional por não tomar as medidas adequadas para reduzir o número de acidentes, como é seu dever. Estupidificante, nem os que ficam aleijados nem as famílias dos assassinados reclamam. Ridículo, apenas pedem dinheiro, como se tais calamidades pudessem, ser pagas.

Para o ministro-assassino, a culpa é sempre da velocidade ou do álcool e nada mais conta, mas isso é muito relativo. Quanto ao abuso álcool, é coisa que depende directamente do tal civismo, pelo que sem que a origem da falta seja devidamente reconhecida e atacada, nada mudará. Não é com o medo, nem com e a caça à multa, nem com os grandes espectáculos de circo de repressão para papalvo ver que algo mudará, que assim que os espectáculos diminuem de frequência tudo volta ao mesmo, a experiência assim no-lo conta. Sem civismo, todos os que bebem assim seguirão.

A questão da velocidade é absolutamente relativa. Os livros de estudo de condução dos países que primeiro dominaram a questão dos acidentes rezam que a velocidade deve ser relativa às condições de condução, do clima, da estrada e do estado do condutor e do veículo. É nisto que se baseia, por exemplo, a velocidade ilimitada nas auto-estradas alemãs sem que o facto aumente o número de acidentes. Nem todos têm capacidade para fazer a avaliação necessária, donde o limite em Portugal tem alguma justificação, embora haja outros factores a considerar.

Daí que dizer dum modo curto que a velocidade provoca os acidentes é só mencionar uma parte da história. O resto esconde-se. A sua relatividade, assim como o civismo, jogam mais uma vez o papel principal.

Uma sinalização correcta e logicamente concebida é essencial para a segurança rodoviária. O civismo, a base duma circulação mais segura e com menos acidentes da responsabilidade dos condutores , tem sido sempre preterido pelos políticos. O ministério do interior, por armar circos e o seu ministro fazer discursos babosos escamoteando os factos, sacudindo o pó do fato enquanto isso vai matando gente, é um assassino.


Sobre o mesmo assunto, aqui e algures:



Este e outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

publicado por TC às 14:43

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO