...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

20
Mai
10
Trata-se da publicação de um comentário ao post Chamam-lhe Democracia, publicado num blog do autor. As contas, feitas por alto, parecem bastante significantes. De qualquer modo, quem discordar poderá apresentar a sua opinião e nela incluir o seu ponto de vista.


PRIMOS-IRMÃOS

Rogério Barroso [20-04-2010]

Sócrates e Alberto João reuniram-se ontem e anteontem, fizeram salamaleques um ao outro, juraram mútua fidelidade, e também a juraram aos princípios da família, da grande família neo-liberal, a qual, mentindo, vêm afirmando que se chama social-democrata.

Nenhum deles pertence a família que não seja a mesma a que pertencem os dois.

Nenhum deles tem ideias socialistas e ambos praticam a anti-democracia.

Não podem ser sociais-democratas, que o digam aqueles que o são – quanto ao epíteto «socialista», esse nem sequer alguma vez ficou bem ao que é agora primeiro-ministro do Estado de Portugal, e até já passou de moda: que o digam aqueles que, apesar de não saberem o que é, ainda se dizem «socialistas». O resto que se diga é p’ra enganar o Zé!

Tais bandalhos reuniram-se para concluir o que as respectivas máquinas partidárias, instaladas que estão nos órgãos de comunicação social do regime, divulgaram agora: cada português tem de entrar com 70,00 euros para o Estado de Portugal, para que o Estado de Portugal entregue esses euros todos à máquina da Região Autónoma da Madeira, e esta entregue a maior parte para as mais diversas traficâncias do bando do Alberto João, que vai da droga proibida até ao branqueamento de dinheiro e ao mais descarado gamanço.

E não se trata de um empréstimo, como no caso da Grécia, que pode dispor dessa grana dos cidadãos portugueses quando quiser, bastando que o governo do Estado da Grécia informar o seu apetite ao governo de Portugal.

Solidariedade? A puta que os pariu! Onde estão as actividades de solidariedade da família política neo-liberal (que abrange PS, PPD e CDS) para com os 25% de portugueses situados abaixo no nível mínimo de pobreza europeu?

Onde está essa dita solidariedade para com os 45% de portugueses analfabetos segundo as mais recentes normas de literacia europeia? Trata-se de facto consumado sobre os parcos haveres de muitos portugueses que são os mais fracos no processo de extorsão a que o Estado procede, com o voto maioritário dos cidadãos que têm direito a voto e votam, e com o aplauso unânime de quase todos os espoliados.

O administrador-chefe da TAP disse ontem que as cinzas vulcânicas e o excesso de zelo das autoridades nacionais de transportes aéreos estão a fazer com que a TAP perca dois milhões de euros cada dia que passa, enquanto não puder fazer os voos que habitualmente tem programados.

Nós sabemos pela comunicação social do regime (insuspeita nesta matéria) e pelas contas apresentadas, que a TAP vem perdendo, já de antes da erupção vulcânica da Islândia, 100.000,00 euros por dia. Nós sabemos dos números apresentados pela TAP que a TAP paga 75.000,00 euros por dia em salários, valor que já influencia o número anterior.

Nós sabemos que a TAP, segundo os seus divulgados números, poupa, cada dia que os aviões não voam, um milhão de euros em combustível, o que quer dizer que, nestes dias de influência vulcânica, poupou 750.000,00 euros por cada um desses dias. Se a TAP perde habitualmente 100.000,00 euros por dia e, nestes dias vulcânicos, poupou 750.000,00 euros por dia em gasolina, sobram de ganhos 650.000,00 euros por dia.

Se a TAP acusa, ainda assim, um prejuízo diário de 2.000.000,00 euros, não terá a Procuradoria-geral da República curiosidade (como é sua obrigação legal) em saber para onde estarão a ser desviados mais ou menos dois milhões e meio de euros por cada dia vulcânico que passa? Ou contentar-se-á com o dito de que os governos europeus estão a fazer todos os possíveis a favor da segurança dos passageiros?

Tudo gama, minha gente! É fartar, vilanagem!, qu’o Povo nã s’importa!!!



Embora pareça secundário, deve destacar-se a contagem do número de iletrados e de analfabetos no país, inseparáveis do número total de ignorantes. Como no comentário no post que precede este, «A população foi mantida numa ignorância a tal ponto profunda que quem se recordar reconhece ser muito superior àquela que se vivia no tempo do Estado Novo.» Se antes a ignorância estava quase restrita a analfabetos e iletrados, ela cobre hoje a quase totalidade da população, como se verifica. Essa ignorância foi propositadamente imposta à população por políticos para dela se aproveitarem, como se tem constatado, roubando à vontade e parindo leis que lhes permitem fazê-lo impunemente sem que ninguém conteste, o tudo por ignorarem que em democracia tal não é possível existir. Fizeram crer à população que vive em democracia por ela nem saber o que isso é, pois que na realidade se vive num estado totalitário governado pelas famílias mafiosas em que os partidos oligárquicos se transformaram. De salientar que este estado só foi possível de atingir com a estreita colaboração duma classe de biltres mentirosos e desinformadores que é a cambada dos jornaleiros ordinários de hoje.

Diz-se que o 25 de Abril trouxe a democracia e a liberdade. Poderia ter sido, mas é falso porque logo os oportunistas de tudo se apoderaram, roubaram, legislaram para se protegerem e maltrataram o povo como nunca, papagueando que isso era democracia. É factual que essa malta ordinária de políticos e jornaleiros não tinha liberdade antes da Abrilada e que agora tem, mas utilizou-a contra o povo. Assim, quem quer que se recorde e não tenha tido interesses políticos, sabe que o povo em geral tem hoje muito, mas muito menos liberdade do que tinha antes. Francamente, que nos interessa a liberdade de políticos e jornaleiros quando eles a usam invariavelmente para nos tramar a vida, nos fazer miseráveis, ignorantes, pobres e maltratados por serviços de saúde ignóbeis e outros sociais igualmente degradantes? Todos mal concebidos desde o início e de modo a permitir os conhecidos hobbies em que impera uma mixórdia de política com economia e com regalias e privilégios que proíbem a democracia.

Que fazer dum povo que pensa que democracia é fazer tudo o que se quer, pelo que tanto eles como os políticos têm direito a roubar? Que esperar duma mentalidade que acha que quando alguém é roubado a culpa é da vítima que se deixou roubar e não do criminoso que o roubou?

O povo deveria ter tomado o destino nas suas mãos controlando os políticos como democracia significa, mas não o fez. Terá agora capacidade para o fazer com a mentalidade que desenvolveu, ou seria ainda pior nas circunstâncias vigentes?




Outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

publicado por TC às 17:24
De Anónimo a 21 de Maio de 2010 às 13:04
Esta parte do post é muito importante:

"É factual que essa malta ordinária de políticos e jornaleiros não tinha liberdade antes da Abrilada e que agora tem, mas utilizou-a contra o povo. Assim, quem quer que se recorde e não tenha tido interesses políticos, sabe que o povo em geral tem hoje muito, mas muito menos liberdade do que tinha antes. Francamente, que nos interessa a liberdade de políticos e jornaleiros quando eles a usam invariavelmente para nos tramar a vida..."

Quem se queixava que não tinha liberdade, era esta corja que chegou ao poder. Agora, as pessoas desse tempo, percebem o que Salazar fazia. Punha esta gente "à sombra", pois ele conhecia bem o (s) motivo (s) que os fazia querer tomar o lugar dele, que no fundo foi aquilo que fizeram na 1ª República, roubar e esmagar o Povo. Esta gente não é incompetente, como parece. São uns ladróes. Até a Camorra tem muito a aprender com eles, logo, o facto de estarem legalizados para fazerem o que vão fazendo. Roubam tudo o que podem, até gravadores... O Drácula, na Moldávia, era um santo comparado com eles.
De Mentiroso a 21 de Maio de 2010 às 14:23
Caro Anónimo,

O problema está em as pessoas não terem capacidade mental para o compreenderem e continuarem a ser desmioladas pelas invenções, encenações de notícias e lixo nelas dado, pela canalha jornaleira.

A ponto de com o tempo, as comemorações da Abrilada passaram a ter como único significadoa vitória das máfias e o esmagamento total do povo.

Por isso que só têm a palavra democracia na boca. de tanto a pronunciarem, os papalvos acreditam nos sues algozes.

Um facto a que em Portugal não se presta atenção nem se dá importância é a maioria das pessoas terem estampado o que são no rosto e não o poderem esconder. Muitos desses monstros não escondem aquilo que são, mas as pessoas continuam a emprenhar pelos ouvidos, não podendo utilizar uma mioleira destreinada e embrutecida por essa canalha.
De Mentiroso a 22 de Maio de 2010 às 16:27
O comentário anterior foi apagado por não ter a mínima relação com o post nem com qualquer assunto semelhante, nem no objecto ou na matéria tocava. Apenas fazia publicidade de outro blog e de isdeias que, boas ou más, nada tinham a ver com o presente caso. A bem dizer, estava completamente desfazado e fora do sítio, tinha sido aqui pespegado como abuso e não como comentário.
De Luis a 22 de Maio de 2010 às 20:25
Caro amigo,
Ter em atenção ao que é dito no post:
Diz-se que o 25 de Abril trouxe a democracia e a liberdade. Poderia ter sido, mas é falso porque logo os oportunistas de tudo se apoderaram, roubaram, legislaram para se protegerem e maltrataram o povo como nunca, papagueando que isso era democracia.
Assim, quem quer que se recorde e não tenha tido interesses políticos, sabe que o povo em geral tem hoje muito, mas muito menos liberdade do que tinha antes. Francamente, que nos interessa a liberdade de políticos e jornaleiros quando eles a usam invariavelmente para nos tramar a vida, nos fazer miseráveis, ignorantes, pobres e maltratados por serviços de saúde ignóbeis e outros sociais igualmente degradantes?
Que fazer dum povo que pensa que democracia é fazer tudo o que se quer, pelo que tanto eles como os políticos têm direito a roubar? Que esperar duma mentalidade que acha que quando alguém é roubado a culpa é da vítima que se deixou roubar e não do criminoso que o roubou?
Um abraço amigo.
De Mentiroso a 22 de Maio de 2010 às 22:23
Caro Luís,
Aqueles que lucraram com a Abrilada têm desde há muito querido criar um mito e uma lenda acerca dum acontecimento que acabou por escravizar a quase totalidade da população, escapando apenas esses oportunistas parasitas e ladrões, famílias e amigos. Reconheça-se que não era essa a intenção inicial, mas é inegável que é onde fomos parar. Um facto não pode, porém passar em vão sem que seja lembrado: Jamais em toda a História da humanidade uma mudança drástica de estilo revolucionário do género do 25 de Abril (independentemente do facto de se dar com ou sem sangue – aí tivemos sorte) em que tudo é destruído, bom e mau, melhorou a situação que se queria substituir nos anos que se lhe seguiram. Em Portugal, como com tudo, sabe-se melhor e os desmiolados não aceitam as experiências da própria história outros. Em Portugal, tudo o que foi destruído, bom e mau, foi substituído por idêntico, mas fundamentado em princípios rascas e anti-democráticos. Não é o que se observa? Mudaram-se os nomes, mas os algozes e os ladrões ainda aumentaram. Não é o que se constata?
Um abraço.
De Karocha a 24 de Maio de 2010 às 17:25
Caro Mentiroso
O saque começou um pouco antes do 25 do A, pela corja que todos sabemos quem é.
E continuam impunes a por Portugal na bancarrota pois o povo é sereno!
Imagine que tinha acontecido em Portugal,o que aconteceu ontem no UK. com a Fergie??????

Cumprimentos

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO