...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

05
Abr
07
Demita-se Sr. " Eng" Socrates
Isto é o minimo que o Sr. pode e deve fazer para dar um exemplo de moralidade politica.
O Sr. Procurador Geral da Republica deve investigar imediatamente toda esta confusão e levar até às ultimas consequências o apuramento desta pouca vergonha.
O Sr. Presidente da Republica, deve correr com o Sr. "Eng" caso este não tome a iniciativa de sair pelo seu pé!
São Bento remeteu explicações para a UnIEstudo diz que não houve nenhum diplomado no curso de Sócrates em 1996 04.04.2007 - 23h30 Ricardo Dias Felner
Um estudo do Ministério do Ensino Superior revela que em 1996 não houve nenhum aluno diplomado em Engenharia Civil, pela Universidade Independente (UnI). Este dado contraria os documentos, apresentados ao PÚBLICO como fazendo prova da licenciatura do primeiro-ministro, que indicavam que José Sócrates havia concluído o curso no dia 8 de Setembro de 1996.
Em declarações ao PÚBLICO, o assessor de imprensa do primeiro-ministro, Luís Bernardo, reafirmou que “o primeiro-ministro acabou a licenciatura em 1996”, remetendo qualquer explicação sobre o resultado do estudo para a UnI. “Isso não é um problema do primeiro-ministro. A questão terá de ser colocada à UnI e ao Ministério do Ensino Superior.”Contactado pelo PÚBLICO, o reitor da UnI à época, Luís Arouca, recusou-se a dar qualquer esclarecimento. “Estou em completo black out relativamente a esse assunto”, disse. De acordo com o levantamento estatístico Diplomados (1993/2002), elaborado em 2004 pelo Observatório da Ciência e do Ensino Superior (OCES), só se licenciaram na UnI, no ano de 1996, alunos dos cursos de Ciências da Comunicação (67) e de Relações Internacionais (25).A razão pela qual a maioria dos cursos ainda não tinha qualquer licenciado, nesse período, deve-se ao facto de a UnI ter começado a funcionar em 1994/95. Na página 177 do documento do OCES pode ler-se que, para o curso de Engenharia Civil, os primeiros diplomados só surgem em 1997/98 — e são sete. Este número coincide com o valor apresentado num relatório de avaliação externa do curso de Engenharia Civil da UnI, elaborado por uma comissão independente. A pista sobre este levantamento foi dada por um leitor anónimo do blogue Do Portugal Profundo, cujo autor, António Balbino Caldeira, tem levantado, desde 2005, dúvidas sobre o currículo académico de José Sócrates. Os dados do documento (disponível no site da OCES) têm por base, como é escrito na introdução, “a resposta dos estabelecimentos de ensino superior ao inquérito estatístico anual realizado pelo OCES” — um organismo pertencente ao Ministério da Tecnologia, Ciência e Ensino Superior. Em declarações ao PÚBLICO, há três semanas, o primeiro-ministro, o antigo reitor da instituição e o então director do departamento de Engenharia Civil garantiram que, logo em 1996, quando o curso tinha apenas dois anos, houve alunos, transferidos de outras instituições, a frequentar cadeiras dos terceiro e quinto anos da licenciatura em Engenharia Civil, entre os quais estava o próprio José Sócrates. Esta versão foi contudo contrariada, na mesma altura, pelo director da Faculdade de Engenharia e vice-reitor, Eurico Calado. Este professor afirmou que em 1996 só funcionaram aulas dos primeiro e segundo anos do curso de Engenharia Civil. Quem deu as aulas?Esta não é, no entanto, a única contradição que subsiste relativamente à licenciatura de José Sócrates. Permanece pouco claro quem leccionou as cinco disciplinas que o actual primeiro-ministro terá concluído naquela instituição. O director à época do departamento de Engenharia Civil, António José Morais, afirmara ao PÚBLICO (ver edição de 22 de Março) que fora responsável por quatro dessas cadeiras, todas na área das estruturas. O ex-reitor Luís Arouca, por sua vez, acrescentara que Fernando Guterres dera algumas dessas aulas práticas. No “Expresso” da semana passada, por sua vez, António José Morais citou um outro docente, “o monitor Silvino Alves”, que também terá leccionado essas cadeiras. Sucede que num currículo exaustivo de António José Morais, o docente apenas refere ter leccionado, em 1996, na UnI, as disciplinas de Betão Armado e Pré-Esforçado e Teoria das Estruturas. A primeira cadeira terá sido concluída por José Sócrates, mas a segunda não aparece sequer no plano curricular do curso. De fora ficam, assim, três cadeiras que António José Morais dissera ter ministrado a José Sócrates nesse período: Análise de Estruturas (3º ano), Projecto e Dissertação (5º ano) e Estruturas Especiais (5º ano). No mesmo currículo, com 43 páginas, António José Morais indica que só leccionou a cadeira de Projecto, em 1997, ou seja, quando José Sócrates já teria a licenciatura finalizada. Questionado por e-mail sobre estas contradições e sobre as aulas dadas pelo “monitor Silvino Alves”, António José Morais manteve que leccionou as quatro disciplinas de estruturas e que, “em todas”, teve “mais que um aluno”, acabando por concluir: “Desconheço que versão de currículo viu”. Acrescentaria depois que “Teoria é o mesmo que Análise”.
O gabinete do ministro do Ensino Superior, contactado pelo PÚBLICO, afirmou que os dados do relatório do OCES quanto ao número anual de licenciados não incluem, “para qualquer dos cursos, os alunos que, tendo ingressado por transferência, tenham concluído a licenciatura através de um plano de estudos fixado na sequência de um processo de equivalência”. Este critério não está, contudo, explicado no relatório — antes pelo contrário. Na introdução do documento, onde se explica o âmbito do estudo, concretiza-se que as estatísticas se referem “ao grau de licenciado, obtido através de diferentes percursos académicos”. A explicação do Ministério do Ensino Superior parece também ser contraditória com o facto de, na própria UnI, nos cursos de Ciências da Comunicação e Relações Internacionais, serem indicados no relatório como diplomados, logo em 1996, dezenas de alunos que ali ingressaram por transferência.
Ver mais aqui...
Clique nas imagens para ampliar!!!
Confira AQUI, na página 339 do documento.
E no Público!!!
publicado por TC às 08:18
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 13:03
o sr. engenheiro josé é o maior!
De Tiago Carneiro a 5 de Abril de 2007 às 13:23
... aldrabão.
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 14:13
Socrates cometeu um erro no passado e vai pagar politicamente, pois os professores a quem ele tanto atacou, não vão perder a oportunidade de colocar tudo em pratos limpos.

Um eng. faz de conta para governar um país faz de conta à beira mar plantado. Junto com o seu protegido o " Rei Faz de Conta" fazem uma bela parelha, agora podem os dois formar um dueto e ir cantar para a porta do Metro.
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 15:31
atenção que eu ando de metro!
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 15:36
acho que isto é um ataque politico e pessoal ao grande engenheiro com é grande Senhor JOSE SOCRATES!
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 15:36
Usas uns tampões nos ouvidos!
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 15:39
Eng. da mula russa.

Ainda ontem mandou duzentos e tal para o olho da rua, mas para a m..da OTA e do TGV, para as despesas faraónicas dos assessores e para a mama de todos os FDP conhecidos por boys já há dinheiro, só falta é para os desgraçados que tem contas para pagar e filhos a quem dar de comer!
De Anónimo a 5 de Abril de 2007 às 18:20
A coisa está preta para o Socrates e até o Mariano deixou de gagejar tal é aflição!

Rua Já!
De A. João Soares a 6 de Abril de 2007 às 06:25
A minha preocupação não é ele não ser licenciado, porque, na realidade, o canudo não dá garantia de competência, e o facto de o Governo ter ministros que são catedráticos não impede que seja um poço de víboras incompetentes e sádicas que estão a «copular» os cidadãos retirando-lhes quanto dinheiro podem. Veja-se a Saúde!!!
Preocupa-me haver um PM que mentiu, com a mania de que é preciso ter canudo. A vaidade e a mania das grandezas leva muita gente à ruína.
Mas o MAIS PREOCUPANTE é o panorama dos comentários deste post: Porquê tanto anónimo? De que há medo? A PIDE é o grande pecado hoje apontado ao Salazar. Isso já acabou há 33 anos. Porque há agora tanto medo em dar a cara e emitir opinião assinada? O que se passa neste País?. Isso é mais importante do que o Sr. Pinto de Sousa ter mentido.
Cumprimentos
De Beezzblogger a 6 de Abril de 2007 às 12:30
Pois é meu amigo A. João Soares, o senhor bem sabe, que para quem não tem papas na língua, também não tem medo, mas aqueles que só falam por ver falar, acobardam-se ao minímo toque, acobardam-se por estupidez...

Mas adiante, que o que quero é dizer que num ponto concordo consigo, não é o canudo que governa, nem torna competente a pessoa, é isso sim o carácter, e a educação desta, veja-se a cambada de incompetentes doutorados deste País.

Abraços e boa Páscoa a todos.

Do beezz

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO