...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

Posts mais comentados
tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

29
Mai
10

Imagem do Kaos

A Realidade tornou-se elementar, coisa que não acontecia desde os Epicuristas: basta ao preguiçoso estar sentado, no seu sofá, e ir riscando os dias do calendário do Final dos Tempos.
Ontem, ou anteontem, ou transantontem, enfim, isso é irrelevante para este discurso, houve uma procissão de corruptos do Largo do Rato, suponho que por causa da Romaria do Beato Garrafão de Águeda, em que uma das azémolas disse que "no PS havia muitas sensibilidades". Sou mau em contas, mas posso enumerar algumas: os Pedófilos, que mandam em metade mais um terço de tudo; os Ladrões de Gravadores, que são uma subespécie em vias de expansão; os Ladrões, "tout court", que são tranversais ao Partido e vizinhanças; os das Fundações; os Analfabetos, detentores de diplomas da "Moderna", da "Independente" e da "Lusófona"; os do Futebol Clube do Porto; os Traficantes de Droga; os Traficantes de Armas; os do Futebol; os do "Aventalinho"; os da Opus; os que são ao mesmo tempo do "Aventalinho" e da Opus; os do Clã Constâncio; os do Clã Soares, Pai, Filho e Espírito Santo; os pseudo ex-PSD; os renegados do PCP; os Paneleiros; as Fufas, Lesbian-esfregona, que passeiam os grandes lábios em Classe Executiva; os "Chefes"; os "Patrões" de Mozambique; os traficantes de diamantes de Angola; os defensores das Causas Naturais; os Mentirosos Compulsivos; os Berardistas; os Mega na Peida; os Monhés, que se dividem entre os que se Bavam e os ainda não se Bavam; os Coelhistas; os proprietários dos terrenos da Ota; os proprietários dos terrenos de Alcochete; as Abortadeiras; as Unidas de Facto; as Separadas de Facto; as Anãs; os "Hammerskins-light"; as Beatas; os Papistas; os Servidores de Serviço e os Filhos da Puta generalizados, e os piores de todos: os que pensam que as categorias atrás são invenção minha. Deve-me ter faltado algum, mas vocês preenchem, tipo palavras cruzadas.
Pois estavam todos reunidos, para saber se entregavam o cadáver de Manuel Alegre, já esta semana, à Servilusa, ou se esperavam mais uns meses, para ele ser encontrado, já cadáver, num contentor, ou numa urna, à porta mais próxima da Servilusa.
Entretanto, o "Expresso", que ainda pensa que está na fase de fabricar "Realidades" e "Avatares" deu o mote: era a solução inglesa, que diz que um partido pode fazer merda durante anos, mas, de repente, salta a rolha, a rolha diz que nunca fez parte da garrafa, e põem outra rolha na garrafa, para a garrafa ir a votos, como se não tivesse nada a ver com a piela anterior.
O processo é lindíssimo, e rola em Albion. Em Portugal, é mais um epifenómeno da estrumeira, e consistia em dizer que a responsabilidade do Desastre Português era um cavalheiro, José Sócrates, que percebe tanto de Engenharia quanto eu, o culpado, e tudo o resto eram inocentes, de maneira que se arranjava alguém ainda "virgem", o que é dificílimo, hoje em dia, e se o punha a substituir o Vigarista de Vilar de Maçada, à frente de um Partido recauchutado.
Nada disto é ingénuo, e prende-se com uma fatalidade factual que é a seguinte: no momento em que o PS for afastado, a bem, a mal, pela Lei, pelo pontapé, pela palmadinha nas costas, ou pela violência, da área do Poder, estará afastado dela durante, pelo menos, uma geração. Ora, uma geração é muito tempo, sobretudo, se pensarmos na avançada idade de Dona Adelaide Monteiro e nos "off-shores" de todos os seus meios-irmãos, meios-maridos, meios-primos, meios-sobrinhos, meios-enteados, nos tremeliques de mãos do Coelhone, e na própria abjeção da Câncio, um caso de estudo, para os académicos futuros.
Acontece que, no meu limitado entender, quando me falam de um tal de Seguro, só vejo uma figura repugnante, com aquele olharzito muito tipicamente português, semitriste, as nossas Madonnas dell'Angoscia, sem a parte Madonna, e com uma Angoscia tão falsa como os arrependimentos do criminoso Ratzinger, a fazer o papel do Francisco de Assis generalizado, como se uma nádega, mista de Paulo Pedroso com os olhares fulminantes da Cadela Ciosa do Herón-Castilho, pudesse vir messianizar o deserto em que Portugal, por causa deles, se tornou.

A Direita é mais pragmática, e conserva a noção de Dignidade do Estado, pelo que já percebeu que chegou a altura de afastar do Palácio de Belém um par de Criadas de Dentro, cujas preocupações são meninos-jesuses, chitas, bandeiras de croché, e andar a abrir armários de esfregonas, diante dos Reys de España.
O Sr. Aníbal, como já afirmei há cinco anos, devia ter-se dedicado à criação dos netos, para evitar que esta vertigem dos exegetas da História Recente não acabem, um dia, por fazer dele um dos condóminos de um Tribunal de Nuremberga, à Portuguesa, mas isso é um assunto de quem votou Aníbal, como se Aníbal não fosse, desde sempre, um sinónimo de Cada Dia Pior.

No que ao PS respeita, sou apologista de que deve ser arrancado das suas metástase de Estado, de facto, durante uma geração, ou todo o tempo que for preciso, mas arrancado em todas as suas facetas, incluindo bêbedas Anas Gomes, "Farfalhas" em "Tournée" continental, Garrafões de Águeda, Presidentes da AMI e respectivas enfermeiras, e Supremos Juízes e Conselheiros e Procuradores da República das Bananas, mas num pacote grande, para os quais preconizo a solução polaca, em vez da solução inglesa...

Para que a coisa seja mesmo radical e "ad hominem", coisa que sempre criticaram no meu discurso, mas que lhe é intrínseca, quando olho para Sócrates, vejo um saloio, com uma batata no lugar do nariz, o que traduz origens da Terra Fria, que os fatos Armani bem tentam disfarçar, mas não conseguem. Como diria Armani, ou qualquer agricultor, uma batata é uma batata, uma batata, uma batata, uma batata...
Em contrapartida, quando olho para o Seguro, pressinto uma criatura com duvidosa higiene oral, que, quando finge sorrir, mostra um verde deslavado perto das gengivas, como se tivesse estado a mastigar uma bandeira de croché, da Joana não sei das quantas, mas só na zona relva, e que, quando descalça os sapatos, mostra que as meias não são como dinheiro, em Vespasiano, e podem ter bastante cheiro... Quanto ao resto, tem o corpo todo em forma de rizoma, ao contrário do de Maçada, que é mais modesto, e guardou o rizoma para a ponta da penca.
Quero terminar este texto, dizendo que realmente está na altura de fazerem as malas e irem embora: sou demasiado nefelibata para me apetecer estar a assistir a escandaleiras à Grega, com o Poder a ser aviltado na rua, embora compreenda que, se tiver de ser, que remédio,... será.

(Quarteto de fífias, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 01:48
13
Abr
10


Imagem do Kaos

Vamos começar por cima, e descer até à pocilga, o que, de acordo com Hermes Trimesgisto, é exatamente o mesmo.

Sou Europeu, Português, Maior, Adulto, Vacinado, Não-Ateu e Não-Cristão, ex-votante, para nunca mais, do Partido Socialista, e venho, ao abrigo dos valores do Iluminismo e da Liberdade de Expressão, arrasar duas detestáveis figuras da nossa contemporaneidade.

Joseph Ratzinger é um Alemão, o que já não augura coisa boa, para nós, que gostamos muito mais das brisas do Mar Latino.
Da Alemanha, vieram os três pretextos para os maiores holocaustos do séc. XX: Duas Guerras Mundiais, que quase iam irradicando, da Europa, a Humanidade e a Cultura, o flagelo de Marx, o flagelo das sequelas de Nietzsche e o horrível Mito da supremacia do Caucasiano.
Faltava-nos, ainda, esta cereja, chamada Ratzinger, que, à medida que se vai tornando evidente, foi, nada mais, nada menos, do que o cérebro negro e a eminência parda que esteve por detrás de todo o progressivo e irrecuperável divórcio entre a Igreja do pós-Guerra e a Humanidade.

Ratzinger está para a Igreja como Rasputine esteve para os dias finais do Czarismo: move os cordéis da sombra e é totalmente insensível às marionetes que os seus gestos fazem sucessivamente arder.
A Igreja apenas conheceu um Papa grandioso, enorme, generoso e vidente, na segunda metade do séc. XX, Chamou-se João XXIII, o Cardeal Roncalli e, infelizmente, durou pouco.
Não é do meu tempo, mas tenho, por ele, a mais sincera das reverências, e talvez houvesse conseguido o difícil milagre de me fazer Cristão, tivéssemos nós sido contemporâneos.
Compreendeu, pela emoção, e pelo pragmatismo, duas coisas que nos parecem imediatas, mas não o são: 1) que a Igreja é uma invenção do Homem; 2) Que a aparente incompatiblidade entre Crentes, Agnósticos e Ateus se resume afinal a arranjos linguísticos elementares. Para o Crente, Deus existe mesmo; para o Agnóstico, ou, melhor, para o Humanista, para tornar a base mais lata, Deus é aceite como uma necessidade humana da infinita miséria do macaco nu; para o Ateu, Deus é uma excrescência do percurso para a Razão, mas não mata, nem mói ninguém, e é compatível com o são convívio das sociedades.
Creio que o que acabei de escrever não justificaria quaisquer guerras religiosas, quaisquer perseguições, nem quaisquer fundamentalismos: como pregou o Profeta Jesus, nos seus espantosos Evangelhos, "Não chateies e também não serás chateado".

A seu modo, e muito à maneira grega, João XXIII compreendeu que o Homem estava no centro do processo, e, discretamente, colocou "Deus" e a Igreja ao serviço do Homem, o que faria o simultâneo contento de Crentes, Agnósticos e Ateus.
Morreu precocemente, e foi substituído pela "Marquesa" Montini, usualmente conhecido por Paulo VI, nascido em berços de seda, e totalmente alheio à Modernidade, convencido de que podia integrar a longa linhagem de aristocratas sumos-pontíficies, como era tradição italiana.
Caiu no erro, e já na sombra minava Ratzinger, de inverter os termos, e de tentar colocar a Igreja e o Homem ao serviço de Deus, sabendo já que "Deus" pouco tinha, nos conturbados Anos 60, de consensual.
Foi a época dos anátemas contra os divórcios, as derivas sexuais, e quem lhe deu o bem justo cheque-mate foi Peyreffite, uma "madame", escritora e diplomata parisiense, que lhe chapou na imprensa com o nome do amante, se não me engano, o filho varão de um industrial italiano. (A coisa vem toda contada em "Propos Secrets", e quem ainda souber francês neste miserável país, que o leia).
Acobardado, e caçado na sua varanda de S. Pedro, Paulo VI caiu no erro de o ameaçar de excomunhão, naquelas feiras do relógio a que a Basílica do Vaticano assiste todos os domingos.
Dizem os contemporâneos que nunca choveram tantos telefonemas em Paris, e Peyreffite subiu à glória, enquanto "Madame" Montini mergulhava nas trevas, dizendo que "os homossexuais deviam ser todos lançados aos ratos (!)"

Creio que o que queria era ser comido por um rato, mas morreu antes disso.

A conspiração da sombra continuou então, com a execução, à velha maneira renascentista e borghiana, do Cardeal Luciani, Patriarca de Veneza, que queria abandonar o Palácio Papal, e vir viver para um apartamento de Roma, com "jeans", e na boa linha de despojamento do Cristo.
Durou um punhado de dias, enquanto a Igreja saltava de escândalo em escândalo, assassinatos de Aldo Moro, enforcamento do Presidente do Banco Ambrosiano, colocação a nu das ligações entre a Mafia Episcopal e as Lojas Maçónicas viradas para o Crime, como a célebre P2.

Ratzinger, um cobarde, que tinha tido o pavor de que as sequelas de Maio de 68 destruíssem, de vez, o peso opressor da Igreja sobre os Povos, enveredou então pelo Fundamentalismo, aproveitando a boleia do que se estava a passar no Irão.
Como intelectual, sibarítico, inteligente e florentino, entendeu que a melhor maneira seria transformar a Fé numa Crendice, para anestesiar as bases, e evitar sobressaltos de cúpula: a sua genial invenção apareceu através de um rústico, ex-mineiro polaco, João Paulo II, que, ao longo do seu sinistro Pontificado, permitiu a propagação da Sida, pelo aconselhamento do não-uso do preservativo, em pleno auge da epidemia, esmagou as subtis conquistas da sociedade civil, e, definitivamente, incompatibilizou o livre pensamento com os chavões da Igreja.

Os grandes tempos do Culto tinham terminado, e começavam os miseráveis tempos da Crendice, com pastorinhas santas, balas perdidas, transformadas em milagres, uma chusma de merceeiros elevados à categoria de beatos, e sempre um severo "não" a tudo o que não fossem as aberrações comportamentais da castração do corpo humano, composto por todas as suas partes, exceto pelo... sexo.
A sua maior criação, para o meu gosto pessoal, foi a do preservativo de rendas (!), ao qual a Igreja, e creio que a Joana Vasconcelos também não, não se opunham...
Fosse Breton vivo, e esta ia diretamente para a "Antologia do Humor Negro".

O que Ratzinger fez com João Paulo II roça a imoralidade, a indignidade, a impiedade e o sadismo: sabendo da estrutura primária do Polaco, utilizou-o em todas as frentes, vendendo viagens, banha da cobra e sorrisos, enquanto inoculava nas multidões os mais perversos princípios contra-natura a que a Humanidade assistiu, em pleno séc. XX. Para o fim, fê-lo sofrer, enquanto corpo, oferecendo-nos horríveis imagens desumanas de um homem em sofrimento, às ordens da impiedade de uma sombra, sempre de nome Ratzinger.
Após vinte anos desta monstruosidade, como muito bem diz Laura "Bouche", não havia onde arrumar o carcinoma, tais eram as suas metástases, e o Conclave resolveu então empurrar a vérmina Ratzinger para o lugar onde menos poderia provocar estragos, paradoxalmente, a Cadeira de São Pedro.

Retomando a metáfora, era Rasputine que passava de Monge a Czar.

Vamos agora subir um patamar: muitas vezes, a História tem sido injusta nos seus processos: a Revolução Francesa deveria ter sido contra Luís XV, e não contra Luís XVI; o 25 de Abril deveria ter ocorrido contra Salazar, e não contra Caetano; a queda do Comunismo deveria ter ocorrido com Estaline e não com Gorbachov, "and so on".

Hoje, quando diversas vozes se erguem na Grã-Bretanha, para uma condenação do ser que se intitula "Bento XVI", mas continua a ser o homem Joseph Ratzinger, cabeça de todos os males que entretanto ocorreram dentro da Igreja, na estrutura social, e na destruição do nível emocional que deveria ligar os Cristãos à sua Fé, uma culpa com meio século de prolongamento e agonia, essas vozes britânicas estão, por uma das raras vezes da História, a exigir que a Culpa caia sobre o verdadeiro Culpado.

A personalização do Problema Ratzinger na Pessoa Ratzinger é dos momentos mais oportunos da nossa Contemporaneidade, já que se trata de caçar o rato no momento em que julgou atingir o instante mais alto da sua impunidade.
Nunca a Humanidade, desde os Bórgias, assistiu a este escândalo de se ver, ela própria, Humanidade, mais a Igreja, e "Deus", seja Isso o que for, ao serviço de um mortal, de ar maligno, fisionomia de cadastrado, com Lombroso o leria, e de seu nome Josef Ratzinger.
Nós precisamos de ar puro, e não podemos aceitar que nos venha visitar um réptil, com palavras de condenação sobre a vida sexual dos outros, os divórcios, a liberdade de nascer e morrer, o puritanismo da condenação do outro, quando encobriu um dos mais miseráveis crimes de que o Homem é capaz: a violência das pulsões sexuais da Besta Pénis sobre o frágil corpo das crianças, dizendo, ao mesmo tempo "que os pedófilos deviam ser todos afogados", não, alma negra, Ratzinger, nós, esse nível, de impiedade e hipocrisia, não permitimos, e esperamos que tenhas, já em Lisboa, o ensaio daquilo que te espera na tua visita (?) ao Reino Unido: condenação, rejeição e profundo mal-estar.
Pela minha parte, tudo farei para que tal suceda.

O final é um pouco mais abaixo: é por Igrejas como a de Ratzinger que assistimos a autos-de-fé.
O Sistema Judicial Português, inquinado por uma revolução que nunca sofreu, pelo menos, desde os tempos da Santa Inquisição, está-se a preparar para afrontar a Opinião Pública através de uma das mais escandalosas provocações a que teremos assistido: na véspera da constituição de uma Comissão Parlamentar, para chamar à pedra o cidadão José Sócrates, por presumíveis atos de Lesa-Estado, vai haver peões que, no Baixo Vouga -- lamento, mas não tem metro perto, logo, não sei onde fica, nem sequer se existe... -- vão destruir provas e testemunhos da nossa História presente.

Uma Opinião Pública madura exigiria que se montassem piquetes de vigilância, dia e noite, para impedir, à porta dessa sinistra Comarca, a consumação desse miserável sinal do nosso atraso: o auto-de-fé da queima das Escutas de José Sócrates, no "Face Oculta".

Cidadãos, a iniciativa é vossa.

(Quarteto sinfónico "a la Brahms", no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 02:05
13
Mar
10
Imagem do Kaos

Sou uma pessoa pouco dada a falar de doenças: prefiro o Sol, o Mar, a Música e as Artes.
Só o saber que vou ter de reinvocar aqui o nome de Lurdes Rodrigues é para mim penoso, mas a noite obriga-me, por dever de cidadania, a fazê-lo.

Se me perguntassem quem contaminou, e destruiu, para sempre, o nosso Sonho Europeu, eu responderia, Aníbal Cavaco Silva.
Se me perguntassem quem escolheria para epígrafe de uma futura crónica dos Anos Negros do Chavismo Socratista, eu escolheria Lurdes Rodrigues, o busto da ignomínia de todo este período.

Desde Cavaco, a família tradicional degenerou numa coisa, em forma de alforreca, que inclui, invariavelmente, um drogado, um desempregado de longo curso, um gajo com costumes sexuais exóticos, e muitos rendimentos obtidos na Economia Paralela. Com o tempo, ou seja, com o Socratismo, depois de uma breve deriva guterrista, que foi o Ovo da Serpente, todos se converteram em pensionistas antecipados, alcoólicos, divorciados e proxenetas do Estado.

Um belo dia, por desfastio, resolveram pôr os filhos na Escola.

Como Foucault dizia, e muito bem, o Sistema de Ensino apenas tende para cristalizar as assimetrias culturais e económicas, fazendo com que os mais miseráveis perpetuem os seus miserabilismos, e os mais ricos, o vazio da sua pobre riqueza. De quando em vez, é certo, há um talento, que dá um chuto no Sistema, e, então, faz-se História, mas, pelo meio, perderam-se gerações, e o "Titanic" rasgou-se ainda mais, na ponta do seu icebergue.

Eu sei que o tema não me agrada, e também não é ingenuamente que a Comunicação Social vem agora desenterrar, simultaneamente, um suicídio de um aluno perseguido, e de um professor acossado, mas eu posso aproveitar a boleia, e dizer o que me apetece, e não o que lhes convem, e vou fazê-lo, embora sem grande vontade.

Há muito que defendo a existência de uma Carta de Procriação, tal como existe a Carta de Condução: ou passa-se, ou chumba-se, e há penalizações por pontos. A partir de um determinado patamar, o núcleo macho/fêmea é, pura e simplesmente, impedido de se reproduzir, e de lançar mais ruído humano, numa sociedade, já de si, traumatizada.
Uma larga faixa de Portugueses devia ser impedida de ter filhos, por incompetência, inexistência de padrões morais e de condições mínimas de Humanidade, e esta frase é fatal, porque vai colidir com uma das mais perniciosas instituições do Ocidente, a Igreja de Roma, coio de criminosos cúmplices do latrocínio, da intimidação, da tortura, de ditaduras, do Nazismo e da Pedofilia, entre outros pequenos luxos.
Para mim, não-cristão, alheio ao valores do determinismo do casamento, fervoroso combatente contra a procriação a todo o custo, e pagão, de emoções e razões, ponho já aqui o dedo na primeira ferida, porque todas as outras não são mais do que obscenas consequência desta.

No séc. XXI, a pior forma de poluição é, portanto, a poluição humana, e todos os discursos moralistas e ambientalistas contornam, um atrás do outro, esta frase, como se de um anátema se tratasse. Para mim, pelo contrário, nem é sequer uma hipótese, e antes se trata de um rígido axioma, no qual radica a maior parte dos problemas mundiais presentes.
Quando quiserem corrigir a crise da Contemporaneidade, comecem por aqui, e enquanto não forem por aí, não contem comigo para nada.

A Família média, portanto, tornou-se num cancro representativo social, e num obstáculo ao desenvolvimento das sociedades: é o berço e a estufa dos vícios, do vale-tudo, da proveta do desenvolvimento dos pequenos monstros, futuros analfabetos funcionais, estrangulados entre dias inteiros de televisão, jogos de violência, e padrões de relacionamento social infetado de todas as porcarias imagináveis, desde os preconceitos de hierarquização aos lugares comuns do politicamente correto sexual.

No fundo, e estava agora a recordar a recente história da Madalena e do pombo, coisa que só eu eu ela sabemos do que se trata, que piedade poderei eu sentir, perante um canalha, de 15 anos, que está, à porta da escola, entretido, a torturar um animal, e sente, como um abuso, quando a mão de uma professora, lhe tenta tirar a vítima da mão?
Objetivamente, se não estivéssemos num mundo que perdeu as defesas, era esbofeteá-lo à antiga portuguesa, com o recado de vai agora contar à tua mãezinha que te partiram, e bem, a cara, à porta da escola.

O Leandro matou-se, porque a Dona Lurdes, quando começou a apertar os cordões à bolsa, esqueceu-se de que a sua tutela era a forma de todas as almas futuras, e, quando ali cortasse nos gastos, estaria a cortar na própria Civilização, como fizeram todas as culturas, quando entraram no seu típico período de decadência.
Maria de Lurdes Rodrigues, esse monstro inominável, com as suas hipóstases, o Hipopótamo da DREN, o Caniche Valter Lemos e mais um quantos afins, pura e simplesmente, procedeu ao enterro dos derradeiros vestígios do Iluminismo, trazendo uma Idade das Trevas, que, aliás, já estava prevista no seu sinistro fácies de figura miserável, criada nos meandros de tortura e humilhação da Casa Pia, dos abandonados pelo pai.

As Escolas, por inerência, e por isso ela as odiava tanto, ainda são retaguardas de pessoas que defendem valores inalienáveis, os tais medalhados da sombra, cujos atos nunca verão a luz, mas que suportaram os embates dos abdómens de infinitos problemas diários. Como dizia o Poeta, há certas crenças e pensamentos que nenhum machado cortará, e isso era insuportável para essa Besta, pré-humana, chamada Lurdes Rodrigues.

Entre a Família, destroçada, perversa, ou inexistente, e a Cúpula Amoral do Estado, representada por Sócrates, Aníbais, Varas, Pintos da Costa, Júdices, Pedrosos e aberrações semelhantes, havia, e ainda há, uma fina barreira, em forma de filtro, que impediu que a barbárie estendesse a mão de Cima, para encontrar a garra perfilada, de baixo.

Como um chapéu de chuva protetor, em muitas escolas deste país, o jovem foi simultaneamente protegido do flagelo da Família e da chuva ácida dos maus exemplos do Estado e da Sociedade.
Para os canalhas, que nos governam, e para os cegos que, como coelhos, procriam, isto é insuportável.
A gravidade da coisa estendeu-se esta semana à mancha de óleo de outra insuportabilidade: a grande trituradora, posta em marcha por essa não-pessoa, Lurdes Rodrigues, e deixada em roda livre pela medíocre contadora de histórias, Isabel Alçada, começou a minar as suas últimas barreiras protetoras: suicidam-se os alunos, porque a coisa se lhes tornou insuportável, e matam-se os professores, a pretexto de convenientes "fragilidades psicológicas"(!).
A verdade é, todavia, outra: à falta do "Paraíso" Finlandês e do Pragmatismo Empresarial Americano, onde os gajos, quando se chateiam, agarram em metralhadoras e limpam o cenário, nós, Portugueses, vítimas de uma República decadente, de uma não-democracia cada vez mais explícita e de carrascos dos valores morais, como Lurdes Rodrigues, preferimos, país de poetas, morrer às escondidas, sozinhos, como animais encolhidos num canto, os suicidados de uma nova geração perdida, o clube dos poetas mortos deste miserável Portugal do início do séc. XXI, que será, no Futuro, lido como um dos períodos mais vergonhosos da nossa História.

(Quarteto de sombras, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 02:05
03
Mar
10


Imagem KAOS

Como sempre, venho de fora, e venho de uma perspetiva eventualmente totalmente errada, mas assumo que tenho direito a ela, e lá a cumprirei.

O primeiro tema são os amores: os cataclismos, como diz o Kaos, só Deus, o nazi Ratzinger e a defunta Irmã Lúcia saberão se não foram comprados com "robalos", e não vão aparecer na próxima publicação, da Páscoa, das Escutas do "SOL", como mais um ato obscuro do "Polvo" do "Chefe" Sócrates. Na realidada, o Clima, os desastres naturais e as desgraças da Madeira só vieram trazer um breve balão de fôlego a José Sócrates.
Alberto João Jardim, um bom cangaceiros das Ilhas Afortunadas, lá se casou "gaymente" com o "Engenheiro" e juntos vão reconstruir a Ilha Mais Bela com fortes injeções de robalos, e não fazem senão bem. Só lamento os mortos, cujos números nunca saberemos, "a Bem da Nação"...
Por este andar, um dia destes, ainda vemos a Odete Santos de braço dado com a "Nosferata" Nobre Guedes, em grandes beijos e linguados, mas, afora o humor, temos aqui uma prova de postura de Estado, de parte a parte, e isso faz-nos bem, de quando em vez.
Interessante vai ser o prolongamento do namoro: Manuela Ferreira Leite, de saída, dispara petardos por toda a parte, e não precisa de estar disfarçada de "Jumento" para os disfarçar. Aliás, ela não tem nada de jumento, e costumava disparar, quando era menina, sob o pseudónimo de "Arenque Fumado", que lhe ficou até aos dias de hoje, não fossem as Escutas do "Face Oculta" revelar que a Camorra do Largo do Rato falava dela como "A Bruxa". Portanto, para os incrédulos leitores, "A Bruxa", ficou-se hoje a saber, era mesmo Manuela Ferreira Leite, futura Governadora do Banco de Portugal, para assegurar o Noivado Central, e ficar muito caladinha.

A segunda parte deste divagar vai para o lamentável episódio de um jornal recente, o, se não me engano, "i online" versão, mais ou menos, mal atamancada, de um jornal universitário, seu antecessor, como aqui poderão verificar. Pouco imaginativo, portanto, já aí.

Para os apreciadores destas tricas, gente geralmente sem interesse, terá havido um serviço prestado ao País. Para mim, que leio muitos poucos blogues, exceto o do Kaos, onde vou roubar as imagens, e dois os três blogues culturais nossos vizinhos, posso arriscar que nada sei do que estava a acontecer no "Jumento", ao ponto de meter Judiciárias (!) e Interpol (!). Ignoro, portanto, se por lá se estavam a passar atos de divulgação pública de matéria classificada, e haveria qualquer indício de infração disciplinar, portanto, não me pronunciarei sobre isso. A ideia que conservo do "Jumento" é de há 4 anos atrás, quando se andava em guerra contra o Diploma de Sócrates, e ele se aliou à Grande Coligação, que desmascarou a fraude da "Independente", tempo gloriosos, e, já que estamos na fase das confissões, sempre vi nele um blogue esfusiante, pletórico, e com uma voracidade de disparos imagéticos e textuais do tamanho do Mundo. Resumindo: era precisa muita paciência, para manter aquele ritmo, e sempre imaginei -- deus me perdoe... -- por detrás da imagem do autor, um gajo reformado precocemente, sentado numa cadeira de rodas -- perdoe-me também o autor... :-) -- e que necessitava de um feroz contacto com os outros, passando o dia inteiro na sua obra. Parece que me enganei, e o tal Jornal "i" veio agora dizer que se tratava de um membro da Máquina do Estado, próximo da "Situação" PS, o que, desgraçadamente, coincidia com as informações que já me tinham passado, e que em nada adiantou à minha, nem à felicidade dos outros. Cada um na sua, e amigos, como sempre, embora continue a achar que a minha posição final, sobre o caráter dos blogues, é a que então expressei na "Carta a António Balbino Caldeira", igual vítima de perseguição, e a da Blogosfera Futura, e por aí me fico.
Quando era menino, e ouvia, através de um pesadíssimo rádio móvel, da minha avó, coisas hoje completamente perdidas e obsoletas, como o "inspetor Varatojo" e "Os Parodiantes de Lisboa", sonhava com as faces que estavam por detrás daquelas vozes imateriais, mas o sonho era dúbio, porque, no fundo, sabia que qualquer daquelas faces, quando reduzida à poeira da sua mortalidade, deveria ser irremediavelmente desinteressante, perante a formidável (i)materialização que eu tinha construído das suas imagens.

Esse é, desde o tempo dos grandes textos e dos grandes filmes, o pecado mais mortal de todos, o de confundir as personagens com o/os autores.
Em geral, o criador é sempre inferior à ficção criada, pelo que esse caminho de "investigação" é sempre um empobrecimento do nosso imaginário, e só se aconselha a pessoas que querem sofrer, pela segunda vez, o desgosto de descobrir que o Pai Natal, afinal, não existe, e os meninos não vêm, mas não vêm mesmo, no bico da cegonha.

Para mim, como para milhares de leitores, "O Jumento" é, foi, e será, sempre... "O Jumento", e podem repetir-me dezenas de vezes o nome do seu imaginativo criador que serei incapaz, por mais que o tente, de o fixar, e tenho orgulho neste lapso da minha memória, porque é sinal de que continuo a acreditar que é pelo sonho que vamos, e iremos, ai, prometo que sim :-)

Resta o cavalheiro do jornal, um aprendiz de Avillez, que poderia ter evitado ser aprendiz de avilão. Tem, em sua defesa, o estado de decadência a que chegámos, de incitamento à delação, à carta anónima, ao email vergonhoso, aos comentários ignóbeis e sem rosto, cuja tipologia já um dia abordei, em forma de esboço, enfim, à alma profunda do Socratismo das "Faces Ocultas".
Em nada adiantou, esse pôr-se hoje nos bicos dos pés, do Sr. Avillez, para o bem-estar do cidadão comum.
Melhor do que eu, sabe que os químicos, "contra o bichinho", prolongam a vida, mas todos morreremos, mais tarde, ou mais cedo, num tempo que é demasiado breve, para que insistamos em cultivar o baixo nível. Para isso, basta-nos a Política e os seus soturnos arredores.
Talvez tivesse pensado, num rasgo de coisa equívoca, que estava a recriar os grandes "furos" do inimitável Paulo Portas, dos tempos do "Independente".
Não estava e não chega lá: por mais dinheiro, publicidade e cunhas que tentem empurrar o "i" para a frente, os tempo áureos dessas coisas já passaram, e a sua primeira página, hoje, caro Martim, não foi mais do que um triste solavanco dos muitos sinais de entropia desta "aurea mediocritas" dos Idos de Março, de Portugal acelerado ao fundo.

(A quatro cascos de "Jumento", no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 00:26
27
Jan
10



Imagem do Kaos

Tenho andado relativamente caladinho, porque a Realidade está a rodar a um tal ritmo que me tem custado digerir algumas das últimas efemérides.
A primeira, porque superlativa, refere-se ao Futebol coisa da qual não pesco um corno, embora saiba que passa por recrutamento sistemático de pessoal das barracas, branqueamento de capitais, através da "compra" (?) milionária de suburbanos de meio neurónio, para passarem de Clube em Clube, sem que ninguém perceba bem por quê, nem para quê, exceto para fazer rolar gigantescas massas de dinheiro duvidoso, vindo do tráfico da Droga, dos Corpos e do Plutóno.
Sei que a coisa mete subornos, muitos construtores civis, conúbios entre Câmaras e Mafiosos, circuitos de Putas e de Rapazes, importados clandestinamente, para pagarem favores de cama -- "fruta", como diz o Jorge Nuno, meu amigo de há longos anos -- e que isso vai gerando uma teia de corrupção, de rabos presos, que, geralmente, acaba em tiros pela noite, execuções sumárias e gente que desaparece.
Regra geral, como é preciso arranjar culpados, há um que está sempre de serviço, uns Brunos "Pidás", uns Mários Machados e, claro, o Vale e Azevedo, que está para o Futebol como o "Bibi" está para o "Casa Pia": sempre que há uma bronca, ele é o perseguido e castigado, para os outros poderem continuar em paz, a "trabalhar"

Socialmente, a coisa é mais elementar e catártica, porque é pretexto para que os mal casados espanquem as mulheres, sempre que o favorito perde, e para que se gere a enorme empatia homossexual coletiva, que vai desde os jatos de mijo comparado, dos urinóis públicos do estádio, ao balneário, e aos desejos, sublimados na cerveja, de mamar na picha mole do Cristiano Ronaldo, ou de sonhar apanhar no cu do Figo, coisas tipicamente portuguesas, e, portanto, naturais, daquelas que fazem o solzinho dançar, o país regredir e o casamento procriar.

A semana passada, eu, que não pesco boi de Futebol, acabei por ver, aliás, ouvir... acho que três das tais Escutas do Pinto da Costa.
Aquilo é de muito baixo nível, como os orgasmos da Clara Pinto Correia, os plágios do Miguel Sousa Tavares, ou a bandeira de croché, da Maria de Centro/Esquerda de Boliqueime, mas fez-me ficar, na boca, com um sabor a pouco, porque se aquilo são amostras, então o que seria a ementa completa?...
Isto parece humor, mas não é: ouve-se ali falar de pagamentos com "fruta", equivalente aos "robalos" de Armando Vara, e, para um leigo, como eu, em Futebol, da escolha (!) de árbitros, para condicionarem resultados de jogos, e do célebre currículo à força do execrável Mourinho, agente da Mafia Russa, entre outras preciosidades.

Para mim, cidadão comum, embora diferenciado, aquilo era matéria mais do que suficiente para desmontar a camorra toda, da qual Pinto da Costa é apenas um dos rostos mais reles e conhecidos, e aqui passamos já para um segundo patamar de gravidade: ou aquelas escutas são falsas, ou os tribunais que as impugnaram ou taxaram de "irrelevantes" são espaços duvidosos, não frequentáveis e que nos apavoram sobre a inexistência de um Estado de Direito, a definição de Democracia, e mostram que entre isto e as leis do Haiti pouca variância vai.
A coisa piora, quando nos recordamos que, em Portugal, não se fala de outra coisa senão de Escutas. Das do "Casa Pia", ficou a encenação de curtíssimos minutos, quando queríamos ouvir TUDO, aliás, no estado em que as coisas estão, e depois de ter ouvido o Jorge Nuno ao telefone, mais a sua Carolina Salgado, outra badalhoca, no nível da Maria Elisa, a ser entrevistada, eu, cidadão português, do séc. XXI, reservo-me o direito de ter acesso a todo este tipo de coisas, abafadas debaixo de uma capa sorumbática e lúgubre, chamada "Segredo de Justiça", que já se percebeu que é o nome que se dá à cortina de silêncio debaixo da qual "eles" têm tempo de maquinar e fazer ajustes diretos, para que tudo acabe sempre em... nada.

Lembra-se da "Moderna"?... Lembra-se da "Independente"?... Lembra-se do "Casa Pia"?... Do "Apito Dourado?"... Do "BPN", branqueado por uma boca da servidão, chamada Sónia Sanfona?... Do "Freeport", e das escutas mandadas queimar pelo Bode do Supremo Tribunal de Justiça?... Lembra-se de outras tantas coisas iguais, de que nos vamos esquecendo, no meio do permanente escândalo e perplexidade que nos vão provocando?...
Pois nós queríamos saber tudo, ouvir tudo, e ter o direito de nos pronunciar sobre este pantâno de lama e excrementos em que nos mergulharam.

O Primeiro Ministro Grego confessou que o seu País tinha ido à bancarrota por causa da Corrupção, que é o nome oficial que as coisas que atrás descrevi têm nas sociedades civilizadas.
Acho que ele tem razão, e ainda vou acrescentar algo mais grave: em Portugal, a coisa é muito pior do que na Grécia, e vamos vê-lo muito brevemente.

(Trio da "fruta", no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal" e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 01:04

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO