...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

Posts mais comentados
tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

13
Jul
10
Quem quer que tenha tomado conhecimento do discurso de o do Miguel Macedo sobre o país e o governo e que use um pouco do seu próprio poder de discernimento e dedução em lugar de se deixar perfurar por ranho de marketing político só poderá encontrar nojo e falsidade no seu autor.

Vejamos algumas das suas frases e pesemos as suas palavras com o dito discernimento para podermos separar o trigo do joio e encontrar a falsidade.

«Estão desesperados com as sondagens, com a ideia de perderem o poder, com a iminência de passarem à oposição.» Porque haveriam de estar desesperados, sabendo toda a gente razoavelmente informada que é um facto bem conhecido nenhum governo resistir quando obrigado estabelecer a extremas medidas de austeridade? Nenhum povo perdoa a um governo que durante a sua vigência caia na miséria. Não seria normal se agora acontecesse. É uma norma mundial, contudo bem escondida pelos jornaleiros, desinformadores ignóbeis que de nada servem senão para enganar a população e que portanto, o escondem. Alguém ouviu ou leu algum sobre este assunto? Porque se havia qualquer político desorientar, quando consciente de que assim é? O que nós há muito sabemos por experiência, e muito bem, é que o PSD quase se desfaz em desespero e raiva cada vez que perde o poder – e com ele os tachos, evidentemente. Como obliterá-lo da memória? Quem está uma vez mais a confessar desespero e raiva, senão quem o diz? Quem deve ter vergonha é o Pedro Coelho que mostrou o que lhe vai pela alma, ao revelar traição ao país e à sua população, dificilmente melhor patenteada que na sua entrevista ao jornal espanhol. Pena, que os traidores tenham deixado se ser enforcados. Em lugar de se desculpar, vem agora este pobre sacanório de aldrabão miserável ladrar barbaridades. Veja-se quem diz representar quem o elegeu no parlamento Quanto mais vigarista mais alto é o cargo – infelizmente, está longe de ser o único, é a generalidade.

«É que hoje é mais claro do que nunca os portugueses querem mudar de Governo e acreditam que Pedro Passos Coelho pode liderar uma nova esperança reformista para Portugal.» O que os portugueses querem é viver melhor, como é humanamente compreensível, pelo que se se querem ver livres deste governo, pelas razões conhecidas acima citadas (é um caso da história mundial que sempre se repete), não é de crer que queiram ainda pior, só que não têm uma verdadeira alternativa. Mudarão apenas por quererem mudar.

«Por que é que o primeiro-ministro e os seus acólitos há dois meses elogiavam publicamente Pedro Passos Coelho pelo seu sentido de responsabilidade e agora passam o tempo a criticá-lo?» Há dois meses foi bem antes da traição ao país pelo Coelho. Disso, não há ainda menos que uma semana? Porque não a mencionou? Por causa do cheiro a podridão?

«Passos Coelho devia meter uma moção de censura já e livrar-nos deste primeiro-ministro.» Extrema hipocrisia, pois que sabe perfeitamente qual seria o resultado: falhanço completo. Além disso, também não pode ignorar que nas circunstâncias actuais só serviria para deixar o Coelho ainda mais mal visto. Banha da cobra em estado puro para os esquecidos, os ignorantes os incautos, os lorpas ou os carneiros.

Vejamos agora o que ele não devia ter preterido, mas que o fez por sofisma de encobrir, ou porque aprovava ou porque disso tem esperança a vir a aproveitar-se.

Fala das sondagens, finalmente mais favoráveis ao PSD, mas apenas pelas razões já apontadas, porém escamoteando a maior percentagem nelas exprimida: uma grande maioria não acredita que outro partido tivesse feito ou pudesse fazer melhor que o governo. Certo ou errado, é o que se lê em todas e se ele as referiu, porque o escondeu cinicamente aos lorpas e aos crédulos? Se as mencionou e fosse honesto teria feito uma alusão à única verdadeira maioria que elas revelam. Não convém. Duplicidade, sonsice e hipocrisia são as qualidades que melhor assentam na sua banha da cobra. Como bem constatado em política nacional, quanto mais sacana e vigarista for um político corrupto, melhores as suas possibilidades de se chegar ao topo da carreira de burlão.

O falsário não fala nos € 700 milhões que o governo autorizou a serem desperdiçados em veículos novos para os serviços do estado uns dias antes do anúncio das medidas de austeridade. Espera que também lhe venham a oferecer (roubar para ele) um à nossa conta.

Não fala nem nunca falou no montante múltiplo do anterior, do que é roubado aos cidadãos que pagam impostos para pagar ordenados – e sobretudo infindáveis alcavalas e privilégios injustificados à máfia política, cuja lei para engrandecer esses roubos ele tentou aprovar em conjunto com os outros. Não lhe convém.

Não acusou o governo por não ter baixado os ganhos injustificados – por desapropriados e desproporcionados em relação à média nacional – aos mesmos bandos de ladrões políticos e outros mamões parasitas. Também não lhe convém. Nem tampouco por não ter reduzido os ganhos aos mesmos como outros países assolados pela mesma crise o fizeram, em 25%. Ladrão. Nem na afronta e de gozo do Coelho à população com a sua proposta ridícula de 5% de redução à mesma cambada.

Não acusou o governo por não ter aumentado as vagas para medicina, logo ao início do seu mandato a fim de provir à falta de médicos provocada pela decisão do Cavaco, nem o último governo do seu partido por ter voluntariamente mantido a continuidade da situação em lugar de reduzi-las, contribuindo todos para um literal assassínio da população.

Não acusou o governo por nenhuma das medidas tomadas que revoltaram toda a população e denunciadas nos blogs do autor [1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 , 8 e tantos mais], que foram muitas e muito reclamadas. Em suma, não acusou o governo do que fez do sistema educativo, da Segurança Social, dos serviços de saúde, nem por nenhum dos seus verdadeiros crimes anti-sociais dos primeiros anos. Porquê? Talvez por terem feito pior.

Contou sem dúvida com a amnésia nacional duma carneirada sem capacidade para se recordar e reflectir, que emprenha pelas orelhas, lambe os bicos das botas que os vendedores de banha da cobra lhe espetam no traseiro, dócil e que tudo aceita. Consequência da sistemática desinformação levada a efeito em contínuo por uma jornaleirada de meliantes em conluio com os corruptos que encobre e que só nos conta feitos sem interesse, mas empolados e que eles encenam como no cinema.

Mistura o infame o que se sabe com os seus perjuros. Ou seja, a verdade com a mentira, tapando aqui, descobrindo ali, segundo a conveniência pesaoal ou partidária, que é como a aldrabice melhor passa quando ouvida pela maioria de incautos.

Nesta conjuntura, o pior dos males para o país nem é o que o governo tem destruído e que não tem sido pouco. O maior mal, de longe, é actualmente a alternativa ser ainda pior. Os partidos, organizados em oligarquias mafiosas, não têm qualquer interesse de melhorar a vida de todos os portugueses. Todos berram que sim, mas pelo que vemos o seu único interesse é o de sacarem o mais que puderem para eles mesmos e cavar o fosso entre ricos e pobres. A carneirada tudo aceita, até elegendo aquele que a atirou para a cloaca actual, o próprio responsável por estar à frente do governo que o fez: o Cavaco.

Todavia, devido à incapacidade, à incompetência e à ganância maliciosa e desorientada assumida pelo PSD, não é impensável que se forme uma frente popular contra os neo-liberais. O governo do Sócrates tem sido a desgraça descrita nos artigos dos links acima enumerados, mas de certo, o PSD, na sua actualidade, em que virou de caminho, seria ainda pior desgraça para o país. Falta-nos um partido verdadeiramente central e que desapareceu de Portugal com essa viragem e que provocou, também, a tendência do PS para o neo-liberalismo. Pobre país que nem tem alternativa digna desse nome.

Jamais esquecer, porém, que se não a tem é porque com o povo de carneiros se cumpre exactamente o diz o velho ditado: «cada povo tem o governo que merece». Por isso, aguentem e calem.



Este e outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).

publicado por TC às 10:25
13
Jan
10
Para quem continua a acreditar nas carradas de patranhas e histórias inventadas pela jornaleirada imunda, no puro sentido de desinformar, pois que feitos de relevo para o conhecimento geral da população são preteridos como método, vejam-se as informações existentes na Internet sobre a verdade acerca da selvajaria castelhana.

Não se suponha que aquele povo, de sentimentos selvagem se civilizou assim tanto desde a altura em que desventravam as mães americanas e rebentavam os crânios dos seus recém-nascidos contra os rochedos, espalhando-lhes os cérebros pelas pedras. Abrirem uma pessoa viva à espada era acto comum, tanto como queimá-los ou desmembrá-los também vivos.

Actualmente, continuam a honrar os assassinos máximos da sua raça, a venerá-los e a comemorá-los. Continuam convencidos de que essas acções eram boas práticas, pelo menos se feitas por eles. Isto está comprovado pelas suas diversas atitudes. Nunca reconheceram nem reconhecem a sua malvadez genética, pois que até hoje jamais pediram perdão aos descendentes das suas vítimas. E não foram poucas. Pelas contas mais modestas, algumas da época dos genocídios, estima-se que estes exterminadores assassinaram mais de 80 milhões de seres humanos, apenas para lhes roubarem os seus haveres, as suas terras e o seu dinheiro. O método usado não foi, porém, o dos ladrões vulgares, mas da mais requintada malvadez sem igual na história da humanidade. Este último facto é de certo o mais importante, aquele que nos confirma que a malvadez desse povo não tem igual.

O número de assassinados é de longe, muito longe, o maior de todos os morticínios jamais perpetrados por seres humanos contra seres humanos. É 4 vezes o número dos mortos em cada uma das duas guerras mundiais. É 12 vezes superior ao número de judeus e ciganos exterminados pelos nazis. Não se compreende, pois, que todo o mundo tanto lamente estes mortos e despreze por completo os actos que eclipsam qualquer outro na História da Humanidade. Estamos, pois, em face do acto mais selvagem e bárbaro mundial de todas as épocas, desde que a história existe.

A realidade, porém, não termina aqui. Pensar que este povo se civilizou com o decorrer dos tempos é pura ingenuidade, ignorância devida à desinformação. Tanto se tem falado contra o povo alemão, um povo verdadeiramente heróico, com bons costumes humanos, respeitador e religioso sem beatices, trabalhador. Teve um mau chefe e matou uma grande quantidade de parasitas, esquecendo-se completamente que estes também eram seres humanos e tinham direito a viver como eles. Foi o seu único erro e que durou pouco mais que uma meia dúzia de anos.

A não esquecer que a Alemanha vivia numa miséria que lhe tinha sido imposta por uma enorme dívida sobre a guerra anterior e que esse povo, por ser trabalhador, não suporta a miséria. Não suportou a que lhe foi imposta e quando alguém surgiu que os tirou da miséria, eles aceitaram as suas ideias. No entanto, os castelhanos não assassinaram outros povos durante apenas meia dúzia de anos e tampouco se contentaram com uns meros milhões. Os nazis abusaram fazendo experiências científicas sobre os seus prisioneiros; os castelhanos experimentavam quanta dor aguentava um ser humano quando o estripavam, por exemplo. Que diferença, até na maldade.

É este o povo castelhano. Continua a ser.

Hoje, os canalhas jornaleiros da desinformação escondem-nos que em Espanha se mantêm presos num estado incomunicável, que lhes é proibido comunicarem com advogados, pelo que estes, quando se apresentam no julgamento nem conhecem ao certo o caso nem a própria pessoa que vão defender. É esta a realidade actual nesse país de malditos. A tortura é praticada sempre que o governo assim o decide. É esta a realidade actual nesse país de malditos.

Em 1984, numa convenção internacional das Nações Unidas patrocinada pela Amnistia Internacional, Portugal, entre 144 países (número que cresceu desde então), acordaram e mais tarde ratificaram o compromisso de não repatriar presos para países onde existissem casos de tortura, de cuja lista a Espanha faz parte e que Portugal também assinou. Esses estados são considerados como criminosos. O acordo é oficialmente conhecido como «Convenção das Nações Unidas Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanas e Degradantes, adoptada em 1984 por assinatura e ratificação, após longas campanhas realizadas pela Amnistia Internacional e outras organizações.» Até à data, Portugal honrou esse acordo. (Exemplo) Seguem-se algumas notas sobre esse acordo.

A sua adopção contribuiu para tratados regionais, proibindo a tortura, e conseguiu fazer com que esta fosse incluída como crime de guerra e contra a Humanidade no Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.

O Comité contra a Tortura analisa regularmente relatórios dos Estados-membros sobre a implementação da Convenção - fazendo pareceres e recomendações a Estados sobre formas de prevenção e punição de acções de tortura e de como compensar as suas vítimas.

Isso exige de cada Estado aderente "adoptar medidas legislativas, administrativas, judiciais ou outras efectivas para a prevenção da tortura"; e deixa claro que "nenhuma circunstância excepcional, qualquer que seja, quer se trate de Estado de guerra ou de ameaça de guerra, de instabilidade política ou de qualquer outro estado de excepção, poderá ser invocada para justificar a tortura"(Artigo2)

O Artigo 3 proíbe o repatriamento (refoulement) de qualquer pessoa para um lugar onde ele ou ela fiquem em risco de sofrer tortura e o Artigo 4 requer que todos os actos de tortura sejam definidos como crime.

Até hoje, 56 Estados assinaram este Protocolo e 34 ratificaram-no ou acederam a ele. O Protocolo mandata peritos internacionais independentes levar a cabo visitas regulares a locais de detenção nos Estados que assinaram o documento, e requer a estes a adopção de mecanismos nacionais de condução de visitas a lugares de detenção, assim como a cooperação com peritos internacionais.
Evidentemente, a Espanha não assinou este protocolo.

Em Espanha, numa tentativa de reduzir o descontentamento sobre a colonização basca, os nacionalistas são mantidos sob prisão por tempo indeterminado. Presentemente, são quase 800. Há menos de quatro anos eram cerca de 500.

Os sites da Amnistia Internacional e da Human Rights Watch cotêm muitos casos sobre a actual selvajaria castelhana. Todavia, quando existentes, as traduções para português escasseiam... Na Amnistia Internacional, o site tem um outro URL e é mantido por portugueses. Ao que parece, estes escamoteiam os casos relatados, pelo que as buscas dever ser efectuadas em inglês, onde se encontra o conteúdo completo.

Na Internet não faltam alusões, menções nem relatos sobre a barbárie castelhana. Querendo poupar tempo em buscas – aliás fáceis – ao fundo desta página encontram-se alguns links directos para alguns dos muitos existentes.

Remarcável que à excepção dos portugueses nenhum documento encontrado considera a Espanha como uma democracia. Os pobres diabos portugueses, que também não têm uma democracia nem sabem o que é, continuam a emprenhar pelos ouvidos.

Repete-se. Portugal tem honrado o acordo que assinou e que inclui a exclusão de expatriação de presos para países que pratiquem a tortura, etc., tal como nos extractos atrás. Contudo, se agora, quebrando as regras e indo contra esta constituição fantoche e acordos internacionais das Nações Unidas e da Amnistia Internacional, o Sócrates, acusado pela Human Rights Watch como traidor dos Direitos Humanos, resolver entregar os infractores da lei nacional à selvajaria da tortura castelhana, tal como se conhece, indubitavelmente nenhum paspalho nacional terá algo entre as pernas que o faça reclamar. Pobre povo de castrados mentais.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Para quem possa cogitar e julgar encontrar motivos para que lhe permitam deduzir que o autor desta compilação possa ser movido apenas por sentimentos anti-castelhanos, aqui fica o esclarecimento.

1. Tudo o que é apresentado sobre este assunto limita-se à compilação de artigos e tópicos publicados na Internet e ao alcance de todos, de autores de idoneidade comprovada, alguns dos quais ensinam o que escreveram em universidades. Não foi por esquecimento ou por obliteração deliberada que não foram compilados outras opiniões ou artigos que testemunhem que os actos relatados não foram perpetrados sem maldade. Simplesmente, após procura, chegou-se à conclusão de que não existem testemunhos neste sentido. Porém, qualquer pessoa tem a possibilidade de fazer buscas e se algo encontrar agradece-se a informação. Não se verificando qualquer contrariedade ao que aqui foi compilado, é-se obrigado a concluir que o restante é certo. Afinal, é o que nos contam os manuais de história e o monge missionário Dominicano Frei Bartolomeu, bispo de Chiapas, que assistiu aos principais acontecimentos.

2. Na eventualidade de se querer imputar um acentuado sentimento anti-castelhano, este seria absolutamente legítimo e justificado, tanto pelos registos históricos, como pela continuidade do comportamento dessa raça maldita através de todo o tempo da sua existência. Constam ainda nesses registos os mais horrendos tribunais da Inquisição, que reservaram um lugar eterno ao Grande Inquisidor Geral Tomás de Torquemada – um herói castelhano no seu tempo – um sanguinário que torturava e matava mouros, judeus e hereges a fim de lhes sacar as suas possessões que iam direitinhas para os cofres do Reis Católicos, Fernando de Aragão e Isabel de Castela, que na altura viviam numa semi-miséria sem dinheiro para aquecerem os seus castelos no Inverno. Esse povo continua e persiste sem se desviar dos princípios humanitários dos Direitos Humanos e teima em querer dominar os outros ilegitimamente e contra os princípios mundiais, como com os Bascos, que tem massacrado durante séculos. Numa continuidade do seu passado.


Outros posts sobre o assunto ou relacionados:
Terrorismo
A Barbárie Castelhana
Sócrates Acusado de Traidor
pela Human Rights Watch

O Iberista Traidor Contra a
Amnistia Internacional



Leitura oficial de referência

Biografia do Grande Inquisidor Geral Tomás de Torquemada na Wikipedia.
Em Português.
Em Inglês, muito mais completa, com cerca do dobro das páginas da edição portuguesa.

Página com vários links.


Dos sites da Human Rights Watch e da Amnistia Internacional:

A HRW recomenda à ONU um observador para os abusos nas medidas contra-terrorismo em vários países, incluindo Espanha.

Lista de medidas contra-terrorismo em Espanha que violam os Direitos Humanos segundo a HRW e descrição.

“Espanha tem uma longa história de violência política”;
A justiça criminal foi moldada para oprimir os bascos;
Fecho de jornal basco e prisão dos jornalistas;
Anti-terrorismo selvagem provocou mais violência;
Falsas desculpas das autoridades espanholas
Negação de assistência jurídica aos bascos e “incommunicado”;
Discriminação dos bascos perante a justiça.


Espanha: Adicionando o Insulto à Injúria

Portugal e a Espanha são presentemente os únicos países da União Europeia que violam os Direitos Humanos.

Os animais dos pedantes iletrados dos jornaleiros portugueses escondem todos estes factos. Esta vara de porcos tem mantido a população desinformada. Durante o Estado Novo, mesmo com a crítica, o povo estava muito mais informado que hoje por esta canalha de animais imundos. A liberdade de que gozam, afinal, é apenas em nosso prejuízo. Referindo-nos apenas a este ponto e vistos os resultados (que é o que conta), estávamos melhor quando eles não eram livres. Inacreditável.


Este e outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).


publicado por TC às 14:01
11
Jan
10
Ainda hoje, os mais celebrados heróis franceses modernos são aqueles que lutaram contra a ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial, fazendo rebentar bombas por tudo quanto era lado onde estivessem alemães e matá-los. Em Espanha, aos heróis da resistência basca chamam terroristas.

Os heróis da resistência francesa têm sido frequentemente objecto das maiores homenagens ao mais alto nível nacional.

Difícil de acreditar em tão monstruosa maldade e falsidade quando o governo central espanhol, terrorista e opressor, afirma que quer a paz, ou não fosse o próprio povo castelhano o herdeiro das maiores selvajarias, torturas e genocídios mundiais. Se essa descomunal mentira fosse verdade, seria bem fácil de obter a paz, pois que para tanto bastaria conceder a independência ao país que colonizam impunemente. Não seria qualquer favor, mas apenas no cumprimento da Carta das Nações Unidas (Cap. I, Art°. 1, nº 2, assim como noutros lugares) e das normas de todas organizações defensoras dos Direitos Humanos.

Disse o falso do primeiro-ministro castelhano que ia acabar com a ETA. Esta afirmação acrescenta o epitáfio de louco à sua personalidade. Já provou a sua esperteza canalha noutras alturas e com essa demonstrou a sua baixa capacidade de compreensão, a sua falta de inteligência. Ao longo da história não faltam exemplos do contrário, sendo os mais recentes os constatados em Timor, na Palestina ou no Kosovo, onde povos dominados de modo idêntico ao que os bascos sofrem, lutaram pela liberdade ou morte. Sem excepção, observamos que a um aumento de opressão corresponde um aumento de resistência agressiva. É absolutamente lógico que os filhos, vendo como os pais são tratados pelos opressores se tornarão mais revoltados e agressivos do que os próprios pais. Está na natureza humana e não resta a provar. Daí, a afirmação pelo cobarde do castelhano só poderá originar risota por tanta estupidez revelada, ainda que promovida por intrínseca iniquidade. Só passará despercebido a interessados ou estultos.

De acordo com a Carta das Nações Unidas que os malvados castelhanos assinaram, Todos os povos têm direito à autodeterminação. Se esgotadas todas as tentativas pacíficas, esta lhes continuar a ser negada, têm ainda o direito em a exigir seja por que modo for.

Em tudo isto, o povo castelhano não está isento de responsabilidade. O único modo possível de obter a paz e a tranquilidade é conceder a liberdade de direito ao povo colonizado. Não há outro caminho nem alternativa para a paz. Todos os acordos quebrados pelos governos castelhanos o têm provado.

Quando se conhece a populaça estúpida castelhana, que em lugar de se manifestar exigindo do governo essa única solução, se manifesta contra os próprios oprimidos, não podemos deixar de nos recordar dos crimes sanguinários cometidos pelos avós desse mesmo povo maldito. Aquele que mais selvaticamente se comportou ao cimo da terra, duma malvadez incrível, tal como descrita por um dos seus missionários, o Dominicano sevilhano Frei Bartolomé de las Casas, mais tarde bispo de Chiapas, no México, testemunha ocular das inimagináveis torturas e carnificinas por eles perpetradas.

Os incrédulos, os enganados, os desinformados e todos aqueles que desejem tomar conhecimento sólido da verdade deveriam ler as suas crónicas traduzidas em várias línguas e publicadas num grande número de países menos em Espanha. A mais conhecida é decerto aquela que ele intitulou Brevísima Relación de la Destrucción de las Indias. Os crimes relatados e cometidos pela população normal e pessoal dos colonos atingem as raias do inconcebível de tão hediondos. Só lendo-a e conhecendo o renome da honorabilidade do autor nos podemos convencer.

As demonstrações populares a que assistimos presentemente contra os bascos, por parte dos castelhanos são efectuadas pelos descendentes directos dessa raça de malvados. Segundo as instituições humanitárias mundialmente acreditadas, a tortura e incomunicabilidade continuam a ser a regra nesse país de selvagens.

Morte aos malvados! Pelo comportamento dos governos castelhanos, adivinha-se que será infelizmente necessário matar muitos mais até que a iniquidade compreenda e ceda à razão. Em lugar de se celebrarem e honrarem os resistentes como a França fez (e faz) aos seus. A violência dos bascos que se verificou em Barcelona é condenável por os catalães terem também sido conquistados e subjugados pelos mesmos castelhanos. Todavia, sempre que dirigida ao opressor ou aos seus tentáculos é um acto lícito, visto todos os outros terem sido frustrados pela malignidade castelhana. «As causas conduzem à violência, por os poderosos não as quererem resolver e não estarem interessados em fazer cedências.»

Querendo, pode consultar-se uma página com alguns extractos, factos históricos, nomes do principais heróis da perversidade e crueldade e, sobretudo, links para a crónica acima citada, textos, testemunhos, biografia do missionário, etc., clicando aqui.

Facto altamente significativo, a raça de malditos continua a venerar e tratar por heróis os maiores criminosos da humanidade, em lugar de pedirem perdão aos descendentes daqueles a quem assassinaram, que trucidaram e dos recém nascidos a quem rebentaram com a cabeça contra os rochedos.


Em Portugal, a cambada de jornaleiros da desinformação não conta os acontecimentos nem informa imparcialmente. Com efeito, foram eles que conjuntamente com a corrupção política formaram o povo mais mentalmente e monetariamente atrasado da Europa. Para o encobrir passam o tempo a impingir um sentido de orgulho pelos mais baixos valores após terem destruído os do género que educaram, instruíram e levantaram os povos dos outros países. Os portugueses sofrem a miséria humana que de todas as formas lhes foram infligidas por essas duas variantes de ralé e como lhes sugaram a inteligência, tais como: o mais baixo nível de instrução da União Europeia e o maior número de iletrados e incapazes de pensar por eles mesmos, deixando-lhes apenas esperteza para a malandrice, os piores sistemas de saúde e de segurança social, etc. Os embrutecidos por este sistema agradecem com reconhecimento.

Se agora, quebrando as regras e indo contra esta constituição fantoche e acordos internacionais das Nações Unidas e da Amnistia Internacional, entregarem os infractores da lei nacional à selvajaria da tortura castelhana, tal como se conhece indubitavelmente, nenhum paspalho nacional terá algo entre as pernas que o faça reclamar. Pobre povo de castrados mentais.

De notar: tal como anteriormente mencionado sobre as polícias, a GNR mostrou mais uma vez a sua incapacidade desatando aos tiros como tarados. Não serão tarados, mas a falta de treino moderno e adequado e o abandono a que todos os governos os têm votado, fizeram deles o que se vê. Por isso que as armas lhes deveriam ser tiradas até que as ensinem a não só como usá-las, mas mais ainda, a como se comportarem no exercício das suas funções. No estado actual nem tampouco se lhes pode esperar eficiência profissional. Para nada serve uma polícia assim, a não ser para cometer selvajarias, fazer disparates e incapacidade profissional. Nada disto fará baixar o nível de criminalidade, pelo contrário. Agora até têm seguranças para os guardar! Isto não diz nada a ninguém?

Outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).


publicado por TC às 22:28

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO