...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

tags

todas as tags

Pesquisa personalizada

11
Jun
10
Que é isto?
Eduardo Catroga? Não me é estranho este nome...
publicado por TC às 20:32
11
Mai
10

Ex-governante ganha 14 mil euros na ERSE

O ex-secretário de Estado da Administração Interna e da Agricultura no primeiro Governo de José Sócrates vai ganhar um salário mensal bruto de 14 198 euros como vogal da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos – ERSE. Com a nomeação de Ascenso Simões para este cargo pelo Executivo na passada quinta-feira, este é o segundo socialista próximo de Sócrates a ser colocado num organismo regulador desde Novembro de 2009.
Ascenso Simões era membro do secretariado nacional do PS. O salário de cada vogal da ERSE corresponde, segundo esta entidade reguladora, "a 85 por cento do vencimento do presidente da ERSE, sendo actualmente de 14 198 euros". Já o líder da ERSE, Vítor Santos, secretário de Estado no tempo de António Guterres, ganha 16 704 euros por mês. Em Novembro de 2009, Filipe Baptista, então chefe de gabinete de Sócrates, foi nomeado vogal da ANACOM, com salário de 14 198 euros.
In C.M.
publicado por TC às 10:50
18
Mar
10
Privilegios_Intocaveis                                                                   
publicado por TC às 22:53
16
Nov
09
De Sócrates a Maquiavel
Por Rui Tavares

Não; o primeiro-ministro não é um cidadão comum.
Faz todo o sentido que tenha - no exercício do seu cargo - certos privilégios que os cidadãos comuns não têm. Por isso, ele deve também obrigar-se a certas reservas que os cidadãos comuns não precisam de respeitar. E apenas parte disto está escrito na lei.
José Sócrates foi avisado. Por exemplo, quando processou jornalistas por textos que ele considerava caluniosos. Na altura, a reacção de José Sócrates (persuasiva para alguns dos seus apoiantes) foi: terei eu menos direitos do que o cidadão comum? Não poderei eu processar um cronista que me insulta? Onde está a lei que me veda esse direito?
Em lado nenhum, escrevi eu na altura. É o primeiro-ministro que deve vedar-se a si mesmo esse direito. Desde logo, porque o cronista não o pode processar a ele e porque, mesmo se o pudesse fazer, a assimetria de poder seria sempre gritante. O primeiro-ministro deve ser parcimonioso no uso do seu poder retaliatório contra um cidadão qualquer.
José Sócrates pergunta agora: como é possível que eu tenha sido escutado? Não devem os titulares dos órgãos de soberania estar protegidos por disposições especiais? Não estará isto a ir longe de mais?
A primeira resposta é: aha! O primeiro-ministro não pode querer ser uma pessoa normal (para processar jornalistas) e uma pessoa especial (para ter regras privilegiadas em escutas) ao mesmo tempo. Isso não está na lei, mas está na moral da República; ao contrário das antigas monarquias, a República não dá privilégios gratuitos; com esses privilégios tem de vir uma reserva especial de comportamento, quer ela esteja descrita na lei ou não.
Mas a segunda resposta é: as escutas ao primeiro-ministro devem, sim, ter regras especiais. Ele, enquanto decisor, tem informação privilegiada que deve ser protegida.
As escutas que têm inquietado o país, porém, não são escutas a José Sócrates; são escutas com José Sócrates - escutas nas quais ele aparece. E é fútil argumentar que se as escutas forem inválidas nós devemos fingir que elas não existem. A mente pública não funciona com essa rigidez processualista.
Ao não ter tido a reserva que deveria no momento próprio, José Sócrates passou a imagem de alguém obcecado com a imprensa. E agora estas notícias parecem fazer sentido, muito azar para ele e para todos nós. É grave imaginar que Sócrates tenha conversado sobre um grupo de imprensa com um amigo banqueiro, que tinha nas mãos a torneira do dinheiro que poderia salvar ou não salvar esse grupo de imprensa. É inquietante imaginar que ele soubesse da tentativa de compra de outro grupo de imprensa em Março, quando muitos de nós (eu incluído) o tomámos ao pé da letra quando ele em Junho nos disse que não sabia. E é mais grave e inquietante ainda que sejam notícias baseadas em escutas que não conhecemos, e cuja credibilidade não podemos aferir.
Maquiavel, na Florença do Renascimento, explicou-nos como um governante pode mentir em caso de necessidade.
publicado por TC às 13:57
12
Nov
09
Cliquem no título para verem a notícia

Estradas de Portugal "perdoou" 230 milhões a concessionária da auto-estrada transmontana - Parece que se ganham (Soares da Costa) concursos com uns pressupostos e depois afinal NADA.

Face Oculta: juízes estranham conhecimento antecipado de acórdão - Será que o Godinho disse ao Vara que era vitorioso antes de se saber a sentença??? SERÁ???

Polícias estão a ser avaliados pelo número de multas passadas - NÃÃÃOOOOO...

publicado por TC às 10:36
08
Nov
09
Vejam.
Armando Vara, melhor, o Dr. Armando Vara, um turbo-licenciado à pressa na Independente (apenas 2 dias antes de assumir a direcção na CGD) no mesmo tempo de Sócrates, pede a "suspenção" do seu mandato (e não a suspensão)!
publicado por TC às 12:28
27
Jun
09
O último post do Arrebenta merece uma menção especial pela sua objectividade que o caracteriza. É o que Por isso que este post, inicialmente um comentário, foi para aqui transferido com ligeiras modificações para o enquadrarem no novo local e apagado onde se encontrava.

Cuidado com as simpatias políticas, não são de fiar. Assim como o partido do Sócrates não é o partido socialista, como diz o post, também o PSD de hoje se afastou das ideias sociais do tempo longínquo em que foram os PSDs dos três países dos Vikings que financiaram o PS português, viabilizando a sua implantação no nosso país. Facilmente se conclui que nessa altura ambos faziam parte da mesma família socialista. Admira também – mesmo com a má memória dos portugueses, que estes rapidamente se esqueçam de quem os lixa e logo voltam neles de novo – que ninguém mais fale nos roubos da quadrilha cavaquista aquando de primeiro-ministro e roubou e rebentou com os fundos europeus do modo que muitos ainda se recordarão, do mar de novos-ricos que apareceram do nada, deixando o país preparado para chegar onde chegou. A razão da falta de médicos e do estado do sistema de saúde. Tudo esquece o povo alarve. Só tem garganta para repetir o que as máquinas de propaganda política lhe impingem, aquilo com que os emprenham pelos ouvidos. Até o blog do Arrebenta sobre o Cavaco se calou.

Não há inocentes entre os políticos, mas apenas mais ou menos culpados da desgraça actual. As excepções são numa proporção àquele observada no parlamento aquando da votação da lei do financiamento dos partidos: menos de 0,4%! Para conhecer a mentalidade desmiolada nacional basta ouvir os políticos e discorrer, não sobre o sentido do que dizem, frequentemente vazio, mas em que sentido querem que a parvalheira nacional seja ludibriada. Por exemplo, se reflectirmos bem ao ouvir a Manela Leiteira facilmente chegaremos à conclusão do desespero do seu partido em colocar os seus militantes em lugares estratégicos para poderem roubar à grande e que ela, afinal, consegue ser ainda pior que o próprio Sócrates. Como diz o velho ditado: que venha o diabo e escolha. Com efeito, os partidos estão minados pela corrupção e conduziram o país ao estado calamitoso em que se encontra. Nem foi mais nada, cada um a seu modo e por seu turno.

Vejam-se alguns factos. O PSD é o autor incontestável de todos os projectos de grandes obras que o Sócrates seguiu e em que a Manela foi a principal colaboradora. Foram anunciados em alto e bom som quando o partido estava no governo. Agora recusa-os todos, porque se o governo segue as suas próprias ideias, como vai a sua máfia oligárquica fazer oposição? Vira-casacas ou falsidade? Ou ambos comportamentos? Podemos confiar em gentalha assim para nos governar? Outro ponto é o modo como o Cagão Feliz quer acabar com a Segurança Social, universal e solidário e fazer uma para ricos e outra para menos ricos e pobres. Os ricos deixariam mesmo de descontar para a Seg. Soc. Diz o vigarista que é assim que se faz nos outros países europeus. Mente com todas as dentolas que tem na comua. Um outro sistema existe, mas não como ele falseia.

Sobre as obras em questão, a polémica que surgiu é enganadora e estúpida, cada um puxando a brasa à sua sardinha. A afirmação de que as obras produzem riqueza é incontestável. Não se trata de saber se sim ou se não, é mundialmente reconhecido que sim, donde qualquer opinião em contrário só pode ser por ignorância, se afirmada por políticos será de má fé. Agora, o exagero descomunal de construir linhas de comboio a alta velocidade, absolutamente desnecessárias e despropositadas, que para nada servem o país nem a população, como a ideia idiota do PSD logo seguida pelos não menos idiota PS, isso já é outra coisa. Produz riqueza, sem dúvida, mas apenas no momento da obra, em que pões centenas de empresas a trabalhar, gerando enorme número de emprego, mas a seguir à riqueza de pouca duração vêm perdas descomunais, proprocionais ao investimento. Que bando de alarves orgulhosos das suas bestialidades! Investimentos, sim, mas em obras necessárias ao desenvolvimento futuro do país, que não faltam.

Não há, nem jamais haverá, solução enquanto não se domarem esses animais gananciosos e ladrões. Reconheçamos que dos países europeus (mais próximos e com quem nos queremos assemelhar) quanto maior o domínio da população sobre os políticos, maior a democracia e melhor eles vivem. A maioria da jornaleirada tenta enganar-nos e praticamente só nos enfiam pelos olhos comparações com a outra estrumeira nossa vizinha. Não pode haver opinião divergente.

É nessa base de controlo político que está o mal português e nada mudará enquanto se andar “beating around the bush”. Comece-se por impedir o assalto dos políticos aos cargos públicos a cada mudança de governo e para todas as outras funções públicas e importantes que nada tenham a ver com política. Encurralem-se esses animais no seu redil. Sem isto qualquer voto é inútil e serve apenas para substituir uma máfia oligárquica por outra máfia oligárquica. Não existe outro caminho para que o Arrebenta ou alguém mais alcance a realização dos desejos que formula no seu post.

Será talvez uma esperança vã, ao lermos os primeiros comentários ao seu post, os dois primeiros justos mas mal colocados por fora de sítio; depois o do anónimo, que nos mostra a sua mioleira tão bem como se a tivesse espalhado pelo chão à nossa frente.
publicado por TC às 16:37
09
Ago
08
Votar não define democracia. Justiça social, sim, porque é ela que permite a existência da igualdade ou que para ela mais contribui.

Uma ditadura com justiça social é mais democrática que uma dita democracia onde se promovem as diferenças e os privilégios de todo o género, como em Portugal. Contudo, ainda há quem – parvamente ludibriado pelo marketing banha da cobra dos que com isso ganham – acredite que Portugal é uma democracia. No estado actual nem uma democracia podre é.
publicado por TC às 14:41
06
Jun
08
Este Governo continua a manter a pouca vergonha de permitir os compadrios, os tachos familiares e os " jobs for boys " ou seja a criar e a lançar concursos onde todas as manobras são permitidas, é o caso do agora promulgado, Regulamento de recrutamento e selecção de trabalhadores para o mapa único de contratação dos serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Regulamentos deste género, são feitos por medida para os "Boys", afilhados, primos e enteados... enfim mais do mesmo!
publicado por TC às 01:31

links

Ganha dinheiro na Net

L-Image-4_1-216x54

tags

todas as tags

blogs SAPO