Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Jardim da Celeste

...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

O Jardim da Celeste

29
Nov07

Os políticos querem ser respeitados, mas...

TC
Todo o ser merece respeito, mas numa instituição ou grupo social, os chefes têm o privilégio de verem acatadas as suas decisões, tomadas segundo as normas em vigor e explicadas aos que as devem executar, depois de terem beneficiado de melhoramentos provenientes da participação dos colaboradores. Nestas condições, situam-se os detentores de cargos públicos e políticos, pelas consequências das suas determinações num vasto número de cidadãos.

Mas, para serem respeitados, têm que «dar-se ao respeito», evitando resguardar-se com o ditado «ouçam o que eu digo mas não olhem para o que faço».

É notório o espírito que preside aos discursos dos políticos e que traduz uma convicção arrogante de que só eles são inteligentes e todos os cidadãos são carentes de cérebro. Pura ilusão porque, para se candidatarem a eleições ou a nomeações, não são obrigados a apresentar prova de alto grau de quociente de inteligência

Mas o mais chocante é a falta de respeito entre os seus pares, também merecedores de respeito institucional. São exemplos desses despautérios os casos referidos em duas notícias de hoje. Alberto João Jardim é de opinião de que o Tribunal Constitucional deve ser extinto, porque rejeitou o pedido de fiscalização sucessiva da inconstitucionalidade do Orçamento do Estado 2007, suscitada pela Assembleia Legislativa Madeirense. O chefe do Governo regional considera que a Madeira está a ser objecto de "terrorismo de Estado em matéria de aplicação constitucional".

Outro exemplo vem do ministro da Saúde, Correia de Campos, que ontem no Parlamento contestou as conclusões do relatório do Tribunal de Contas (TC) sobre a contabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), afirmando que aquela instituição "não está abrangida pelo dogma da infalibilidade" e que o documento parte de pressupostos "que não têm adesão à realidade". Será o Sr. ministro é infalível? E será que as decisões tomadas pelo Sr. ministro têm esse realismo? Antes ou de depois dos vários recuos que se viu obrigado a fazer perante a discordância das autarquias e dos populares acerca das medidas que tomou, quanto a maternidades , urgências, centros de saúde, etc?

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

TACHOS E CUNHAS

PETIÇÕES

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D