Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Jardim da Celeste

...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...

O Jardim da Celeste

30
Jun09

Justiça muito lenta

TC
Transcrição de artigo do Global Notícias de hoje

A Lentidão da nossa Justiça
Por Filomena Martins, Directora-adjunta do DN

Por mais argumentos abonatórios que se apresentem, há um facto indesmentível: o caso Madoff, envolvendo muitos milhões em burlas e vítimas e todo o mundo, foi investigado e julgado em oito meses.

Por cá, o Freeport esteve quatro anos parado no Montijo e Leva mais dois com este PGR e só agora tem os primeiros arguidos;
O da Operação Furacão já não há memória dos primeiros suspeitos;
O julgamento do processo de pedofilia da Casa Pia, nascido em 20032, está por marcar;
Isto para não falar de Camarate;
Ou mesmo com o Apito Dourado que ainda dura (em Itália sabe-se como terminou, em apenas dois anos, um processo semelhante).

A lentidão é uma doença crónica da justiça portuguesa. Para a qual nenhum Governo encontrou cura. Pior nem sequer investiu nela.

Filomena Martins

NOTA: Além da brevidade da Justiça americana, é de salientar a sua independência, não se curvando perante o poder económico/financeiro, político ou outros. Lá não há, como cá, tanta imunidade e impunidade na camada mais favorecida da sociedade.

Por cá, as aparências dão oportunidades para poder dizer-se que quem faz a Justiça são os advogados, os quais, explorando os meandros da legislação, entravam o andamento dos processos, levando ao seu arquivamento, à prescrição ou a sentenças benévolas com pena suspensa.

Enquanto na América, Bernard Madoff foi condenado a 150 anos de prisão, após oito meses de processo, o que segundo a Casa Branca serve de forte exemplo para casos semelhantes, ficamos sem saber o que irá acontecer, cá, aos implicados no BCP, no BPN , no BPP e a muitos suspeitos de abusarem do dinheiro público, como Felgueiras, Isaltino, Ferreira Torres, Valentim, administradores da Gebalis, etc.

A legislação tolhe os juízes, porque foi preparada para apoiar criminosos, corruptos, em desfavor das vítimas e do prestígio da própria Justiça. A deficiente elaboração da legislação reveste-se de tal gravidade que o PR, apesar da sua parcimónia, sensatez e cuidado na emissão de opinião, já alertou para a necessidade de mais cuidado na preparação das leis.

Se a legislação favorece os transgressores e inimigos da sociedade, fica a interrogação: porque será que os políticos estão a apoiá-los com a sua conivência e cumplicidade, no acto de legislar? Sobre isto, encontram-se em vários blogs, nos posts e nos comentários, frases que levam a concluir que são eles os maiores malfeitores. Será exagero? Efectivamente, as notícias não se afastam muito dessa conclusão.

Poderá ser dito que a rapidez e o rigor no julgamento de Bernart Madoff acontece na América, país grande e rico, muito diferente de Portugal. Porém, essa comparação não é coerente com outros aspectos em que Portugal se comporta como muito mais rico e poderoso que os EUA, como é o caso das remunerações e regalias dos altos dirigentes do Banco de Portugal, em comparação com os responsáveis pela Reserva Federal Americana.

É desmotivante ou mesmo traumatizante qualquer meditação sobre comparações entre os Países ditos civilizados e Portugal, ou «esta coisa», que nem sempre merece as qualificações adjectivantes que gostaríamos de lhe atribuir.
29
Jun09

17.000 por mês!!! Obrigadinho....

TC
O ex-chefe de gabinete de José Sócrates ganhou, em 2008, como vogal do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da TAP 98 mil euros. Com este salário anual, referida no Mapa de Remunerações dos Órgãos Sociais, Luís Patrão, que é também presidente do Instituto de Turismo de Portugal (ITP) desde Maio de 2006, recebeu da TAP, durante 14 meses, um ordenado mensal fixo de sete mil euros, valor superior ao vencimento do próprio primeiro-ministro.

Luís Patrão acumula três cargos desde que trocou a chefia do gabinete de José Sócrates pela presidência do ITP: a par da liderança do IPT, onde terá um salário mensal de cerca de 10 mil euros, Patrão é membro do CGS da TAP e vogal da administração da ENATUR, onde não tem remuneração.

Como vogal do CGS da TAP, Patrão tem, tal como os restantes seis vogais desse órgão, um salário mensal fixo de quatro mil euros, a que acresce um ordenado mensal complementar de três mil euros por ser membro da comissão especializada de sustentabilidade e governo societário, nos termos do Estatuto Remuneratório do mandato 2006-2008. No ano passado, essa comissão fez, segundo o relatório de Sustentabilidade da TAP, cinco reuniões para tratar de assuntos da TAP, SGPS e outras tantas para abordar temas da TAP, SA. Ao todo, em 14 meses de salário, aquela comissão realizou dez reuniões, com uma taxa de participação de 91 por cento.

In Correio da Manhã

Obrigado Sócrates!!!!!!!!!
27
Jun09

Conjuntura Política Submetida à Ganância e ao Roubo das Máfias Oligárquicas

TC
O último post do Arrebenta merece uma menção especial pela sua objectividade que o caracteriza. É o que Por isso que este post, inicialmente um comentário, foi para aqui transferido com ligeiras modificações para o enquadrarem no novo local e apagado onde se encontrava.

Cuidado com as simpatias políticas, não são de fiar. Assim como o partido do Sócrates não é o partido socialista, como diz o post, também o PSD de hoje se afastou das ideias sociais do tempo longínquo em que foram os PSDs dos três países dos Vikings que financiaram o PS português, viabilizando a sua implantação no nosso país. Facilmente se conclui que nessa altura ambos faziam parte da mesma família socialista. Admira também – mesmo com a má memória dos portugueses, que estes rapidamente se esqueçam de quem os lixa e logo voltam neles de novo – que ninguém mais fale nos roubos da quadrilha cavaquista aquando de primeiro-ministro e roubou e rebentou com os fundos europeus do modo que muitos ainda se recordarão, do mar de novos-ricos que apareceram do nada, deixando o país preparado para chegar onde chegou. A razão da falta de médicos e do estado do sistema de saúde. Tudo esquece o povo alarve. Só tem garganta para repetir o que as máquinas de propaganda política lhe impingem, aquilo com que os emprenham pelos ouvidos. Até o blog do Arrebenta sobre o Cavaco se calou.

Não há inocentes entre os políticos, mas apenas mais ou menos culpados da desgraça actual. As excepções são numa proporção àquele observada no parlamento aquando da votação da lei do financiamento dos partidos: menos de 0,4%! Para conhecer a mentalidade desmiolada nacional basta ouvir os políticos e discorrer, não sobre o sentido do que dizem, frequentemente vazio, mas em que sentido querem que a parvalheira nacional seja ludibriada. Por exemplo, se reflectirmos bem ao ouvir a Manela Leiteira facilmente chegaremos à conclusão do desespero do seu partido em colocar os seus militantes em lugares estratégicos para poderem roubar à grande e que ela, afinal, consegue ser ainda pior que o próprio Sócrates. Como diz o velho ditado: que venha o diabo e escolha. Com efeito, os partidos estão minados pela corrupção e conduziram o país ao estado calamitoso em que se encontra. Nem foi mais nada, cada um a seu modo e por seu turno.

Vejam-se alguns factos. O PSD é o autor incontestável de todos os projectos de grandes obras que o Sócrates seguiu e em que a Manela foi a principal colaboradora. Foram anunciados em alto e bom som quando o partido estava no governo. Agora recusa-os todos, porque se o governo segue as suas próprias ideias, como vai a sua máfia oligárquica fazer oposição? Vira-casacas ou falsidade? Ou ambos comportamentos? Podemos confiar em gentalha assim para nos governar? Outro ponto é o modo como o Cagão Feliz quer acabar com a Segurança Social, universal e solidário e fazer uma para ricos e outra para menos ricos e pobres. Os ricos deixariam mesmo de descontar para a Seg. Soc. Diz o vigarista que é assim que se faz nos outros países europeus. Mente com todas as dentolas que tem na comua. Um outro sistema existe, mas não como ele falseia.

Sobre as obras em questão, a polémica que surgiu é enganadora e estúpida, cada um puxando a brasa à sua sardinha. A afirmação de que as obras produzem riqueza é incontestável. Não se trata de saber se sim ou se não, é mundialmente reconhecido que sim, donde qualquer opinião em contrário só pode ser por ignorância, se afirmada por políticos será de má fé. Agora, o exagero descomunal de construir linhas de comboio a alta velocidade, absolutamente desnecessárias e despropositadas, que para nada servem o país nem a população, como a ideia idiota do PSD logo seguida pelos não menos idiota PS, isso já é outra coisa. Produz riqueza, sem dúvida, mas apenas no momento da obra, em que pões centenas de empresas a trabalhar, gerando enorme número de emprego, mas a seguir à riqueza de pouca duração vêm perdas descomunais, proprocionais ao investimento. Que bando de alarves orgulhosos das suas bestialidades! Investimentos, sim, mas em obras necessárias ao desenvolvimento futuro do país, que não faltam.

Não há, nem jamais haverá, solução enquanto não se domarem esses animais gananciosos e ladrões. Reconheçamos que dos países europeus (mais próximos e com quem nos queremos assemelhar) quanto maior o domínio da população sobre os políticos, maior a democracia e melhor eles vivem. A maioria da jornaleirada tenta enganar-nos e praticamente só nos enfiam pelos olhos comparações com a outra estrumeira nossa vizinha. Não pode haver opinião divergente.

É nessa base de controlo político que está o mal português e nada mudará enquanto se andar “beating around the bush”. Comece-se por impedir o assalto dos políticos aos cargos públicos a cada mudança de governo e para todas as outras funções públicas e importantes que nada tenham a ver com política. Encurralem-se esses animais no seu redil. Sem isto qualquer voto é inútil e serve apenas para substituir uma máfia oligárquica por outra máfia oligárquica. Não existe outro caminho para que o Arrebenta ou alguém mais alcance a realização dos desejos que formula no seu post.

Será talvez uma esperança vã, ao lermos os primeiros comentários ao seu post, os dois primeiros justos mas mal colocados por fora de sítio; depois o do anónimo, que nos mostra a sua mioleira tão bem como se a tivesse espalhado pelo chão à nossa frente.
25
Jun09

Fazer contas na era da calculadora

TC
O professor iniciou a aula distribuindo uma folha com um problema: Tês amigos lancharam na pastelaria do seu bairro. Ao pedirem a conta o empregado disse quee eram 30 euros. Cada entregou uma nota de 10 euros. O empregado entregou o dinheiro ao patrão que estava junto da caixa registadora e este disse que , por aqueles clientes serem antigos e com bons consumos, a conta ficava nos 25 euros, e entregou 5 euros aos empregado para lhes devolver Perante isso, o empregado, para facilitar as contas de divisão por três, ficou com 2 euros e entregou 3 aos clientes.

Fazendo as contas, verifica-se que depois da conta de 30 euros ser reduzida para 25, e da devolução dos 3 euros, cada cliente pagou 9 euros o que perfaz 27 euros, a somar a isso, o empregado ficou com 2 o que perfaz 29 euros e pergunta-se onde está o euro que falta para os 30.

Ao fim da aula nenhuma aluno tinha respondido à pergunta. O professor disse que pensassem nisso em casa e, se precisassem, pedissem ajuda a familiares e amigos. No dia seguinte voltariam ao problema.

E você, sabe responder?


No dia seguinte, não havia resposta e, então, o professor explicou.

O problema é simples. Não falta nada. Houve apenas um mau emprego da calculadora, porque ela faz contas depressa, mas não pensa que contas devem se r feitas. Não sabe se deve somar ou subtrair, se deve multiplicar ou dividir.

Vejamos: cada cliente pagou 9 € o que multiplicado por 3 perfaz 27€, dos quais, 25€ foram destinados ao patrão da pastelaria e os restantes 2€ ficaram nas mãos do empregado. Portanto, ficou tudo certo.
21
Jun09

Os votos perdidos para sempre do P.S.

TC


Imagem do KAOS

Começa hoje o Verão e só me está a vir à cabeça uma expressão portuguesa que se encaixa nas que mais detesto, e é... "ser corno". Do meu ponto de vista, só lhe encontro uma vantagem: só se é corno uma vez na vida, todas as restantes são meras réplicas.

O Sr. Sócrates, que deambulou por Universidades fanhosas em tempos em que era fácil passear por lá e "ir fazendo cadeiras", o Sr. Sócrates, a quem insistem em hoje chamar Engenheiro, consta, que não vi, portanto, estou à vontade para falar, que quer agora passar por cordeiro manso. Ora isso do querer passar por manso comigo não pega, porque, com ele, já fui corno manso uma vez, e, como não sou pessoa de gostar de réplicas: quando mudo, mudo de vez.

O Sr. Sócrates, que nós descobrimos tardiamente ser um ser invertebrado, sem personalidade, com o caráter traumatizado por estigmas indeléveis, o "boneco de plástico", como muito bem então a Imprensa Española lhe chamava, quer agora fazer o número do bebé chorão, que faz "buá", sempre que é apertado. Acontece que a única coisa que eu lhe apertava com gosto era o pescoço, e rápido, sem ter tempo de ele poder fazer "buá".

O que eu escrevo tem a gravidade de poder ser lido e subscrito por milhões de Portugueses. Depois das eleições mais inteligentes de sempre, faz agora duas semanas, o Sr. Sócrates e o partido esfarelado, e vergonhoso, que ele criou deveriam ter tirado uma dramática conclusão: há votos que voltaram às bases, e nunca mais de lá sairão. Nunca mais haverá um Comunista a pensar que talvez haja um voto útil na "Esquerdice"; os oscilantes do PSD perceberão que agora não se pode nunca mais oscilar, e é enfiar os corninhos em baixo, e marchar, marchar, na direção da Castanha Pilada; do CDS, nada há a dizer: nunca sofreram tanto vexame continuado, como das áreas do Rato, e vai de aqui uma vénia ao Candal, que os ratos levaram para junto de sei, e que não faz cá falta nenhuma: inaugurou, há uns quantos anos, a política baixa do PS, ainda nem nós sabíamos que eles eram capazes disso, e lá epigramou um célebre Manifesto Anti-Portas. Espero que tenha na morrido na ignorância de que lhe faltava escrever um outro, bem mais vasto, o Manifesto Anti-Sócrates, sempre com a agravante de que o Portas fez, faz e fará o que sempre bem lhe apeteceu, nunca inventiu câncios, e não precisa de cortinas de fumo de banhos turcos, nem de vapores de "jacuzzis", para que não reconheçam a cara pública daqueles grunhidos... O Bloco de Esquerda, por sua vez, é um caso à parte: agrada-me que ganhe força, e que tome forma, para se poder assentar, calmamente, nas pastas ministeriais, pelas quais sempre ansiou: enquanto os Portugueses não tiverem essa espantosa visão, nunca acreditarão, pelo que espero que venha depressa, bem sabendo que lá sentirei a difusa sensação de ter perdido mais quatro anos da minha vida a pregar aos peixes.

O problema do Partido de Sócrates, outrora conhecido por "Partido Socialista" é um problema grave, porque mexe com a nossa idiossincracia, e nós não toleramos ser traídos. Somos um bando de filhos da puta, mas lá achamos sempre que os diferendos se poderão resolver, bem no limite da confusão, com uma palmadinha nas costas. Sócrates veio mostrar que não, e que estava mesmo a humilhar, voluntariamente e a agredir, cada um de nós e cada qual, e que achava ainda que estava a fazer bem, e repetia, e até pedia, com cara de cona mansa, que lhe dessem oportunidade de continuar.

Os Portugueses têm de perceber que, quando voltarem às urnas, não estarão a votar num P.S: estarão a votar numa associação criminosa que é capaz de fechar universidades, quando pairam suspeitas sobre diplomas por elas emitidos, que destrói provas e acha isso naturalíssimo, que telefona com ameaças e pensa que a isso se chama Comunicação Social, que gasta milhões a polir bonecos de plástico para palcos dos programas da manhã da TVI, que consegue subverter o Estado de Direito, para não levar a julgamento suspeitos de Pedofilia, que constrange, pressiona, e acha natural que se interrompam, paredes dentro, investigações internacionais sobre a vida financeira e privada do homem que goza do estatuto de Primeiro Ministro, entre um infinito rol de coisas mais.

As Novas Fronteiras, hoje em dia, são uma reunião da Camorra Napolitana, com a ressalva para um punhado de totós que lá esteja, e está uma, pelo menos, de quem eu gosto muitíssimo, e a quem peço, desde já, desculpa por este texto, mas os Portugueses tinham mesmo de ser alertados para que as "Novas Fronteiras" só atiraram mais dejetos cá para fora, na figura do pimenteiro Vitorino, a alegria das saunas "bear", mas mais uma das formas da infelicidade decadente de que este país se revestiu.

Eu quero ter a certeza de que..., quando..., se..., alguma vez..., me apetecesse votar PS, não estava a pôr a cruz na ponta do icebergue de associações secretas, que, na sombra, manipulam estes fracos fantoches de feira felliniana; não me apetece votar em traficantes de drogas e armas; quero saber que, de uma vez por todas, não estou, com uma cruz, a validar uma criatura, Vítor Constâncio, que, no mínimo, já devia estar demitido; não quero pensar em Educação, e imediatamente me aparecer à frente uma coruja frustrada, que nunca conheceu o pai, e era acordada, de manhã, na Casa Pia, com baldes de água fria, para ir fazer bordados para tristes recantos cheios de umidade: isso não é Educação, são os traumas de uma vida inteira, que nunca deveriam extravasar a dor de quem os sentiu; não quero saber de Valter Lemos, e dos crimes cometidos à sombra do Gang de Macau, nem da "Mariana-dos-lindos-olhos", que, quanto mais velha se torna, mais cobarde, vingativa e medíocre se revela. Não me apetece saber que há um Paulo Pedroso preparado para ir protagonizar um dos mais obscenos momentos da nossa Vida Pública, e sacar 2 a 3% de votos em Almada, desprestigiando, ao mesmo tempo, o Estado de Direito, a Democracia, e a Inteligência do Homem Comum Português. Quando votar PS, quero ter a certeza de não estar a validar os rostos da sombra de uma qualquer Loja Maçónica, que já o tinha decidido antes de mim, e a quem eu vou fazer o frete de fingir que valido, por sufrágio, uma decisão preparada nas trevas. Não quero mais ouvir falar de Ferro Rodrigues, nem de Carrilho, nem de Vital Moreira.

Comigo, estão muitos milhões de Portugueses, que votarão em qualquer coisa, desde que não se chame PS, já que o PS se tornou naquilo tudo anteriormente descrito, e tem hoje uma só uma cara, chamada JOSÉ SÓCRATES.

Este teatro de fim de estação foi um péssimo boneco, ou como diriam as más línguas, a única coisa na qual Diogo Infante o não soube instruir...

Enquanto não se livrar destes flagelos, há batalhões de votos que o PS terá perdido para sempre. Creio que, lá no fundo, haveraá quem disto saiba, mas, quando há um demente à frente de um Governo, todos nós sabemos que isto termina sempre num "bunker", com o Führer a disparar, contra sua própria vontade, contra uma testa que nunca valeu muito, e com o seu último venezuelano, nu, e de buraco na cabeça, a esvair-se em sangue do chão, da última despedida erótica.

Estes são os milhões de votos perdidos para sempre do PS. Com muita honra neles me incluo, ao assinar este texto, que quero lapidar.


(Pentagrama do adeus que agora é demasiado tarde, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e em "The Braganza Mothers")

16
Jun09

Vamos EDUCAR o país........contra os telélés...

TC

Uma escola norte-americana encontrou a solução para impedir os alunos de usarem os telemóveis durante as aulas. Foi em Spokane, Estado de Washington. A escola instalou um dispositivo automático que bloqueia os telemóveis, impedindo o acesso funções de texto e de voz, durante as aulas. Nos intervalos das aulas e na hora do almoço, o bloqueio é desactivado. Quem não gostou nada foram os alunos. E, se calhar, alguns pais também não.

Post clonado do Ramiro Marques

COMENTÁRIO: Boa medida. Aprovo a 100%. Devia ser copiada para todo o território escolar nacional. Os telemóveis são uma praga social juvenil. As crianças já não brincam como nós no nosso tempo. Só jogam consolas, enviam sms a torto e a direito atropelando o português correcto. Já nem sabem escrever ser abreviar...
Eu até iria mais longe - nem nos intervalos!!! No espaço escolar deve-se Educar e Educar é prevenir estas pragas.
Em casos de emergências há sempre os telefones das escolas para contacto. Nunca vi ninguém prejudicado por "perder" o direito ao telélé...

15
Jun09

Política Nacional Tuga... olé olé

TC
Quem escreveu isto é um génio

ANTES DA POSSE:
O nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que a honestidade e a transparência são fundamentais.
Para alcançar os nossos ideais mostraremos que é uma grande estupidez crer que as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que a justiça social será o alvo da nossa acção.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que se termine com os marajás e as negociatas. Não permitiremos de nenhum modo que as nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que compreendam que somos a nova política.
DEPOIS DA POSSE:
Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA
14
Jun09

Que amigos que eles eram...

TC
Lembram-se de quem apresentou este livro?


Não se lembram? Então eu ajudo. Não, não foi Vital Moreira. Quem apresentou o livro "Sócrates - o menino de ouro do PS" foi mesmo Manuel Dias Loureiro. Na altura da sessão de apresentação, o agora proscrito Loureiro revelou que a afectividade do actual primeiro-ministro foi a característica que mais o «emocionou» na leitura do livro. Dias Loureiro referiu-se também à «enorme generosidade», «sensatez», «prudência», «coragem» e «capacidade de liderança» de José Sócrates, que classificou como um «homem trabalhador» e um «homem de detalhes»: «Só quem está atento aos detalhes pode fazer grandes coisas. Essa é uma característica dos grandes homens». Que bonito. Estou emocionado. Perante isto, gostava de saber se o candidato Vital Moreira também vai pedir a José Sócrates para se demarcar de Dias Loureiro. É que esta coisa dos detalhes tem que se lhe diga.

"Paulo Marcelo"

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

TACHOS E CUNHAS

PETIÇÕES

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D