...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...
tags

todas as tags

19
Mai
10

Os nossos gestores políticos acordaram entre si um novo plano; cobrar mais a todos e poupar num lado, para poderem continuar a gastar noutro, ao ritmo das vontades dominantes!
Gasta-se para acomodar pessoas das campanhas partidárias, num qualquer departamento municipal, ministerial, ou num instituto ou comissão. Não faltam nomes para todos os gostos. Também se gasta, para pagar aos financiadores das campanhas, não apenas o que doaram, mas também o retorno dos juros elevadíssimos. Muitos são os que se colocam na disposição de financiar Partidos; é melhor do que investir na bolsa, porque não existe risco. Caso os candidatos eleitos não devolvam o rendimento da aplicação do donativo, podem ter a certeza que será accionada a campanha difamatória! À falta de uma execução fiscal, aplica-se a execução mediática!
Por tudo isto, governar tem sido sempre segundo o mesmo princípio. A solução deve incrementar sempre mais o problema.
Este governo, e outros, prometeram reduzir o peso do Estado, mas tem aumentado. Queriam diminuir o número de funcionários, mas tem aumentado. Querem diminuir a despesa, mas aumenta. Querem melhorar o nível de vida dos cidadãos, mas tem piorado. Prometeram-nos acabar com a ditadura do Estado, mas usam-na para nos entregarem à ditadura económica, pela via do enfraquecimento do mesmo Estado. Querem um Estado regulador, mas transformam-no em asilo, regulado pela economia.
Ora, se há afectação de recursos, para algum lado transita...; não é difícil encontrá-la, se pensarmos na crescente burocratização, quer da administração pública portuguesa ou europeia, quer dos grupos privados bolsistas, onde os salários de directores, gestores e administradores (guindados ao estatuto de controladores dos escravos, assistidos pelos modernos escrivões - vulgo funcionários dos parlamentos e administrações) disparam a um ritmo alucinante e até absurdo, para não dizer obsceno!
Os que financiam tudo isto, na condição de clientes obrigados, ou de contribuintes punidos, andam aturdidos, fervendo em revolta lenta, à beira de um ataque de nervos!
Basta um líder sanguíneo e o rastilho da revolta popular incendeia, à velocidade explosiva de um barril de TNT.
Foi assim que se extinguiram todas as antigas civilizações, por causa do peso das cúpulas privilegiadas, que acabam por parasitar as bases derreadas!
Mas os lideres das bases têm a virtude de organizar a revolta e evitar o caos, porque a força da acção individual é anarquista, pelo desespero do desenrasque de cada um, em busca da sua sobrevivência! Por isto, assistimos ao crescimento da violência criminosa, em resposta à estupidez, geradora da violência criminosa das decisões políticas!
Precisamos de um estadista, de um democrata, que nunca tivemos, de uma forte consciência social e de uma nova mentalidade; precisamos de acabar com o egoísmo, precisamos de justiça social, precisamos que se acorde a remuneração justa de todos, começando a pagar, apenas em função do esforço energético de cada um e da qualidade do seu desempenho social!
Bastava, aos ultrapassados minoritários, terem acordado o abaixamento do tecto salarial e a subida do salário mínimo. Bastava que evitassem a acumulação de salários e reformas, acabando com as acumulações de cargos. Bastava terem retirado os privilégios de classe e tornado universal qualquer sistema social ou compensatório das profissões. Bastava cortar nas despesas de funcionamento dos departamentos, racionalizando utilizações de conforto e gastos de consumíveis e economato. Bastava substituir progressivamente as viaturas oficiais, por utilitários e deixar de pagar as despesas diplomáticas, que qualquer cidadão trabalhador suporta, apenas com o salário. Bastava serem comedidos nas obras públicas e nos materiais incorporados. Bastava deixarem de viver luxuosamente, num País de pobres! Bastava terem sido mais amigos do cidadão, que lhes paga tudo, ao qual falta apenas a união e concertação de acções reivindicativas, para terem o direito constitucional de estipular o salário dos seus servidores públicos e o direito de moverem acções, contra a prevaricação dos gestores que contratam, em cada acto eleitoral!
Afinal, como se organizavam as cidades, onde os representantes da Lei e da administração eram nomeados ou depostos pelos cidadãos, em actos sumários, pois que pagavam, dos seus bolsos, aos representantes daqueles trabalhos?
A única coisa que mudou, é que os funcionários públicos tornaram-se em patrões dos seus patrões(?)!
publicado por TC às 23:22
De Tasmaniapt a 20 de Maio de 2010 às 14:06
é verdade que bastava muitas pequenas coisas para dar a volta a isto mas a verdade é que eles vão sempre pelo caminho mais curto porque lhes convém a eles que lá estão e aos outros que querem ir para lá!!
De J. M. Macedo de Barros a 20 de Maio de 2010 às 16:03
Pois; mas compete-nos a nós utilizar as armas que podemos, para impedi-los do que querem, mal! Não acredito em resistências passivas, porque conduzem o País a um marasmo desmotivante, o tal não querer saber e andar a arrastar o corpo!
Adira em http://associacoes.org/blogs/jade
De Mentiroso a 20 de Maio de 2010 às 17:23
Como fazer alguma coisa quando os próprios espoliados apoiam a desgraça que lhes infligem?
A população foi mantida numa ignorância a tal ponto profunda que que se recordar reconhece ser muito superior àquela que se vivia no tempo do Estado Novo.
Sem vontade do povo nada se fará, até porque os oportunistas malvados aproveitam todas as oportunidades para delas tirarem partido e fazerem ainda pior.
Infelizmente, cada vez mais se chega à conclusão que só a mal se conseguirá destruir a malvadez que tomou conta de todos os partidos políticos.
De J. M. Macedo de Barros a 21 de Maio de 2010 às 12:40
Pior que a propaganda única do regime, só a contra-informação, tão usual no arremesso político-partidário!
As pessoas ficam confusas e desmotivadas; este regime fica satisfeito e a comunicação social cumpre a sua tarefa, ao serviço dos mesmos ditadores de antigamente!
Para mudar, resta haverem lutadores resistentes...; como vai ser?

links
tags

todas as tags

blogs SAPO