De Joaquim Moreira a 8 de Setembro de 2008 às 17:03
Conheço um individuo nestas circunstancias, foi apanhado com um carro roubado, levado pela policia e o juiz deixou-o sair. E, como se não bastasse, so pelo gozo, a porta do tribunal roubou o carro da juiza
Tenho 7 irmaos, todos eles policias (PSP e PJ) e, por causa destes casos, alguns deles estao a ponderar abandonar a carreira porque, tal como eu, nao entendem porque andam eles dias a fio (por vezes semanas ou meses) a reunirem provas contra criminosos, quando finalmente os apanham, algum juiz, por alguma razão, os poe novamente em liberdade.
De Anónimo a 8 de Setembro de 2008 às 20:22
Tudo doido.
Agora experimentem fazer umas contas:
Custos do polícia/hora, multiplicados pelo número de agentes;
Custos do combustivel e carros empenhados na manobra;
Custos do juíz e demais funcinários do tribunal.
Somem e tirem conclusões.
Quem manda?
Who is in charge?
BM
De Anónimo a 9 de Setembro de 2008 às 00:07
http://forumbenfica.blogspot.com/

Em 5 meses (15 de Março a 21 de Agosto) Hulk jogou por 3 clubes e esteve inscrito em 4 clubes!!



A 15 de Março Hulk jogou pelo Kawasaki Fontale

A partir de 6 de Abril, Hulk passou a jogar pelo Tokyo Verdy

A 25 de Julho, Hulk foi contratado pelo Porto ao Club Atlético Rentistas

A 24 de Agosto, Hulk jogou pelo Porto no jogo contra o Belenenses.




Tendo em conta que o caso "Mateus", o caso "Meyong", e o mais recente caso "Edimar" do Sporting de Braga, então neste caso Hulk poderá estar a infringir as normas.


É preciso lembrar que Hulk já jogou por 2 jogos oficiais na Super Liga, o que poderá representar 6 pontos de penalização pelo facto de jogar em 2 jogos de forma irregular, além de o Porto perder os pontos alcançados contra Belenenses e Benfica. Neste caso, será que o Porto irá perder 10 pontos na Super Liga?

Por exemplo a FPF aceitou a inscrição do Meyong tal como permitiu a inscrição do Hulk. O problema é que a FPF defendeu que o clube tinha a responsabilidade de analisar se Meyong poderia jogar ou não.

Neste caso Hulk jogou, e todos os indícios levam a considerar que existem irregularidades ao nível dos clubes inscritos. Mesmo no caso dos clubes representados, a opinião da FPF no Caso Edimar, a aplicar-se ao Caso Hulk, poderá também representar uma irregularidade.

Se no Caso "Leandro Lima", a responsabilidade da falsificação do passaporte foi dada ao jogador, neste caso a haver irregularidade esta é, sem margem para dúvidas, da responsabilidade do clube.

Será "Hulk" um novo caso "Mateus"?
De Nuno a 9 de Setembro de 2008 às 00:37
Caro Benfiquista,

lamento mas um jogador não pode jogar em 3 clubes na mesma época desportiva e não ano civil.

Abraços tripeiros.