...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...
tags

todas as tags

03
Jan
09
Todos nos devemos lembrar de algumas das vezes sem conta em que Paulo Portas não perde a oportunidade de, fiando-se na ignorância geral, faz discursos que se esforça por serem persuasivos, tentando impingir-nos a idiotice de que mais polícias na rua é uma necessidade por ser a medida correcta e adequada para prevenir o pequeno crime. Não o alto crime planeado dos corruptos, que escapa sempre a também corrupta justiça nacional com dois pesos e duas medidas.

Quem quer que seja que se tenha preocupado a investigar e conhecer o que se passa pelo mundo, nem precisa de ir muito longe para conhecer o que nesse âmbito se passa e tem passado em países europeus. Os exemplos não faltam, mas o PP sabendo que poucos se têm tomado esse conhecimento, atreve-se a mentir descaradamente. Com o mesmo descaramento com que engana os eleitores pelas feiras e praças, tentando convencer os mais pobres a votarem num partido da direita, ou seja, a que se prontifiquem a sacrificarem-se voluntariamente e engordar os mais ricos com as suas migalhas.

O que o PP nos encobre, por evidente conveniência, é a realidade nua e crua. Os países com maior paz social e menos crimes são precisamente aqueles onde existe maior justiça social. Quanto mais atenuada a diferença entre os mais ricos e os mais pobres, maior é a segurança e menos polícias se vêm na rua. O que ele também esconde é que o método de pôr mais polícias na rua é comparável a dar cacetada no pobre que rouba um pão por ter fome. Evidentemente, crime é sempre crime, mas reconhecer as suas causas é admitir a realidade, o que ele não faz. De certo que os que praticam crimes não nasceram criminosos; as circunstâncias, a pré disposição e as oportunidades a isso o levaram. Também aqui se pode aplicar o velho ditado de que a «ocasião faz o ladrão». Isto não pode o PP dizer, porque equivalia a confessar a existência do enorme desnível social que ele tanto se esforça por amplificar: tirar aos pobres para poder dar aos que têm mais. Reflectindo um pouco sobre as suas palavras cada vez que ele fala chegamos sempre a esta conclusão.

Entre o Natal e o Ano Novo veio o Procurador Geral da República anunciar-nos um previsível aumento do crime para o ano que agora se inicia. Baseou ele muito bem a sua previsão no mais que certo aumento da pobreza e da miséria no país. A sua explicação desmentiu assim, mais uma vez, os contínuos embustes do PP consequentes do seu eterno propósito de tirar aos que mais precisam para dar aos que mais têm, aliás dogma de base do seu partido.
publicado por TC às 01:29
De A. João Soares a 3 de Janeiro de 2009 às 11:43
Caro «Mentiroso»,
A Justiça Social devia ser uma prioridade da governação, mas não se espere do Governo nem dos partidos uma medida eficaz para a conseguir. As notícias recentes mostram as actuais condições de vida de ex-governantes que nasceram pobres, o que nos pode levar a concluir quais são os reais objectivos que levam as pessoas à carreira política.
E com isso fica explicada a criminalidade violenta e a económica e a forma como a Justiça trata uma e outra. Nem se olha às causas nem se aplicam medidas dissuasoras para evitar a que maior mal faz ao País.
Um abraço
João (http://www.domirante.blogspot.com/)
De Mentiroso a 4 de Janeiro de 2009 às 22:56
Por que é que a justiça social não seja uma prooridade dos governos portugueses quando o é nos países democráticos? só pode não ser por Portugal não ser uma democracia. Afinal, qual é a utilidade de ter governantes se eles não se interessarem pelas necessidades e pelo bem da população? Então, rua com eles!

Bom, o Paulo Portas não consta que tenha nascido pobre, mas isso à parte, Se os políticos são parasitas mandriões atraídos pelo roubo fácil e impune, como se verifica em Portugal, trata-se de mais uma prova de que Portugal não é uma democracia. Tal não é o geral nos países democráticos, pois que eles são estreitamente controlados pelo povo que os trás à rédea curta. As eventuais excepções não são exemplos e, evidentemente, são frequentes nas pseudo democracias.

Um abraço
De e-ko a 8 de Janeiro de 2009 às 20:54
gosto muito das suas mentiras!

links
tags

todas as tags

blogs SAPO