...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...
tags

todas as tags

11
Jan
10
Ainda hoje, os mais celebrados heróis franceses modernos são aqueles que lutaram contra a ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial, fazendo rebentar bombas por tudo quanto era lado onde estivessem alemães e matá-los. Em Espanha, aos heróis da resistência basca chamam terroristas.

Os heróis da resistência francesa têm sido frequentemente objecto das maiores homenagens ao mais alto nível nacional.

Difícil de acreditar em tão monstruosa maldade e falsidade quando o governo central espanhol, terrorista e opressor, afirma que quer a paz, ou não fosse o próprio povo castelhano o herdeiro das maiores selvajarias, torturas e genocídios mundiais. Se essa descomunal mentira fosse verdade, seria bem fácil de obter a paz, pois que para tanto bastaria conceder a independência ao país que colonizam impunemente. Não seria qualquer favor, mas apenas no cumprimento da Carta das Nações Unidas (Cap. I, Art°. 1, nº 2, assim como noutros lugares) e das normas de todas organizações defensoras dos Direitos Humanos.

Disse o falso do primeiro-ministro castelhano que ia acabar com a ETA. Esta afirmação acrescenta o epitáfio de louco à sua personalidade. Já provou a sua esperteza canalha noutras alturas e com essa demonstrou a sua baixa capacidade de compreensão, a sua falta de inteligência. Ao longo da história não faltam exemplos do contrário, sendo os mais recentes os constatados em Timor, na Palestina ou no Kosovo, onde povos dominados de modo idêntico ao que os bascos sofrem, lutaram pela liberdade ou morte. Sem excepção, observamos que a um aumento de opressão corresponde um aumento de resistência agressiva. É absolutamente lógico que os filhos, vendo como os pais são tratados pelos opressores se tornarão mais revoltados e agressivos do que os próprios pais. Está na natureza humana e não resta a provar. Daí, a afirmação pelo cobarde do castelhano só poderá originar risota por tanta estupidez revelada, ainda que promovida por intrínseca iniquidade. Só passará despercebido a interessados ou estultos.

De acordo com a Carta das Nações Unidas que os malvados castelhanos assinaram, Todos os povos têm direito à autodeterminação. Se esgotadas todas as tentativas pacíficas, esta lhes continuar a ser negada, têm ainda o direito em a exigir seja por que modo for.

Em tudo isto, o povo castelhano não está isento de responsabilidade. O único modo possível de obter a paz e a tranquilidade é conceder a liberdade de direito ao povo colonizado. Não há outro caminho nem alternativa para a paz. Todos os acordos quebrados pelos governos castelhanos o têm provado.

Quando se conhece a populaça estúpida castelhana, que em lugar de se manifestar exigindo do governo essa única solução, se manifesta contra os próprios oprimidos, não podemos deixar de nos recordar dos crimes sanguinários cometidos pelos avós desse mesmo povo maldito. Aquele que mais selvaticamente se comportou ao cimo da terra, duma malvadez incrível, tal como descrita por um dos seus missionários, o Dominicano sevilhano Frei Bartolomé de las Casas, mais tarde bispo de Chiapas, no México, testemunha ocular das inimagináveis torturas e carnificinas por eles perpetradas.

Os incrédulos, os enganados, os desinformados e todos aqueles que desejem tomar conhecimento sólido da verdade deveriam ler as suas crónicas traduzidas em várias línguas e publicadas num grande número de países menos em Espanha. A mais conhecida é decerto aquela que ele intitulou Brevísima Relación de la Destrucción de las Indias. Os crimes relatados e cometidos pela população normal e pessoal dos colonos atingem as raias do inconcebível de tão hediondos. Só lendo-a e conhecendo o renome da honorabilidade do autor nos podemos convencer.

As demonstrações populares a que assistimos presentemente contra os bascos, por parte dos castelhanos são efectuadas pelos descendentes directos dessa raça de malvados. Segundo as instituições humanitárias mundialmente acreditadas, a tortura e incomunicabilidade continuam a ser a regra nesse país de selvagens.

Morte aos malvados! Pelo comportamento dos governos castelhanos, adivinha-se que será infelizmente necessário matar muitos mais até que a iniquidade compreenda e ceda à razão. Em lugar de se celebrarem e honrarem os resistentes como a França fez (e faz) aos seus. A violência dos bascos que se verificou em Barcelona é condenável por os catalães terem também sido conquistados e subjugados pelos mesmos castelhanos. Todavia, sempre que dirigida ao opressor ou aos seus tentáculos é um acto lícito, visto todos os outros terem sido frustrados pela malignidade castelhana. «As causas conduzem à violência, por os poderosos não as quererem resolver e não estarem interessados em fazer cedências.»

Querendo, pode consultar-se uma página com alguns extractos, factos históricos, nomes do principais heróis da perversidade e crueldade e, sobretudo, links para a crónica acima citada, textos, testemunhos, biografia do missionário, etc., clicando aqui.

Facto altamente significativo, a raça de malditos continua a venerar e tratar por heróis os maiores criminosos da humanidade, em lugar de pedirem perdão aos descendentes daqueles a quem assassinaram, que trucidaram e dos recém nascidos a quem rebentaram com a cabeça contra os rochedos.


Em Portugal, a cambada de jornaleiros da desinformação não conta os acontecimentos nem informa imparcialmente. Com efeito, foram eles que conjuntamente com a corrupção política formaram o povo mais mentalmente e monetariamente atrasado da Europa. Para o encobrir passam o tempo a impingir um sentido de orgulho pelos mais baixos valores após terem destruído os do género que educaram, instruíram e levantaram os povos dos outros países. Os portugueses sofrem a miséria humana que de todas as formas lhes foram infligidas por essas duas variantes de ralé e como lhes sugaram a inteligência, tais como: o mais baixo nível de instrução da União Europeia e o maior número de iletrados e incapazes de pensar por eles mesmos, deixando-lhes apenas esperteza para a malandrice, os piores sistemas de saúde e de segurança social, etc. Os embrutecidos por este sistema agradecem com reconhecimento.

Se agora, quebrando as regras e indo contra esta constituição fantoche e acordos internacionais das Nações Unidas e da Amnistia Internacional, entregarem os infractores da lei nacional à selvajaria da tortura castelhana, tal como se conhece indubitavelmente, nenhum paspalho nacional terá algo entre as pernas que o faça reclamar. Pobre povo de castrados mentais.

De notar: tal como anteriormente mencionado sobre as polícias, a GNR mostrou mais uma vez a sua incapacidade desatando aos tiros como tarados. Não serão tarados, mas a falta de treino moderno e adequado e o abandono a que todos os governos os têm votado, fizeram deles o que se vê. Por isso que as armas lhes deveriam ser tiradas até que as ensinem a não só como usá-las, mas mais ainda, a como se comportarem no exercício das suas funções. No estado actual nem tampouco se lhes pode esperar eficiência profissional. Para nada serve uma polícia assim, a não ser para cometer selvajarias, fazer disparates e incapacidade profissional. Nada disto fará baixar o nível de criminalidade, pelo contrário. Agora até têm seguranças para os guardar! Isto não diz nada a ninguém?

Outros artigos também publicados nos blogs do autor (1 e 2).


publicado por TC às 22:28
De Anónimo a 11 de Janeiro de 2010 às 22:55
Já tinha lido algo sobre isto há anos mas a grande maioria das pessoas é ignorante sobre o assunto.

links
tags

todas as tags

blogs SAPO