...este é um espaço que revela alguns "pecados" do povo tuga. Os nossos políticos são do pior... e o povo manso releva...
posts recentes

O Profano Sudário

Posts mais comentados
5 comentários
tags

todas as tags

31
Mar
10


Imagem do KAOS

Quando o país está parado, enveredamos pelas efemérides.
Costumamos ter a memória curta e as costas largas.
Mais coisa, menos coisa, há uns 3 anos, o Sr. José Sócrates, só deus saberá como, detentor de umas cadeiritas do Curso de Engenharia Civil, que lhe davam, e dão, uma habilitação abacharelada, acordava para um dos primeiros sustos da sua vida.

Já não me lembro se a coisa começou na Blogosfera, se foi nos Jornais, mas foi gloriosa: começaram por chover pautas incongruentes, faxes que não se percebiam se eram contemporâneos das notas, se dos pedidos das mesmas, via fax, motoristas do Estado, que ficavam à porta, enquanto o Sr. Sócrates fazia de aluno, e nós pagávamos (?) as horas extraordinárias do motorista,  promessas de declarações bombásticas, trafulhices de toda a casta, e um processo posto a um investigador da Blogosfera, que se tinha esticado demasiado, para a falta de cultura democrática e má consciência do gajo que governava Portugal.
Descobriu-se que se podiam fechar universidades, sempre que pudessem manchar os percursos manchados que os políticos nelas tinham feito, e assim se fez, e deus viu que era bom.

Desde então, as coisas mudaram, se possível, para muito pior. Descobrimos, escandalizados, que havia uma gaja, cheia de pinturas, que branqueava, a partir da sede da Justiça; que a História aceitava ser reescrita, e nós tínhamos de engoli-la; que havia notícias e não-notícias, sendo que as segundas prevaleciam sobre as primeiras, quando convenientes, e, mais coisa menos coisa, o tipo perdeu, depois, a maioria absoluta, percebeu-se que estava no centro de tudo o que era negócio obscuro, e de que havia um Partido refém de uma figura, que seria inaceitável em qualquer sociedade do Primeiro Mundo, exceto naquelas que, como a nossa, se tinham berlusconizado. Acontece que, quando penso em Berlusconi, penso, é claro, num gajo nojento, metido com a Mafia, a viver alegremente entre putas e travestis, mas tudo isso com palácios renascentistas, como pano de fundo, a velha luz de Roma a banhar o todo, e "malgré tout", um bom gosto de milénios, capaz de suportar um palhaço daquela estirpe. 
Nós, infelizmente, nunca conseguimos ir muito além das casinhas de azulejo do emigrante, das Casas da Música, das rimas do Saramago e das Capelinhas das Aparições, de maneira que ter um vigarista a encenar o rei vai nu num cenário destes é infinitamente mais deprimente do que tudo o que queiramos imaginar, mas isto sou eu a pensar alto, que sempre fui Europeu e Civilizado, e que nem nunca quis acreditar que essas coisas fossem possíveis, embora me passassem diariamente debaixo dos olhos. Excesso de Trianons, como diz um amigo meu, aliás, excesso de... Belvedères :-)

Depois disto, ainda houve Lurdes Rodrigues, a tal que enviava os professores para morrer nas escolas -- creio que nos países com leis, se chama a isso homicídio involuntário, mas cá dá-se-lhe o nome de Fundação Champalimaud... -- os presépios da Maria de Centro Esquerda, a Igreja, toda, confundida com uma "Casa dos Érres", os "Freeports", e Comissões de Ética onde pontificavam pessoas sem ética, suponho que, para que, pelo princípio da dupla negação, estando na Comissão de Ética pessoas sem ética, os casos de falta de ética que por lá passassem se tornassem imediatamente éticos, por serem analisados por desprovidos de Ética. Não, esta não foi uma indireta para a Inês de Medeiros: são só as vossas cabecitas malignas a congeminar. :-)

Não sei se vale a pena acrescentar mais alguma coisa. Esta era apenas uma celebração do Tempo Pascal: o Cordeiro de Vilar de Maçada está em plena forma, e é insubstituível. Ninguém lhe dá com uma miniatura do Idolatrário de Fátima nas fuças, como em Itália, porque o Povo é amorfo, sereno e sonso, e, no fundo, até gostaria de ter feito as mesmas coisitas que o Sr. Sócrates fez.

Está no seu direito, e eu, no meu, de achar que vivo numa pura esterqueira a céu aberto.

(Quadrado pascal, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino", e em "The Braganza Mothers")
publicado por TC às 01:16
links
tags

todas as tags

blogs SAPO